PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM
PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Avião da Azul Linhas Aéreas causa pânico a bordo



94 passageiros a bordo viajavam de Salvador para Campinas (SP)


O vôo 4061 da empresa Azul, que decolou de Salvador as 11h30 com destino a Campinas, em São Paulo, teve que ser abortado meia hora depois da decolagem.

O avião apresentou problemas técnicos e teve que retornar à capital baiana.

Alguns passageiros já seguiram viagem em vôos de outras companhias. Outros, preferiram adiar a viagem para amanhã.

A empresa ainda não divulgou nota oficial sobre o problema. Relatos de passageiros informam que houve uma descida muito rápida e que as máscaras de oxigênio foram acionadas.
Contato Radar

Homem é preso no aeroporto de Los Angeles com lagartos na pochete


Segundo a polícia, Michael Plank estava voltando da Austrália.

Homem pagou fiança de US$ 10 mil e será julgado em dezembro.

Um homem foi preso no aeroporto internacional de Los Angeles, nos Estados Unidos, ao tentar entrar no país com 15 lagartos dentro de uma pochete, de acordo com reportagem da rede 'Fox'. Segundo os policiais federais que o prenderam, Michael Plank, de 40 anos, estava chegando da Austrália quando foi flagrado com os animais, na semana passada. Ele pagou uma fiança de US$ 10 mil e será julgado em dezembro. Os animais valeriam cerca de US$ 8,5 mil e Plank não tinha permissão para transportá-los.
Desástres Aéreos

Fôlego para a JAL



A Japan Airlines assegurou um empréstimo do Banco de Desenvolvimento do Japão no valor de 755 milhões de euros que lhe permitirá continuar a operar.

Imersa numa crise sem precedentes, companhia áerea nipônica estava pendente há semanas de receber um novo empréstimo daquele banco, o seu maior credor, tendo o Governo dado finalmente autorização.

A JAL registou perdas de 977 milhões euros no primeiro semestre do ano fiscal, prevendo despedir até 2015 cerca de 13.000 dos seus 489.000 empregados.

Aeroblog

TACV na IATA


A companhia aérea de Cabo Verde foi admitida como membro de pleno direito da IATA, Associação Internacional de Transporte Aéreo, que reúne companhias aéreas de todo o mundo. Com a admissão na IATA, uma associação com cerca de 230 companhias aéreas em mais de 120 países, a TACV passa a aceder a uma série de possibilidades de melhorar a sua operação regular, e segundo declarações de Georgina Benrós de Melo, administradora comercial, à agência Panapress, é um reconhecimento do esforço que a companhia tem feito para aumentar a sua eficácia e melhoria de serviços, e "abre portas muito importantes à TACV em termos de futuro, de desenvolvimento das suas relações comerciais e da capacidade de prestação de serviço a outras companhias".
Apea

KC-390: investimento tcheco

KC-390 imagem Embraer

Presidente da República Tcheca quer parceria com a Embraer para construir avião-cargueiro


O Brasil deve ganhar mais um parceiro de peso para cooperar em matéria de aviação. O presidente da República Tcheca, Václav Klaus, chega a Brasília amanhã e se encontra com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para estabelecer uma cooperação mais próxima entre a empresa brasileira Embraer e a tcheca Aero Vodochody. “Estamos muito interessados em fazer uma parceria com a Embraer para desenvolver o cargueiro KC-390 (que substituirá o Hércules, usado pelas Forças Armadas brasileiras)”, afirmou o embaixador da República Tcheca no Brasil, Ivan Jancárek, em coletiva de imprensa.

Poder Aéreo

TAM volta a operar em Joinville


Desde o dia 23 de setembro, Gol e TAM haviam anunciado a suspensão dos voos para a Joinville/SC, devido a má condição de preservação da pista principal, que oferecia riscos com relação a segurança dos voos.

A partir de 7 de dezembro, a TAM voltará a operar no aeroporto da cidade, com voos no período noturno.

O voo 3033 partirá diariamente do aeroporto de São Paulo/Congonhas às 18:46 e chegará a Joinville as 19:46. No sentido inverso, o voo 3034 opera de domingo a sexta-feira, decolando de Joinville às 20:26, com pouso estimado para as 21:23 em solo paulista.
Flight life

Demissões na TAM



A companhia aérea TAM demitiu hoje cerca de 100 funcionários dos níveis de diretoria, gerência e administrativo.

Trata-se apenas de pessoal dos escritórios – as equipes que trabalham nos aeroportos e nas aeronaves não sofreram cortes. Consultada, a TAM, admitiu que houve demissões, mas não confirmou o número. Ainda segundo a empresa, os cortes fazem parte de um “ajuste administrativo”.
BGA

Base Aérea do Galeão está com os dias contados



TACA anuncia novos voos para Cancún

taca_novovoocancun

A TACA anunciou durante a OVC (Oficina de Visitantes e Convenções de Cancún) que passará a ter dois novos voos ligando sua base em San Salvador a Cancún, somando seis frequências semanais, informou o Caribbean News Digital.

A nova rota ajudará a aumentar ainda mais o turismo na cidade, uma das preferidas pelos viajantes latino americanos.

“Cancún é dos principais destinos turísticos na América Central e estamos seguros de que com estas novas frequências será possível incrementar a afluência de visitantes”, disse o Diretor de Vendas da TACA para a América Latina, Ricardo Granillo, que aproveitou a ocasião para também agradecer o apoio promocional dado aos voos pela OVC .

CR

LAN firma parceria com Itaú Unibanco

lan_itauunibanco

A LAN firmou uma parceria com o Itaú Unibanco que permitirá aos clientes do banco brasileiro trocarem os pontos que acumulam nos programas “Sempre Presente” e “Passaporte” por quilômetros do programa de fidelidade da companhia aérea, o LANPASS, informou o Jornal do Turismo.

Para participarem basta que os clientes dos programas do banco se cadastrem no LANPASS, sendo possível realizar a troca a cada 1000 pontos acumulados, que serão equivalentes a 1000 km. A partir de 28 mil km já será possível retirar passagens de ida e volta partindo do Brasil para qualquer um dos destinos atendidos pela LAN ou pelas empresas da aliança oneworld, da qual faz parte.

CR


Brad Pitt produz e atua em adaptação do jogo “Dark Void”


No ainda inédito jogo “Dark Void”, o piloto Will sofre uma queda de avião e, perdido, entra em um universo paralelo, onde humanos têm que lutar contra uma raça de alienígenas que imaginava-se já estar extinta há anos. Com um número limitado de poderes e armas, Will se junta aos outros humanos para tentar impedir a invasão de extraterrestres.

Brad PittDe acordo com a Capcom, o jogo “Dark Void” chegará às lojas em 16 de janeiro do próximo ano e vai estar disponível para as plataformas PlayStation 3, Xbox 360 e PC.

Confira uma foto do personagem que será interpretado pelo ator:


Cinema com Rapadura

Novo voo da Taca a partir de Porto Alegre já tem 60% de ocupação


O novo voo da Taca Airlines, entre Porto Alegre e Lima e que estreia no próximo mês, já tem ocupação média de 60%. O número é resultado de uma rápida resposta do mercado gaúcho, segundo o gerente regional da Taca no Brasil, Ian Gillespie. O novo trecho começou a ser divulgado há pouco menos de um mês. “Ainda temos alguns dias antes da estréia e temos certeza de que vamos melhorar ainda mais esta média que já é bastante satisfatória”, ressalta. Gillespie observa que o número demonstra que havia uma demanda reprimida. “Mostra que a criação deste novo trecho foi acertada”, completa.

O gerente reforça ainda que o novo voo vai proporcionar a abertura de portas para o desenvolvimento da economia e turismo regionais não só do Rio Grande do Sul, mas também de estados vizinhos. “A região Sul terá voos para 42 destinos de 22 países das três Américas. São muitas as possibilidades de negócios, especialmente se levarmos em conta que assim como vão turistas e empresários para lá, vêm turistas e empresários para o Brasil”.

Os voos estarão disponíveis a partir do dia 3 de dezembro. As viagens serão num espaçoso e moderno Airbus 319 com 120 assentos e terão duração de 5h. Inicialmente, a ida contará com voos às terças, quintas e sábados, às 7h, e retorno às segundas, quartas e sextas-feiras, às 22h15.

TG Online

Empresa aérea é condenada por extravio de bagagem





Uma passageira da empresa Varig S/A – Viação Aérea vai receber, a título de reparação por danos morais, R$ 6.000,00, corrigidos pelo INPC e acrescido de juros de mora e mais R$ 3.295,00 por danos materiais configurados, também corrigidos pelo INPC e juros de mora, por ter sua bagaem extraviada em viajem à região norte do país. A decisão foi da juíza de direito substituta, dra. Cristiany Maria de Vasconcelos Batista, da 7ª Vara Cível de Natal.

O fato narrado pela passageira

Ao acionar judicialmente a VARIG, a autora (J.D.S.) informou que em 26 de novembro de 2004 embarcou no voo n.º 2266 da Varig com destino à Belém – PA para participar de concurso público para provimento de cargos de Auditor Fiscal da Receita Federal, despachando, na ocasião, duas bagagens de sua propriedade. Porém, para sua surpresa, ao desembarcar na cidade de Manaus, percebeu que um dos dois volumes de sua bagagem havia sido extraviado pela empresa.

Aflita e desesperada, procurou um funcionário da Varig e solicitou a localização de sua bagagem, momento em que foi conduzida a uma sala reservada, sendo-lhe solicitada a entrega da etiqueta contendo a numeração da bagagem desaparecida, bem como que fosse preenchido um formulário padrão, no qual seriam descritas as características do volume extraviado.

Após preencher o formulário, deslocou-se até o hotel para o qual havia feito a reserva e lá chegando constatou que a bagagem extraviada era a que continha todos os seus pertences, tais como roupas, material didático relativo ao certame, além de todo dinheiro que seria gasto durante a sua permanência na cidade.

No dia seguinte, manteve contato com a empresa aérea para que esta custeasse o seu translado do hotel até o local de provas, tendo sido-lhe enviada, através de uma das funcionárias da empresa, um adiantamento de emergência de R$ 200,00, que somados aos depósitos efetuados pelos seus familiares, possibilitou a compra de roupas e produtos de higiene pessoal, após passar mais de 30 horas apenas com a roupa do corpo e sem condições de cuidar de sua higienização.

Apesar de tudo, ainda incoformada com o descaso da empresa aérea, compareceu à Delegacia de Div. Repressão aos Crimes Organizados, onde foi lavrado boletim de ocorrência narrando todo o ocorrido, registro feito também perante o Departamento de Aviação Civil. Nos dois dias seguintes, datas de realização das provas, mesmo muito abalada pelo constrangimento ao qual foi submetida e sem condições psicológicas, submeteu-se às provas do concurso, retornando à Natal no dia seguinte, sem ter qualquer notícia acerca do paradeiro de sua bagagem.

Ao desembarcar em Natal, procurou o guichê da empresa ré para tratar mais uma vez do assunto, ocasião em que, por solicitação de um dos funcionários, elaborou o inventário dos objetos que compunham a sua bagagem extraviada, após o que nenhuma providência foi tomada pela Varig a fim de resolver todo o problema.

Assim, requereu a condenação da empresa no pagamento de uma indenização a título de danos materiais (abrangendo as despesas com hospedagem, curso preparatório, taxi, passagens aéreas, alimentação e o valor da bagagem extraviada), bem como de indenização pelos danos morais por ela suportados.

Versão da Varig

A VARIG contestou afirmando que os fatos narrados pela autora não são aptos a gerar as consequências jurídicas pretendidas, tendo em vista que embora possa ter gerado aborrecimento ou uma certa sensação de desconforto, não configura o instituto do dano moral, pela ausência evidente de um dos seus elementos caracterizadores, qual seja, um dano susceptível de reparação, alegados nos autos de forma vazia e infundada.

Embora a autora sustente haver sofrido danos morais com o extravio de uma de suas malas, a essa conclusão não se pode chegar nem muito menos provar, até mesmo porque em nenhum momento houve tratamento desrespeitoso ou ausência de cortesia, pelo contrário, buscou-se de todas as formas amenizar o ocorrido, sendo concedida toda assistência necessária.

Para a empresa, o alegado dano moral não existiu, haja vista que o que ocorreu não passa de imprevistos da vida cotidiana, não podendo ser confundido o natural estado de nervosismo que possa ter acometido a autora em função do concurso que prestaria, com o eventual abalo que possa ter gerado o extravio de sua mala, tampouco poderá ser responsabilizado pelo possível insucesso da da candidata com relação a sua atuação no referido concurso.

Quanto aos danos materiais, ressaltou que a passageira não reclamou por bens de uso exclusivamente pessoais, perante os quais detém a empresa aérea, por força contratual, responsabilidade de guarda. A autora reclama pela perda de material didático e dinheiro, não tendo sequer se precavido com o pagamento de seguro contra acidentes exigidos pela empresa aérea em casos em que são despachadas determinadas mercadorias.

Decisão

Para a juíza Cristiany Maria o caso trata-se de uma relação de consumo, amparada na Le i n.º 8.078/90, o Código de Defesa do Consumidor – CDC. Tal se dá porque de um lado tem-se o autor/consumidor e do outro a parte ré/fornecedor. No que diz respeito aos contratos de transporte em geral, entende que inexistem maiores dificuldades em se concluir pela aplicabilidade do Código de Proteção e Defesa do Consumidor aos mesmos.

Ainda segundo a mesma legislação, a relação de consumo que é, a responsabilidade do transportador, pelos danos causados pelo extravio da bagagem, é sempre objetiva. Não é necessário se provar dolo ou culpa. Basta simplesmente a prova do fato ocorrido e o nexo de causalidade entre o fato e o dano.

Segundo a magistrada, o artigo 14 Código de Defesa do Consumidor disciplina que o fornecedor deve responder pelo evento danoso, independentemente culpa, consagrando a sua modalidade objetiva. No caso, a conduta indevida da empresa transportadora é inconteste, pois houve o extravio da bagagem da autora e o problema ainda persiste, pois a passageira não foi ressarcida dos danos sofridos. Já o dano se deu pela perda de objetos pessoais , roupas, dinheiro, além de todo o sofrimento, constrangimento e angústia ocasionadas à transportada em virtude da perda sua mala.

Quanto ao dano moral, verificou que o fato narrado foi gerador de aflição e transtornos, já que a bagagem da autora fora extraviada pela Varig. Portanto houve falha na prestação do serviço aéreo, o que causaria, em qualquer pessoa de mediana sensibilidade, revolta e desassossego, a ponto de justificar a indenização extrapatrimonial, em especial quando se atesta que esse tipo de negligência é de todo evitável. (Processo nº 001.04.001863-7)

Fonte: http://www.tjrn.jus.br:8080/sitetj/GerenciadorServlet.do?action=GerenciadorWeb&operacao=exibirInternet&id=4790&secaoSelecionada_id=9&registrarLeitura=true
Proteja seus Direitos

LADRÕES ASSALTAM TESOURARIA DA GOL DENTRO DO AEROPORTO DE CONGONHAS




Dois homens, vestindo terno, óculos escuros e chapéus de palha, assaltaram a tesouraria da empresa aérea Gol no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, depois de render três funcionárias. As câmeras da Infraero não gravaram o assalto, que aconteceu dentro da empresa, por volta das 13h30m desta segunda-feira.
As funcionárias contaram à polícia que trabalhavam no setor administrativo quando foram rendidas por dois homens armados. Uma delas disse que, minutos antes do crime, os acusados abriram a sala onde ela estava, procurando por duas mulheres. Depois, voltaram, sacaram as armas e anunciaram o assalto.
Duas funcionárias que chegaram na sala no momento do roubo também foram rendidas. Elas foram amarradas pelos bandidos e tiveram as bocas tapadas com fita vermelha.
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, os bandidos roubaram R$ 66.307,77 da empresa e fugiram. Um inquérito policial foi instaurado para investigar o caso.
Este é o primeiro assalto a uma empresa aérea que se tem notícia dentro do aeroporto. O crime mais comum em Congonhas é o furto de passageiros. Na semana passada, quatro estrangeiros - três peruanos e um argentino - foram presos e acusados de furtar bagagens. As câmeras da Infraero registraram a ação dos bandidos. Um deles saltou de um carro e pediu informações para a vítima, para distraí-la. Quando o passageiro se descuidou, outro dos bandidos pegou a maleta com o laptop dele e entrou no carro. A vítima só percebeu o crime um minuto depois.
Este tipo de furto, aproveitando a distração do passageiro, ocorre também no aeroporto internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo. O produto mais roubado é o laptop. Na semana passada um peruano foi preso quando tentava roubar uma mala com o equipamento de um passageiro. Em Guarulhos, os criminosos costumam agir na calçada, do lado de fora do aeroporto, quando os passageiros se distraem. A área deve ser policiada pela Polícia Militar, mas os passageiros reclamam da falta de segurança.
- Os vigilantes se preocuparam muito em me mandar fumar do outro lado da calçada. Acho que tinha que colocar polícia na calçada, na hora de maior movimento e ficar vigiando mesmo - disse o comerciário Ronaldo Oliveira Santos.
IFR Online

Plane stupid




Esse vídeo sensacional mostra o impacto da aviação no clima. Um simples avião dentro da Europa joga na atmosfera 400 quilos de gases responsáveis pelo efeito estufa para cada passageiro. É o peso de um urso polar, um dos animais mais afetados pelo derretimento dos polos provocados pelas mudanças climáticas.

O impacto da aviação é um problema porque não há consenso sobre qual país é responsável por um voo internacional. Se um avião da American Airlines sai do Brasil para o México, na conta de quem entram as emissões. Na do Brasil? Na do México? Ou na dos EUA, onde é sediada a empresa aérea? O Reino Unido, que tem metas ambiciosas fixadas em lei para redução nas emissões, é um dos principais hubs globais de aviação. E agora planeja ampliar o aeroporto de Heathrow, perto de Londres. Como o aumento na frequência de voos que fazem escala e conexão no país compromete a meta de reduzir as emissões? Essa é uma questão complicada.

Para piorar a situação, enquanto ninguém consegue reduzir as emissões da aviação, que só cresce com o movimento aéreo em franca expansão, o impacto das mudanças do clima vão afetar mais do que apenas ursos polares. As vítimas do derretimento dos polos seremos nós, humanos, quando o nível do mar subir e começar a afetar portos e cidades.

Azul avança na disputa online de cias aéreas

Azul avança na disputa online de cias aéreas
Site da Azul se destacou no segundo semestre, segundo a Serasa Experian

Viagens de negócios aquecem mercado aéreo



A ascensão das classes C e D abre às companhias aéreas perspectivas de negócios animadoras, mas foi a volta dos viajantes a negócios que mereceu destaque nos balanços financeiros da TAM e Gol. Parte da expansão de 26% do mercado doméstico no terceiro trimestre, na comparação com o mesmo período de 2008, é atribuída pelas aéreas às viagens corporativas, que engrenam uma retomada neste cenário de reativação da atividade econômica.

Para o presidente da TAM, Líbano Barroso, este segmento deve manter o ritmo histórico de superar duas vezes e meia a expansão do produto Interno Bruto (PIB), estimada em 5% pelos economistas para 2010. Segundo ele, esse mercado reagiu de forma mais clara a partir da segunda quinzena de setembro. Até 15 de dezembro, a busca destes clientes por voos continuará “forte”, mas depois, até o fim de janeiro, entram em cena os viajantes a lazer. “A volta do viajante a negócios coincide com a percepção de melhora do momento econômico”, afirmou o executivo. Hoje, cerca de 75% dos passageiros da TAM viajam a negócios, enquanto a média do mercado ronda os 68%, diz Barroso.

A Gol também detectou um aumento no número de passageiros corporativos no terceiro trimestre, segundo Eduardo Bernardes, diretor comercial da empresa. Além da melhora na economia, contribuiu para a maior procura de usuários corporativos a integração da malha aérea com a Varig, além da possibilidade de os clientes da Gol acumularem milhas no programa de milhagem Smiles. Dos clientes que viajam pela Gol, 62% pertencem ao mercado corporativo. “Em 2001, quando a Gol iniciou suas operações, perto de 80% dos viajantes na indústria brasileira de aviação eram deste segmento”, diz.

As duas empresas disputam palmo a palmo os clientes pessoas jurídicas. Segundo os dados mais recentes da TMC Brasil (Associação das Empresas Administradoras de Viagens de Negócios do Brasil), no primeiro semestre a TAM tinha 52% das vendas nacionais de seis agências de viagens corporativas filiadas à entidade. Apesar da liderança, a participação é inferior aos 61,4% indicados nos primeiros seis meses de 2008. O grupo Gol/Varig, por sua vez, saiu de 34,2% para 40,7% no período.

Preços

O consultor de Aviação da Bain & Company, André Castellini, observa que o crescimento do mercado aéreo, seja com passageiros de turismo ou de negócios, não significou uma melhora nas tarifas na mesma proporção. Somente agora é que a perspectiva de recomposição dos preços das passagens começou a ocorrer. Dados da Associação Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que o preço médio das passagens aéreas em outubro subiu 16,6% nos voos nacionais, na comparação com setembro. O valor médio ficou em R$ 312,20 em outubro, ante os R$ 267,75 verificados no mês anterior.

Além da política agressiva de preços das empresas, Castellini diz que o excesso de oferta de assentos também dificulta a recuperação das receitas.

Abril

EUA determinam troca de software em jatos da Embraer



A Administração da Aviação Federal (FAA, na sigla em inglês), o órgão que regulamenta a aviação nos Estados Unidos, determinou a substituição de um software de controle eletrônico de motor considerado suspeito em mais de 250 jatos regionais da companhia brasileira Embraer. Anunciada ontem, a decisão expande uma diretriz de segurança de julho de 2008 que se seguiu a incidentes ocorridos em voos.

Na época, motores da General Electric em seis aviões Embraer 170 perderam propulsão ou passaram a não responder aos comandos dos pilotos.

O problema apareceu quando a GE tentava corrigir uma falha anterior no software, que afetava válvulas de controle do fluxo de combustível para os motores. Os incidentes levaram a inspeções e a diversos estudos de segurança, feitos pela GE, pela Embraer e por órgãos reguladores em todo o mundo.

Há oito meses, a GE disse que os problemas no motor do Embraer 170 não tinham voltado a aparecer desde o verão (no hemisfério norte) de 2008. A GE e a empresa brasileira voluntariamente instruíram as companhias aéreas a instalarem um conserto permanente. Até o segundo semestre deste ano, a GE disse que mais de 80% dos aviões que foram alvo dos mandados federais e dos boletins de segurança da fabricante haviam sido consertados.

No entanto, desde então a FAA já registrou outros 20 incidentes semelhantes de perda do controle do motor que afetaram jatos da Embraer, de acordo com o documento de segurança atualizado da agência. O software de controle de motor revisado deve ser instalado dentro de 600 horas de tempo de voo após a regra mais recente entrar em vigor, no fim de dezembro. As informações são da Dow Jones.
último Segundo

Para Anac, governo deve subsidiar linhas, não empresas


Para o diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Guaranys, o órgão entende que uma forma de desenvolver o transporte aéreo no País, e principalmente as ligações regionais, seria o governo, ao invés de subsidiar empresas, subsidiar as linhas aéreas que apresentem interesses políticos.

Segundo Guaranys, “as novas regras de liberdade para o setor podem ter um lado ruim, porque não protegem as empresas pequenas da concorrência, mas, por outro, dão solidez e fazem com que elas (as empresas) busquem mais eficiência e atendimento de novos mercados sem precisar que o governo proteja ou subsidie a aviação regional”. De acordo com o dirigente, ainda que esse subsídio fosse residual, “ele deveria ser aplicado na prestação de um serviço específico para uma linha com necessidades de desenvolvimento”, disse. “Mas isso ainda dependeria de uma lei específica”, finalizou.

Marcelo Guaranys participou da abertura do IV Congresso da Abetar, que segue até amanhã. Na ocasião, o presidente da entidade, Apostole Lazaro Chryssafidis, o Lack, falou sobre a questão do subsídio governamental para empresas aéreas regionais e disse que o setor não tem essa ânsia e que caminha com as próprias pernas, mas que exige contrapartidas do governo.
Panrotas

British Airways/ Iberia quer australiana Qantas


A terceira maior companhia de aviação europeia, que irá resultar da fusão entre a British Airways (BA) e a Iberia, quer continuar a crescer. Agora mais forte, a BA reconsidera uma união com a australiana Qantas Airways Limited, admitiu, ao "Financial Times", B. Willie Walsh, administrador da companhia britânica.

No ano passado, a British Airways e a Qantas encetaram conversações com vista a uma fusão, mas as partes não chegaram a acordo em relação a “pontos-chave” da fusão. As duas companhias continuaram, no entanto, a trabalhar em conjunto nos seus serviços entre a Austrália e o Reino Unido, uma vez que ambas integram a aliança Oneworld.

Segundo o administrador da British Airways, a nova estrutura BA/Ibéria - que possibilita a manutenção das marcas e sedes de escritórios das duas empresas – tem condições para reiniciar as conversações com a australiana Qantas.

Além da canadiana Qantas, também a norte-americana American Airlines (AA) avizinha-se como candidata a uma fusão com a BA. No início deste mês, Gerard Arpey, o presidente da AA, salientou que uma união com a companhia britânica poderia amortecer os efeitos da crise mundial e combater a concorrência feroz na rota Estados Unidos-Inglaterra.
Jornal de Negócios

Filho de Lula e mais 15 pessoas 'pegam carona' em avião da FAB


Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do Presidente da República; o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e mais 15 acompanhantes "pegaram carona" em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) no último dia 9 de outubro, segundo reportagem publicada nesta terça-feira pela Folha de S.Paulo.

Ainda de acordo com o jornal, dez minutos antes que o Boeing 737, de prefixo 2116, desembarcasse em Brasília, a aeronave, que levava militares a serviço da Aeronáutica, teve de retornar a São Paulo para buscar Meirelles, Lulinha e as outras 15 pessoas.

Outro lado - A assessoria de Meirelles alega que a aeronave, conhecida como "Sucatinha", foi solicitada apenas para ele e um assessor. Já a assessoria da Presidência afirma que os passageiros, incluindo Lulinha, eram convidados pelo presidente. A FAB, por sua vez, disse que, como a aeronave estava a serviço do presidente, eles não tinham controle sobre a lista de passageiros e o itinerário.

Diário do grande ABC

Avião movido a energia solar realiza primeiros testes


O primeiro avião pilotado movido a energia solar do mundo, o Solar Impulse, realizou na semana passada uma sessão de testes na Suíça. O projeto, liderado pelo psiquiatra e piloto Bertrand Piccard, conhecido por ter realizado a primeira viagem de balão de volta ao mundo em 1999, tem como objetivo conseguir realizar em 2012 uma volta completa ao redor do globo apenas com a energia do sol.

O avião, que possui quatro motores movidos a energia solar, realizou na semana passada as primeiras manobras de velocidade na pista. Também foram testados alguns equipamentos, como o trem do pouso. O próximo passo, após o sucesso desta etapa, será a tentativa de decolagem da aeronave para alguns "saltos breves", segundo comunicado da equipe responsável.

O Solar Impulse, segundo o site Inhabitat, não é o primeiro avião movido a energia solar. O Odysseus, uma aeronave de vigilância autônoma movida a energia solar que está em desenvolvimento nos Estados Unidos, pretende pode voar por cinco anos consecutivos apenas com seus painéis solares.

O site Engadget noticiou os primeiros testes da aeronave, descrita como tendo "a envergadura de um Airbus e o peso de um automóvel", como não "muito convincentes" em relação aos objetivos do projeto.

O Solar Impulse está em desenvolvimento em duas sedes na Suíça, em Dübendorf e Lausanne, e envolve uma equipe formada por mais de 50 especialistas de seis países, além de mais de 100 consultores externos, que trabalham no desenvolvimento do protótipo. Diversas instituições e empresas apoiam a iniciativa. Informações completas sobre o projeto estão no site www.solarimpulse.com.

TERRA

Lufthansa terá novos aviões Airbus, mas Brasil ainda não deve receber aeronaves

Apesar de os destinos entre o país e a Europa serem apropriados para o novo modelo, infraestrutura dos aeroportos ainda não comporta os aviões.


lufthansa divulgação
A Lufthansa se prepara para receber 15 novos aviões Airbus A380 até 2015. O modelo, com capacidade para transportar 550 passageiros, será o maior da frota da aérea alemã. As rotas para os aviões ainda não estão completamente definidas, mas já há 20 destinos potenciais em estudo, a maior parte partindo da Ásia e da América do Norte.

Os novos modelos não devem cobrir rotas brasileiras tão cedo. “O aeroporto de Guarulhos ainda não está preparado para receber um avião deste porte. Seriam necessárias mudanças na infraestrutura e o aeroporto só estaria pronto para receber este Airbus em três ou quatro anos”, disse Peter Köser, diretor-geral da Lufthansa para aeroportos na América Latina, em coletiva à imprensa.
Quem também criticou a infraestrutura aeroportuária no Brasil foi Peter Fellinger, que se prepara para deixar o cargo de diretor da Lufthansa para América Latina e Caribe. “A Copa de 2014 e as Olimpíadas em 2016 são anúncios que me assustam um pouco. Qualquer melhoria de estrutura para estes eventos já deveria ter ao menos começado a ser feita”, diz.

Mas apesar dos investimentos necessários para os aeroportos brasileiros receberem o modelo Airbus A380 da Lufthansa, a companhia aérea acredita que o Brasil seria um destino interessante para operações da aeronave. “A distância entre Brasil e Europa é longa e a demanda é boa. É uma rota que suportaria bem este avião”, diz Jens Bischof, vice-presidente da Lufthansa para as Américas.


Parceria com a TAM

A partir do ano que vem, a TAM vira membro efetivo da Star Alliance, que reúne companhias aéreas do mundo inteiro para facilitar parcerias e compartilhamento de voos. A empresa foi convidada a entrar no grupo no final de 2008, mas o processo de integração só será completado em abril de 2010.

A Lufthansa já anunciou que, quando isto acontecer, vai ter destinos e rotas em parceria com a empresa aérea brasileira. “Ainda é muito difícil precisar quais e quantos destinos serão compartilhados entre as duas companhias. Isto só deve ser anunciado quando a TAM entrar efetivamente na aliança, no início do ano que vem”, diz Jens Bischof, vice-presidente da Lufthansa para as Américas.

Qualquer acordo além de parcerias para voos está descartado. “Eu vejo o Brasil como o país de maior potencial de crescimento para a empresa na América Latina, porém, só em termos de números de destinos cobertos, e não em investimentos em infraestrutura”, explicou Bischof ao comentar uma possível fusão com a empresa.

Mudanças na diretoria


A Lufthansa também anunciou algumas mudanças na diretoria. A partir de dezembro, Peter Felling deixa o cargo de diretor-geral para a América Latina e Caribe, que ocupava há cinco anos, para assumir a vice-presidência de vendas da Saudi Arabian Airlines.

Aqui no Brasil, a Lufthansa recebe a executiva búlgara Albena Janssen, que após dez anos na empresa, vem para o país como diretora de vendas em marketing. Ela entrou na Lufthansa em 1998 e, antes de vir para o Brasil, ocupou o cargo de gerente para tarifas do Oriente Médio, África e América Latina.
ÉPOCA

Anúncio ambientalista mostra ursos de 400 kg em queda livre


Um anúncio veiculado em cinemas pela organização Plane Stupid, que luta contra a expansão da indústria de aviação, tenta impactar os consumidores britânicos mostrando ursos polares de 400 kg em queda livre sobre uma metrópole, enquanto um avião passa.

De acordo com a peça, criada pela agência Mother e dirigida por Daniel Kleinman, uma viagem de avião dentro da Europa gera cerca de 400 kg de gases responsáveis pelo efeito estufa por pessoa - o mesmo peso médio de um urso polar adulto.

A propaganda ambientalista começa com tomadas de prédios com vidros espelhados e é possível ver pontos pretos caindo do céu. As imagens vão se aproximando e mostram os ursos batendo violentamente contra os prédios ao som da passagem de um avião.

A Plane Stupid alega que a aviação é um dos setores emissores de gases que mais cresce atualmente e ajuda a mudar o clima do planeta. A organização pede o fim de voos curtos e tenta impedir a construção de mais aeroportos.

Segundo um artigo no jornal britânico The Guardian, a violência do anúncio pode não surtir efeito no espectador. "Propagandas impactantes funcionam melhor com mudanças de comportamento imediatas, tangíveis e pessoas, como usar camisinha e não beber e dirigir", afirmou Ed Gillespie, co-diretor de uma agência de comunicação sustentável.

"Elas são menos efetivas quando os 'custos' são a longo prazo, incertas e comuns, como para fumantes passivos e mudança climática. É por isto que campanhas contra obesidade se concentram em incentivar pessoas a fazerem algo positivo em vez de enfatizar os efeitos negativos de não agir", completou.


Reprodução
Anúncio da Plane Stupid relaciona aviação a morte de ursos polares por efeito estufa
TERRA

Sem combustível, avião pousa em rodovia do interior de SP

Pouso de emergência ocorreu na Rodovia Capitão Bardoino.
Além do piloto, monomotor levava 1 tripulante e 4 passageiros.

Avião teve de pousar em rodovia após ficar sem combustível (Foto: Edice Ramos de Camargo Aguiar/VC no G1)

Um monomotor, modelo Cessna 210, fez um pouso de emergência na Rodovia Capitão Bardoino, que liga Socorro, a 134 km de São Paulo, a Bragança Paulista, a 85 km da capital, por volta das 17h50 deste domingo (22), segundo informações da Polícia Rodoviária Estadual. A aeronave chegou a resvalar na copa de alguns coqueiros, mas ninguém se feriu no pouso forçado.

A aeronave saiu de Belo Horizonte, Minas Gerais, e seguia para Jundiaí, a 58 km de São Paulo, quando, segundo o piloto, o indicador de combustível apontou nível baixo no reservatório e o avião perdeu força. Em seguida, ele pousou na pista da rodovia, em Pinhalzinho, a 112 km de São Paulo, e depois parou no acostamento.

Policiais rodoviários viram o avião e interromperam o tráfego na rodovia, que estava tranquilo no horário. Além do piloto, havia um tripulante e quatro passageiros – dois adultos e duas crianças - no aparelho, que foi levado para um posto de gasolina e passará por perícia.
G1

Queda de avião militar mata cinco na Itália

Roma, 23 Nov (Lusa) - Um avião militar C-130 despenhou-se hoje durante um voo de treino militar próximo do aeroporto de Pisa, na Toscana, provocando a morte dos cinco ocupantes, informou o Estado-Maior da Defesa de Itália.

O avião despenhou-se cerca das 14:10 (13:10 em Lisboa), logo após a descolagem e incendiou-se ao chegar ao solo, numa zona desabitada, segundo informações da força aérea italiana.

Os mortos são os cinco militares que seguiam a bordo e pertenciam à 46ª Brigada Aérea de Pisa, indicou o Estado-Maior da Defesa italiano

Azul pode adiantar recebimento de jatos Embraer

A companhia aérea Azul poderá antecipar no ano que vem o recebimento de aeronaves da Embraer caso a demanda por passagens continue muito aquecida, declarou o diretor da empresa Miguel Dau.

|Segundo ele, estão programados inicialmente para 2010 mais sete aviões modelos Embraer, 190 e 195. "Pode ser mais. Estou muito otimista com o cenário", afirmou o executivo a jornalistas nesta quarta-feira.

A Azul, que estreou no mercado aéreo brasileiro em dezembro de 2008, vai fechar o ano com 14 aviões operando na malha nacional.

Conforme Dau, a taxa média de ocupação nos voos da Azul está acima de 87 por cento, chegando em algumas rotas a 94 por cento. "Trabalho há anos no setor aéreo e nunca vi um coisa igual", disse.

"O cenário econômico conspira a favor do setor em 2010", acrescentou, ressaltando que o PIB deve crescer cerca de 5 por cento no ano que vem.

A Azul ficou em outubro com 4,44 por cento de participação do tráfego de passageiros dentro do país, de acordo com dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O diretor da empresa aérea disse que o market share da companhia deve aumentar no ano que vem.

"Dificilmente vamos dobrar isso, porque saímos do zero. Não estamos preocupados com market share. O passado mostra o preço que se pagou nessa busca. Queremos manter qualidade e satisfação do cliente, além dos custos baixos de operação."
Contato Radar

Grupo Emirates apóia lançamento da Senegal Airlines

No Dubai Air Show que foi completado ontem, em Dubai, o grupo Emirates e o governo do Senegal anunciaram que será dado suporte técnico e comercial para a Senegal Airlines, a nova companhia aérea que vai operar a partir de 2010.

O anúncio foi feito após o encontro oficial entre Sua Alteza Sheikh Ahmed bin Saeed Al-Maktoum, presidente e CEO da Emirates Airline e do Grupo Emirates, e Karim Wade, ministro de Infraestrutura, Transporte Aéreo e Cooperação Internacional do Senegal. O Grupo Emirates contribuirá com sua expertise técnica e apoiará a nova empresa, colaborando para o desenvolvimento de produtos e serviços aéreos da Senegal Airlines. Para seu principal executivo, a Emirates tem interesse estratégico na África onde já opera em 17 destinos.

"O Senegal está fortalecendo sua indústria aérea e construindo um novo e tecnológico aeroporto internacional chamado Blaise Diagne Airport que, em conjunto com a nova companhia aérea, irá colaborar para que a aviação senegalesa se destaque não só na África, mas no mundo inteiro", disse Karim Wade.
Desástres Aéreos

Presidente da Gol comenta planos sobre Caribe e fretamentos

gol_caribefretamentos

Durante passagem por Londres o presidente da Gol, Constantino de Oliveira Júnior, comentou sobre os planos da empresa e suas expectativas em relação ao crescimento do mercado, informou a AE.

De acordo com Júnior, dentre as perspectivas da Gol está aumentar os destinos atendidos no Caribe – com a possibilidade, inclusive, dos novos voos para lá partirem de Caracas e Bogotá. Atualmente a empresa opera voos para dois destinos caribenhos, Aruba e Curaçao, e avalia a possibilidade de novas rotas e mais frequências.

Outra aposta está no mercado de fretamentos, especialmente com a chegada do verão e período de férias escolares, podendo, para atender à demanda, reativar uma das aeronaves B767 que encontram-se paradas desde o fim das operações internacionais de longo curso da Varig. Neste sentido, Constantino informou que a Gol avalia a possibilidade de fechar contratos de seis meses com as operadoras de turismo para atender mercados na América do Norte, além do Argentino, que durante o verão costuma gerar grande demanda por voos ligando-o às praias brasileiras.

O presidente da Gol ainda espera que a bom momento do mercado brasileiro se mantenha e até melhore no próximo ano, especialmente se as expectativas econômicas para o país forem concretizadas, permitindo às empresas aéreas manterem bons níveis de crescimento, possivelmente na casa dos dois dígitos caso o PIB atinja os 5% de melhora projetado pelos economistas.

CR

Lufthansa recebe centésimo A320

a Lufthansa acaba de receber seu 100º avião da família A320.

“A entrega do 100º avião da família A320 para a Lufthansa não apenas retrata o tremendo sucesso do programa A320, mas também o nosso forte relacionamento com a Lufthansa, um dos maiores operadores mundiais de Airbus”, disse o Diretor Operacional para Clientes da Airbus, John Leahy, que aproveitou para ressaltar que o programa de mais de 20 anos não está parado no tempo, recebendo constates melhoras em aerodinâmica, redução de peso, eficiência operacional e conforto interno.

Com mais de 170 aviões da Airbus dentre as famílias A320, A330 e A340, a Lufthansa é não apenas uma das maiores operadoras mundiais como também uma das mais longevas, operando aeronaves da fabricante européia há mais de 30 anos, desde que recebeu seu primeiro A300 em 1976.

CR

Sistema de controle aéreo sem radar é testado nos EUA

Tecnologia poderia ter evitado o acidente da Gol, diz diretor do MIT.
Ela permite que a aeronave emita sinal indicando sua localização exata.

Foto: Reprodução Foto: Reprodução

Radar de monitoramento aéreo em aeroporto dos EUA (Foto: Reprodução)

Um sistema de monitoramento de aviões que não usa radar está sendo testado pela primeira vez nos Estados Unidos, abrindo caminho para a implementação de um controle de tráfego aéreo mais moderno, barato e seguro. A tecnologia usa informações de satélite e está sendo aplicada no estado do Colorado. Ela permite que os controladores e os próprios pilotos saibam a localização exata de todas as aeronaves dentro da mesma região.

Em entrevista ao G1, o diretor do Centro Internacional de Transporte Aéreo do MIT (Massachusetts Institute of Technology), John Hansman, explicou o funcionamento deste novo sistema. Segundo ele, esta ferramenta vai tornar voos mais seguros, e poderia ter evitado o acidente com o Boeing 737 da Gol, que matou 154 pessoas em 2006, ao cair no Mato Grosso após um choque com um jato Legacy durante o voo.

"Este sistema poderia ter evitado o acidente. Em primeiro lugar, os controladores aéreos teriam um conhecimento melhor das posições dos aviões e, em segundo, os próprios aviões poderiam ver suas posições, e saber que havia uma aproximação evitando o choque", explicou.

O novo sistema deve ser implementado em todas as regiões dos Estados Unidos até 2020. Ele funciona através da emissão de sinais das aeronaves, que são medidos por sensores espalhados em terras e em outros aviões, sendo determinada a localização exata delas, explicou. "Os aviões sabem onde eles estão através de informações de seus próprios sistemas de navegação, como o GPS. Com este novo sistema, eles enviam uma mensagem para todos que estão dentro de um raio específico, informando esta posição. E qualquer avião que esteja próximo desta aeronave pode saber a posição dele em relação à sua, numa tela dentro da cabine de comando", disse.

Foto: AFP Foto: AFP

Vista da pista do aeroporto desde a torre de controle, na Argentina (Foto: AFP)

Além disso, completou, desde o chão, o controle de tráfego aéreo pode trabalhar usando um rádio normal, que é mais simples e barato, que decodifica a informação em um display semelhante ao de radar. “Do ponto de vista do controle aéreo, esta tecnologia é a próxima geração do monitoramento, que é como se mede a localização das aeronaves.”

Monitoramento

Desde os anos 1950, o radar é a base dos sistemas de controle aéreo usados no mundo, servindo para evitar colisões e ordenar o tráfego de aeronaves. Apesar de choques entre aeronaves serem raros, a autoridade norte-americana de aviação alega que o radar tem limitações técnicas que levam a atrasos nos voos em todo o país. Os sistemas com base em informações enviadas por satélites podem oferecer informações mais exatas e corrigir este problema, permitindo um intervalo menor entre pousos em um mesmo aeroporto.

Além de ser mais exato, o sistema em teste atualmente tem um custo muito mais baixo de que o da construção de radares, que são caros e dificilmente podem ser construídos por toda a parte. Segundo uma reportagem publicada no jornal "USA Today", o sistema em teste em todo o estado do Colorado custou o mesmo que a contrução de apenas um radar em aeroporto.

Foto: AFP

“É um sistema que pode ajudar muito países grandes como o Brasil, que tem um território tão grande. É difícil ter radares em todos os lugares do país, mas com este sistema se torna muito barato, usando apenas equipamentos de rádio mais simples, ter as mesmas informações que se conseguiria com radares”, disse Hansman. Segundo ele, em alguns anos o Brasil também poderá começar a testar o novo sistema, que pode logo se espalhar pelo país.

Sem panaceia

O professor do MIT explicou, entretanto, que este sistema não vai corrigir todos os problemas da aviação no mundo, mas apenas tornar mais fácil o monitoramento, permitindo saber a localização exata dos aviões a cada momento. Segundo ele, esta tecnologia não faria diferença se estivesse em funcionamento na época em que o voo AF 447 caiu no Oceano Atlântico enquanto ia do Rio de Janeiro para Paris.

“No caso do acidente da Air France, seria impossível saber onde o avião desapareceu. O problema é que rádios convencionais não vão tão longe, e quando se está a algumas centenas de milhas no oceano, não se tem comunicação direta. Rádio normal só segue em linha reta e por conta da curvatura da terra, quando se passa de uma certa distância, seria preciso olhar através do chão para encontrar a aeronave, como as onda de rádio não passam pela terra, é impossível.”

O especialista em aviação explicou que o novo sistema de monitoramento de tráfego aéreo é uma das principais tecnologias em desenvolvimento na atualidade. Segundo ele, também está sendo trabalhado um sistema comunicação automática de dados entre o avião e os controladores. “Temos uma versão crua disso em alguns aviões, mas precisamos atualizar isso, que na verdade é um sistema de troca de emails entre a aeronave e o controle em terra, permitindo que o controle crítico seja feito em formato de dados”, disse.

Analisando a dificuldade em determinar as causas do acidente da Air France por conta de não terem sido encontradas as caixas pretas da aeronave, Hansman alegou que não é necessário elaborar nenhum sistema novo para armazenamento de informações de segurança de voo, pois o que existe já costuma funcionar bem.

“O acidente da Air France foi um caso muito específico. Em 99,9% dos casos é possível recuperar as caixas pretas após o acidente ou descobrir de outra forma as causas do acidente, então não sei se faz sentido mudar totalmente o sistema de registro de informações de vôos por causa desse caso isolado.”

Foto: AFP

Aviação não está preparada para classes C e D, diz OceanAir


O diretor Comercial da OceanAir e Avianca, Renato Pascowitch, demonstrou preocupação em relação ao crescimento das classes C e D na aviação comercial. Para ele, as companhias aéreas precisam aprender a lidar com este público, pois, segundo o dirigente, representa a maior fatia no crescimento dentro da aviação.

Se baseando em uma pesquisa do Ministério do Turismo que apontou um crescimento de mais de 20% na presença deste público nos últimos anos, Pascowitch falou que este problema envolve toda cadeia do turismo.

"Não é um problema nosso ou de uma outra empresa, mas de toda a cadeia responsável pela aviação. Este público não está acostumado a viajar de avião e com o crescimento da economia e com facilidades de pagamento, eles estão se programando para ir de avião e não mais de carro ou ônibus. Cabe a nós nos adequarmos a este público, a OceanAir está fazendo a parte dela, mas é preciso que todos façam a sua", aconselhou.

Pascowitch comandou a palestra Segmentação Turística – Identificando Produto e Demanda para Ampliar seu Negócio, realizada no último dia do Festival do Turismo de Gramado. No final ele falou das expectativas de crescimento da aviação no Brasil, que deve chegar aos 15%, três vezes mais que o aumento esperado do PIB do país: "É uma tendência que tem sido notada há cinco anos. A aviação cresce sempre o dobro ou triplo do PIB", disse lembrando que a exceção foi ano passado, devido à crise.

Mercado e Eventos

Avião exibe faixa com protesto contra visita do presidente do Irã


Quem foi à praia neste sábado (21) viu no céu um protesto contra a visita do presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad ao Brasil.

Presidente do Irã propõe cooperação nuclear com o Brasil

O avião fez um sobrevoo na orla exibindo uma faixa que pedia que Ahmadinejad respeite os direitos humanos e não venha ao país.

Visite o site do RJTV

O presidente do Irã chega ao Brasil na segunda-feira (23) para se encontrar com o presidente Lula. Os dois presidentes devem assinar acordos de cooperação em pelo menos oito áreas.

G1

Embate técnico mostra disparidades abissais entre Anac e Snea

O último painel de debate no 21º Festival do Turismo de Gramado “Guerra Tarifária estimulando a competitividade” serviu para uma coisa: deixar no ar dúvidas ainda maiores sobre a futura liberação das tarifas aéreas, prevista para 23 de abril do próximo ano. De um lado, a presidente da Agência Nacional de Aviação Civil, Solange Vieira que é a favor da desregulamentação das tarifas e, de outro, o presidente do Snea – Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias, José Márcio Monsão Mollo que vê com isso sérios riscos à sobrevivência das companhias aéreas brasileiras. O Snea é a entidade máxima representativa das empresas aéreas que operam no Brasil.

Mollo, que abriu o painel, apresentou dados alarmantes, mas já de conhecimento de quem trabalha no setor: “As empresas aéreas brasileiras comprometem cerca de 32% de sua receita bruta com a carta tributária, contra 26% das concorrentes do Reino Unido, e 23% para as companhias aéreas americanas,”, esses números, logo de cara, segundo Mollo, colocam em condições totalmente desiguais no mercado aéreo as companhias brasileiras. “Além disso, continuou ele, nosso país é responsável apenas por 1,4% do mercado mundial de aviação. Essa pequena escala aumenta os custos para a aquisição de aeronaves, peças de reposição e negociações de seguros”, disse.

Segundo o presidente do Snea, a esses fatores se somam a deficiente infra-estrutura do setor aeronáutico e aeroportuário do Brasil que não se adequou ao crescimento elevado da demanda, o que aumenta os custos das empresas aéreas brasileiras. “Os custos das operações financeiras para as empresas nacionais são mais altos devido às condições do mercado nacional, principalmente as altas taxas de juros”, disse depois ao DT. “O mercado brasileiro tem uma importância marginal para as grandes companhias aéreas internacionais que possuem lastro suficiente para impor o preço que querem aqui, inviabilizando a atuação das aéreas nacionais”, complementou.

Se houver liberdade tarifária, como as empresas estrangeiras são mais fortes, com mais disponibilidade de aviões, créditos, e custos menores, em um primeiro momento os usuários ficarão muito satisfeitos com a queda dos preços. Mas em um segundo momento, a empresa brasileira será eliminada no mercado internacional, porque não conseguirá competir”, falou ao Diário.

Tempo e Combustível - Mollo aproveitou também para fazer um alerta quanto à infraestrutura dos aeroportos brasileiros que não estão acompanhando o vertiginoso crescimento das empresas aéreas. Ele deu um exemplo muito didático: "Há vários anos, um voo na ponte aérea Rio-São Paulo em um Electra durava em média 50 minutos. Hoje, mesmo com os jatos supersônicos que possuímos, levamos o mesmo tempo ou até mais. Os aviões ficam dando voltas no céu esperando esperando a autorização de pouso, gastando tempo e combustível", disparou.

Para a presidente da Anac, Solange Vieira, a liberação de tarifas é uma ação que cumpre a determinação da lei e que representará um benefício aos passageiros, estimulando a competição entre as companhias. Solange apresentou vários quadros mostrando a diferença de mercado entre os Estados Unidos e o Brasil, e aproveitou para defender a liberação tarifária: “Nos Estados Unidos as companhias aéreas tiveram lucros de 18 bilhões de dólares no último ano a partir da flexibilização”, contabilizou. Segundo ela, as empresas aéreas latinoamericanas também tiveram um crescimento de volume de passageiros em 2008, significativo, o que justifica a liberação tarifária. “O grupo Gol e o grupo TAM tiveram, respectivamente, 37,2% e 18,8% de crescimento no volume de passageiros após a flexibilização”, disse.

Nossa expectativa é que as companhias brasileiras cresçam de tamanho, e novas aéreas possam se beneficiar com isso”, disse Solange Vieira em entrevista ao DT. Ao ser questionada sobre a infraestrutura falou: “Acho que não podemos inibir um setor que está gerando resultados tão positivos, como é o de aviação. Temos que ir nos adaptando”, contemporizou.

Ao final, Solange Vieira lembrou que os números apresentados recentemente pela Anac de um crescimento da demanda dos voos nacionais em torno dos 42%, em relação ao mesmo período ano passado, não se aplicam aos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont. "Esses números não se referem a esses aeroportos, pois não houve liberação de mais vôos", garantiu a presidente da agência.
Diário do Turismo

Para diminuir custos Lufthansa reduzirá distância entre assentos

lufthansa_assentos

O membro da mesa diretora da Lufthansa, Christoph Franz, disse que com o intuito de diminuir custos e aumentar a lucratividade, a empresa pretende reduzir a distância (pitch) entre os assentos dos aviões que realizam voos intra-europeus a partir do próximo ano, o que lhe permitirá aumentar o número de fileiras nas aeronaves, transportando mais passageiros, informou a agência ABTN.

Para permitir que a mudança ocorra sem que os passageiros sintam que seu conforto foi restringido, os aviões irão receber novos assentos que terão os bolsões realocados em posição um pouco superior, liberando espaço para as pernas. Além disso, a empresa também irá harmonizar os níveis de serviço de bordo que, atualmente, variam dependendo do voo, o que também contribuirá na redução de custos.

Entretanto, a Lufthansa frisou em comunicado que não está se tornando uma empresa de baixo custo, e que continuará oferecendo serviços diferenciados, sendo tais atitudes

CR

Record compra dois novos helicópteros




Custou R$ 4 milhões cada um dos dois novos helicópteros que a mesma Record comprou e equipou para o telejornalismo em São Paulo e no Rio. O zoom permite a leitura das placas dos carros lá embaixo. O de São Paulo já está no ar. O do Rio sobe nas próximas semanas.
Aeroblog

Ricardo K pode ser novo presidente da Tam


O nome de Ricardo K, ex-presidente da Brasil Telecom, está praticamente definido como o novo número 1 da TAM. As negociações estão quase no fim. Oficialmente, no entanto, K nega que esteja indo segurar o manche da companhia.
Contato Radar

Aeronave ultrapassa limite do aeroporto do Congo


Um MD82 da empresa Compagnie Africaine d’Aviation (CAA), ultrapassou o limite da pista do aeroporto de Goma, no Congo.

A aeronave, prefixo 9Q-CAB, possui 21 anos de atividade e sofreu o incidente no momento do pouso.

Dos 117 passageiro a bordo, 20 sofreram ferimentos.

Em 2002, o aeroporto de Goma foi exposto a uma erupção vulcânica, que diminuiu o tamanho da pista 36 para 2.000m.

Flight Life

Delta Airliners retorna a Fortaleza


Delta Airliners retorna seus voos para Fortaleza


Delta em Fortaleza

Os voos da Delta Airliners começarão apartir do dia 17 de Dezembro com freqüências as segundas e quintas. Com chegada as 5:30 da manhã e partindo as 22:30.

Delta chegou em Fortaleza em 2008 com grandes objetivos e expectativas. Repórteres, autoridades e entusiastas da aviação presenciaram fato histórico na aviação do Ceará, o primeiro pouso da Delta Airliners uma das maiores empresas de aviação do mundo. Com direito a desfile e batismo.

Ao contrário de outras empresas aéreas dos Estados Unidos, a Delta Air Lines não iniciou suas atividades transportando correio. Ela teve início quando, em 1924, foi fundada a primeira empresa de aviação agrícola no mundo, a Huff-Daland Dusters, em Macon, Geórgia (EUA). Em 1928, o nome foi mudado para Delta Air Service, em homenagem ao delta do Rio Mississipi. Como companhia aérea, a Delta transportou seu primeiro passageiro em 17 de junho de 1929 e o nome Delta Air Lines, foi adotado em 1945. Sua sede em Atlanta, desde 1941.


Popout




Popout

31 de Agosto foi o último vôo da Delta Airliners para Fortaleza até Dezembro. A pausa, segundo informações da companhia, se devem devido à baixa temporada.
Blog do Vinna

Compra de caças-bombardeiros decidida em Dezembro


The image “http://www.fab.mil.br/sis/enoticias/imagens/pub/960/i0872720312753004.jpg” cannot be displayed, because it contains errors.

Compra de caças-bombardeiros decidida em Dezembro - ministro da Defesa

A decisão sobre a compra de novos caças bombardeiros para a Força Aérea Brasileira será tomada na primeira quinzena de Dezembro, disse hoje à Agência Lusa em Pequim o ministro da Defesa do Brasil, Nelson Jobim.

“Tudo depende do grau de transferência tecnológica que a compra vai permitir”, salientou Nelson Jobim.

“O que nós queremos é a capacitação nacional, ou seja a formçao de uma sólida indústria de defesa no Brasil”, acrescentou.

http://2.bp.blogspot.com/_AxCuBauiBF0/SQpJMJPRkKI/AAAAAAAAAz4/8gVVcXeQ6mY/s1600/fx2_faseII.JPG

A escolha, no caso dos caças-bombardeiros, incidirá sobre três modelos, propostos pela França, Estados Unidos e Suécia.


“O Brasil não compra produtos acabados”, disse Jobim, citando o recente acordo com a Fraca para a construção de cinco submarinos, um dos quais com propulsão nuclear.

É uma empreitada de cerca de 10 anos, no valor de 6 900 milhões de euros, e “vai ser feita no Brasil, com tecnologia francesa”, disse.

Segundo precisou, o próprio reactor nuclear será também construído no Brasil.

Nelson Jobim encontra-se desde o fim de semana na China, na sua primeira visita oficial aquele pais na qualidade de ministro da Defesa.
Blog do Vinna

passageiros devem ser compensados por atrasos de superiores a três horas


Numa sentença proferida na passada quinta-feira, o Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias considerou que os passageiros afectados por atrasos superiores a três horas - face ao horário previsto de chegada dos voos - têm direito a uma compensação por parte das companhias aéreas, salvo nos casos em que as transportadoras consigam provar que os atrasos se ficaram a dever a situações "extraordinárias", que estejam "fora do seu controlo e que não poderiam ser evitadas mesmo que tivessem sido tomadas todas as medidas razoáveis". O Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias afasta explicitamente os “problemas técnicos” da lista de situações em que as companhias não podem ser responsabilizadas.

Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias

Na base desta decisão está o princípio da igualdade de tratamento, com o tribunal a considerar que os passageiros de voos com atrasos longos sofrem prejuízos análogos aos dos voos cancelados - que já têm direito a receber compensações monetárias. A questão foi suscitada por entidades judiciais da alemanha e da áustria, a propósito de recursos interpostos por passageiros da Condor e da Air France que sofreram atrasos de mais de 20 horas e reclamam a referida compensação monetária.

A clarificação do tribunal aumenta significativamente a responsabilidade das companhias aéreas perante os seus passageiros, o que é de saudar, embora como reverso da medalha se encontre o facto de não ser descabido prever um aumento generalizado de tarifas, face ao aumento do risco inerente à actividade.