PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM
PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

EMIRATES OPEN DAY - SÃO PAULO


AOS INTERESSADOS CADASTREM-SE NO FLY RIGHT E CONSULTEM O PORTAL MEIO AÉREO REFERENTE A PROCEDIMENTOS E DICAS

Open Day:

Brazil, Sao Paulo Brasil, São Paulo 25-Oct-2009 25-Out-2009 10:00 am 10:00 Intercity Ibirapuera Intercity Ibirapuera 2577 Ibirapuera Ave., Avenida Ibirapuera, 2577., Moema, SP Moema, SP

Register Now Cadastre-se agora

Remarks : Preliminary Selections will be done in conjunction with our appointed agency FLYRIGHT.
Observações:
As seleções preliminares serão feitas em conjunto com os nosso
organismo ( AGÊNCIA)designada FLYRIGHT .


Avaliação Global Dias:

Brazil, Sao Paulo Brasil, São Paulo 30 / 31-Oct-2009 30 / 31-outubro-2009 09:00 am 09:00 Register Now Cadastre-se agora


AOS INTERESSADOS CADASTREM-SE NO FLY RIGHT E CONSULTEM O PORTAL MEIO AÉREO REFERENTE A PROCEDIMENTOS E DICAS

*OBS: AS DATAS ESTÃO SUJEITAS A ALTERAÇÕES , PORTANTO É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA ESTAREM DEVIDAMENTE CADASTRADOS NO FLY RIGHT INTERNATIONAL, POIS QUALQUER AVISO OU ALTERAÇÃO LHES SERÃO TRANSMITIDOS E ENCAMINHADOS POR E-MAIL

Comunicado da Embraer sobre o F-X2


São José dos Campos, 29 de setembro de 2009 – Com relação à matéria veiculada no jornal “Valor Econômico” na data de 28 de setembro de 2009, a Embraer esclarece que não participa diretamente do processo de seleção do novo caça F-X2 para a Força Aérea Brasileira e, diferentemente do publicado, não tem preferência por nenhuma das propostas encaminhadas.

A Embraer reitera seu incondicional apoio ao dito processo, sempre em estreito alinhamento com o Comando da Aeronáutica e o Ministério da Defesa.

Blog do Poder Aéreo

Lufthansa oferece novos voos para a África através de codeshare com Brussels





A Lufthansa e a Brussels Airlines continuam ampliando os voos compartilhados (codeshare) em rotas de longa distância para a África. Com isso, os clientes Lufthansa contam, desde já, com quatro destinos adicionais, ou seja, sete novas conexões via Bruxelas. Os voos da Brussels Airlines de Bruxelas para Abidjan (Costa do Marfim), Banjul (Gâmbia), Bujumbura (Burundi), Doula e Jaunde (ambos na República dos Camarões), Nairobi (Quênia) e Monróvia (Libéria) já podem ser reservados via Lufthansa sob número de voo próprio. Os destinos Douala e Jaunde já estão disponíveis para passageiros Lufthansa em voos compartilhados com a Swiss assim como Nairobi, com Swiss ou Ethiopian Airlines.


Em contrapartida, passageiros da Brussels Airlines chegam aos destinos Lufthansa Acra (Gana), Cartum (Sudão), Joanesburgo e, no inverno, Cidade do Cabo (ambos na África do Sul) via Frankfurt, sob número de voo da empresa aérea belga.

Com isso, ambas as empresas ampliam sua cooperação e abrem suas malhas aéreas aos passageiros da respectiva parceira. Com a ampliação dos voos compartilhados e os destinos recentemente inaugurados Libreville e Port Harcourt, a Lufthansa conta com 17 destinos próprios na África e outros 14 destinos disponíveis por meio de voos compartilhados.

Os participantes do programa de milhas "Miles & More" podem acumular milhas ou resgatá-las para um voo-prêmio em todos os voos operados pela Lufthansa e pela Brussels Airlines.

Mais informações em www.lufthansa.com
Jornal de Turismo

Paypal :Linhas aéreas que aceitam reservas

pp4

É hora de atualizar nossa lista de companhias que aceitam pagamento via Paypal para reservas online .

A lista tem crescido um pouco desde do ano passado - mas ainda assim continua a ser mais comum em os E.U. do que outras partes do mundo.

"Paypal" companhias aéreas (em setembro de 2009):

American Airlines - US clientes / Reino Unido apenas
Northwest Airlines - os clientes só E.U.
Clientes Delta - somente E.U.
E.U. Air
Continental Airlines
Southwest Airlines
JetBlue
Midwest Airlines

Lufthansa (Alemanha)
Monarch Airlines
(UK)
Jet 2
(UK) -- GBP / EUR operações só
Emirados Árabes Unidos
(Dubai) - GBP / EUR operações só
Air Ásia
(Malásia)
Air Asia X
(Malásia)

Readequação do vôo da Azul em Maringá para Campinas


A azul linhas aéreas estará readequando o vôo que tem sua procedência atual de Campinas a Maringá/ e Maringá a Campinas, agora será Campinas/ Maringá/ Campo Grande, e a volta de Campo Grande/ Maringá/ Campinas, esse cronograma possuirá uma duração aproximada de sessenta dias, assim depois voltará a sua normalidade.
Aeroporto de Maringá

British: A Nova Low Cost do Pedaço?



Há um tempo atrás, a maior candidata a se transformar em low cost era a United. Mas toda investida mais radical, como o teste de venda de comida em vôos internacionais e taxas de despacho de malas até para clientes elite, acabaram por não evoluir tamanha foi a indignação causada nos seus consumidores fiéis.

A British, que tenta sobreviver a uma das mais graves crises de sua existência, se mostra como a maior candidata a nova low cost do pedaço. A mesma British que um dia avaliou a possibilidade de comprar a Iberia e hoje torce para se unir a Iberia, isso se a cia espanhola ainda quiser…

Além de alterar a franquia de bagagem em vôos internacionais, a British, cujos consumidores já sofrem com altas taxas pagas para voar para Heathrow, quer ganhar uns trocados com reserva de assentos. A partir de 7 de outubro de 2009, ela vai passar a cobrar por marcação de assentos. Preços a partir de 10 libras por trecho (20 libras por trecho em vôos de longa duração) que afetarão passageiros da econômica à executiva… Se você voa de Primeira Classe ou se tem Status Gold no programa de fidelidade dela ou se paga tarifa cheia, fique tranquilo, essa mudança não te afetará.

Olha que no futuro, o comparativo que ela mantém no site entre suas taxas extras e as da Ryanair e Easyjet tende a ser mais equilbrado.

E eu que sonhava que a Iberia podia atingir o nível da British numa possível fusão….

Aquela Passagem

Infraero oferece capacitação profissional em Congonhas



A Infraero definiu nesta semana a continuação de um projeto social que já beneficiou 386 jovens de comunidades carentes próximas ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Trata-se do projeto “Hangar do Aprendiz”,
resultado de uma parceria entre Infraero - Aeroporto de Congonhas, Grupo IMC – International Meal Company, Associação Miosótis e Núcleo Rotary de Aprendizagem Profissional – NURAP (entidade fundada pelo Rotary Clube).

O projeto proporciona capacitação básica em informática, incentivo e apoio a atividades que enfatizam a cultura da cidadania e o engajamento do jovem na família, na escola e na sociedade. Iniciado em 2002, nessa nova etapa vai oferecer cursos que aumentarão as oportunidades de colocação de jovens no mercado de trabalho. Serão ensinadas práticas administrativas, português comercial e matemática financeira.

O Termo de Cooperação Mútua foi assinado pelo Superintendente do Aeroporto de São Paulo/Congonhas, Carlos Haroldo Novak, na quinta-feira (23). “É uma satisfação para nós dar continuidade a esta parceria que ao longo de todos estes anos demonstrou ser um sucesso. É muito importante Congonhas capacitar estes jovens e trazê-los para junto da comunidade aeroportuária”, disse.

O projeto Hangar do Aprendiz faz parte de um amplo programa social desenvolvido pela Infraero em 62 aeroportos sob sua administração. Em todo o Brasil, os projetos inseridos no programa, atendem anualmente a 17.200 pessoas, oriundas de comunidades carentes próximas aos aeroportos. O programa "Infraero Social" começou em 2001 e já beneficiou milhares de jovens desde a sua criação, sempre com foco na inclusão social e no mercado de trabalho, por meio da capacitação e educação para a cidadania de crianças, jovens e adultos em situação de risco social. O programas sociais da Infraero contam com total apoio do presidente da Empresa, Murilo Marques Barboza, e são desenvolvidos em parceria com governos municipais, estaduais, federal, além de organizações não-governamentais e entidades filantrópicas.

Assessoria de Imprensa Infraero

Portões Abertos DCTA será dia 3

DCTA_2009O tradicional evento anual do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) abre as portas ao público no dia 3 de outubro, das 10h às 17h.

A presença da imperdível Esquadrilha da Fumaça está confirmada bem como outras atrações (aeromodelismo, parapente, paraquedismo, banda de música) e aeronaves civis e militares em exposição.

A entrada é franca, pelo MAB (Memorial Aeroespacial Brasileiro) e o acesso ao estacionamento se dará pela Av. dos Astronautas, sentido aeroporto.


Nota do Blog(Poder aéreo): Segundo consta da agenda do EDA, a apresentação será as 15:30Hs.

Poder aéreo


Uso de celulares em aviões ainda é problema nos EUA

O uso de celulares em aviões está suspenso por tempo indeterminado nos Estados Unidos. O sindicato nacional dos comissários de bordo pediu ao Legislativo que proíba chamadas de celulares a bordo, enquanto inúmeras pesquisas entre passageiros mostram forte oposição à autorização.

» Aviões da Continental terão TV via satélite ao vivo
» Aparelhos móveis são ameaça para entretenimento em aviões
» EUA: mil vôos domésticos terão Wi-Fi até final do ano

Assim, enquanto as companhias aéreas correm para propiciar conexões Wi-Fi em seus aviões, não há indicações de quando, ou se, os passageiros norte-americanos poderão usar seus celulares a 11 mil metros de altitude.

Enquanto isso, em boa parte do resto do mundo, os passageiros de diversas companhias aéreas já vêm usando celulares rotineiramente em voo. Representantes do setor afirmam que celulares podem ser usados em mais de 15 mil voos ao mês.

Apesar de alertas pessimistas quanto à possibilidade de que o uso de celulares em aviões causaria problemas de convivência social ou até violência na cabine, até o momento foram registradas poucas queixas nesse sentido, disseram passageiros e executivos do setor.

"Uso meu celular no avião para me comunicar com o escritório, especialmente em voos longos¿, disse Nakhle el Hajj, diretor de notícias na El Arabiya News, uma estação noticiosa de TV a cabo sediada em Dubai. Hajj viaja frequentemente pela Europa, Oriente Médio e África.

Hajj usualmente voa pela Emirates, uma linha aérea internacional sediada em Dubai, que oferece serviço de roaming em voo para celulares em 350 voos internacionais por semana. Ele diz que fala em voz baixa quando usa o celular no avião, "para garantir que não incomode as pessoas em torno".

A Comissão de Comunicações dos Estados Unidos (FCC), em Washington, no momento proíbe o uso de celulares em aviões, em parte devido a algumas preocupações não resolvidas sobre interferência com o equipamento de navegação das aeronaves, mas principalmente porque o setor de telefonia está preocupado com a possibilidade de que os sinais de celulares no ar se irradiem de maneira mais extensa, estabelecendo contato de forma aleatória com múltiplas torres de retransmissão em terra. Isso poderia criar interferência entre sistemas e causar problemas logísticos quanto a atividades como a cobrança.

Mas em algumas linhas aéreas estrangeiras essas dificuldades já foram resolvidas. O equipamento de bordo regulamenta os sinais roteando-os pelo satélite ao ponto correto no solo. Passageiros com serviços padronizados de roaming internacional podem fazer ou receber chamadas como o fariam em terra. A cobrança é conduzida da maneira usual, por suas operadoras de telefonia móvel.

Na Emirates, o serviço é fornecido pela AeroMobile, subsidiária do grupo de comunicações TeleNor. A AeroMobile, cujos clientes incluem a Qantas e a Malaysia Airlines, diz que a primeira chamada autorizada de celular em voo de avião comercial foi feita com o seu sistema, em um voo da Emirates em março de 2008.

Outra companhia, a OnAir, oferece serviços em muitos dos aviões da frota da Royal Jordanian Airlines e da Ryanair, uma companhia aérea europeia de preços baixos. Há contratos em vigor para a instalação do sistema em aviões de outras companhias aéreas, neste ano e em 2010, entre as quais Kingfisher Airlines, Qatar Airways, Hong Kong Airlines, e nos aviões que oferecerão o novo serviço em classe executiva da British Airways entre o London City Airport e o aeroporto Kennedy, em Nova York.

A OnAir, que também oferece conexões Wi-Fi pagas para uso em voo, afirma que em 2010 estará oferecendo seus serviços em quatro continentes.

Tanto a OnAir quanto a AeroMobile desejam fechar contratos com empresas norte-americanas, mas estão preocupadas com a possibilidade de que o Congresso proíba o uso de celulares em voo devido à questão do barulho. Mesmo que não surja ação legislativa, as linhas aéreas hesitam em instalar um sistema dispendioso que pode despertar reação pública adversa.

"Nos Estados Unidos, a situação tem um aspecto emocional forte", diz Benoit Debains, presidente-executivo da OnAir, insistindo ainda assim que a ansiedade quanto à questão é um exagero. Para começar, afirmam Debains e outros executivos do setor, o ruído normal da cabine já bastaria para encobrir a maioria das conversas em celular, e ao mesmo tempo as pessoas que usam celulares nesse ambiente, apesar de encostarem mais os aparelhos aos ouvidos para poder ouvir, de alguma forma não sentem a necessidade de falar mais alto para compensar.

"Lembro que, no primeiro voo em que nosso sistema entrou em uso, perguntamos a um passageiro qual era a opinião dele sobre usar o celular para serviços de voz na cabine, e ele disse que se opunha ao uso. E nós dissemos que ele nem tinha percebido, mas o sujeito sentado adiante dele havia passado cinco minutos falando ao celular".

Terra - Tradução: Paulo Migliacci ME

The New York Times

Caixa de panfletos lançada de avião britânico mata criança


O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha está investigando a morte de uma menina afegã que teria sido atingida por uma caixa de panfletos lançada por um avião da Força Aérea Britânica (RAF, na sigla em inglês).

Os panfletos de informações foram lançados de um avião Hercules na província de Helmand, sul do país, no dia 23 de junho.

A caixa não se rompeu durante a queda, para liberar os panfletos, e caiu em cima da criança, que morreu depois em um hospital da região.

O Ministério da Defesa informou que lamenta o "incidente trágico" e já iniciou uma investigação do caso.

O avião Hercules C130 estava lançando caixas de panfletos informativos sobre uma região rural.

O lançamento de panfletos tem sido usado de forma ampla no Afeganistão, pelos Estados Unidos e Grã-Bretanha para tentar conquistar "corações e mentes" da população.

O Ministério da Defesa não divulgou qual tipo de panfleto foi lançado no incidente, mas os que já foram usados no Afeganistão traziam informações sobre campanha eleitoral, conscientização sobre a presença de minas terrestres e alertas de operações militares em áreas determinadas do país.

O Globo

Vendas de passagens aéreas da TRIP pela Web atingem 25% do total comercializado

A TRIP comemora o crescimento de mais de 1.000% nas vendas pela web em cinco anos. A companhia iniciou a utilização deste canal de vendas em junho de 2004, quando 2% dos consumidores compravam passagens aéreas por este meio. Na época, a TRIP contava com 5 aeronaves e atendia 19 cidades. Hoje, a empresa aumentou o número de destinos atendidos para 73 e conta com 27 aeronaves.


Com esse crescimento, aliado a consumidores mais antenados, que buscam tarifas promocionais e agilidade na compra, em 2009 o percentual de vendas da TRIP pela web saltou para 25% do total comercializado, enquanto em 2008 foi de 12%.
Aviação Brasil

Esquadrilha da Fumaça em Fortaleza em Novembro


Esquadrilha da Fumaça em Fortaleza em Novembro de 2009

Segundo o site SBF-ATC, o Esquadrão de Demostração Aérea conhecido como Esquadrilha da Fumaça estará no dia 13/11 em Caucaia-Ce e no dia 14/11 na Base Aérea de Fortaleza, o horário das apresentações ainda não esta definido.
Blog do Vinna

Empresa aérea Líder ensaia mais uma vez a operação de vôos regulares


Plano da companhia, conhecida pelo serviço de táxi aéreo, seria começar a empreitada pelo Sudeste.

Os pensamentos do comandante José Afonso Assumpção são tão sinuosos quanto a trajetória de um jatinho em uma noite
chuvosa.

Não foram poucas as vezes em que o dono da Líder Aviação ensaiou o início da operação de vôos regulares, para logo depois arremeter seus planos.

Pois agora o projeto está de volta à cabeceira da pista, desta vez com boas chances de decolar. Segundo o Relatório Reservado, Assumpção teria encomendado um estudo para o início de vôos regionais, notadamente no Sudeste. Teria também sondado a Anac sobre a possibilidade de concessões de linhas.

Outro indício de que as turbinas do projeto foram ligadas. A Embraer tem rastreado os movimentos da Líder, de olho em uma possível encomenda de aeronaves.

Em que pese o inferno nas operações aeroportuárias no Brasil, a Líder tem motivos estratégicos para se arriscar neste vôo. Existe uma clara tendência de expansão do transporte aeroportuário no país.

Além disso, a empresa precisa encontrar novos ares diante da asfixia em seu principal negócio. O mercado de fretamento de aeronaves cresce a um ritmo moroso. No ano passado, a alta não passou dos 5%.

Fundada em 1958, a empresa mudou sua denominação para Líder Aviação em 2005, buscando se livrar da forte associação com o serviço de táxi aéreo. Embora o fretamento continue sendo o principal negócio, a companhia também vende aeronaves (representa a Beechcraft e a Hawker) e helicópteros (Helibras, subsidiária da Eurocopter).

Cidade Biz

Airbus corta meta de entregas para "avião gigante"


A Airbus confirmou nesta terça-feira que reduziu meta de entregas de 2009 da aeronave A380 em uma unidade, para 13 aviões, e informou que está mantendo o objetivo de entregas para 2010 do maior avião de passageiros do mundo, de 14 unidades.

"Em um acordo com um cliente nós transferimos a 14ª aeronave (de 2009) em algumas semanas, de dezembro, para o início de 2010", informou o porta-voz Stefan Schaffrath. "Estamos mantendo nosso planejamento de entregas de mais de 20 aviões em 2010, como anunciado anteriormente", acrescentou.

A Airbus está transferindo a produção do A380 para uma segunda etapa automatizada, conhecida como Wave 2. As primeiras 25 aeronaves tiveram que ter seus cabos conectados manualmente por causa de problemas industriais que causaram um atraso na entrega do maior avião comercial do mundo em dois anos.

"Acabamos de entregar a primeira aeronave Wave 2 e seguiremos com a segunda em breve", afirmou Schaffrah, acrescentando que o ritmo de produção está caminhando para as duas unidades por mês.

O presidente da controladora da Airbus, EADS, afirmou na segunda-feira que a mudança na data de entrega do A380 de dezembro para início de 2010 aconteceu após negociações com a cliente Singapore Airlines.

Terra

Acidente mutila fiscal da Infraero no Aeroporto da Pampulha

Hélice de monomotor atinge funcionário na pista do terminal da Pampulha. Agência de Aviação Civil inicia nesta quarta-feira investigação.


Avião ficou em área isolada para ser periciado por agentes da Anac


Peritos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da Força Aérea Brasileira (FAB) realizam na manhã desta quarta-feira levantamentos técnicos para apurar a causa de um acidente que feriu um fiscal de pátio na terça-feira à noite no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte. William José Cordeiro, de 46 anos, foi atingido pela hélice de um avião que fazia manobras. Em estado grave, ele foi levado num helicóptero da Polícia Militar para o Hospital de Pronto-Socorro João XIII (HPS), onde foi submetido a uma cirurgia. Willian está internato no Centro de Terapia Intensiva (CTI), e seu quadro clínico é estável. De acordo com a assessoria do hospital, ele respira com ajuda de aparelhos, mas responde bem ao tratamento.

O acidente ocorreu por volta das 18h. William Cordeiro, que trabalha há 23 anos na Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), estava no pátio para sinalizar o local em que a aeronave estacionaria, procedimento conhecido como parqueamento. O avião, um monomotor Piper PA 28 Cherokee, prefixo PT-DZR, tinha pousado e já havia encostado na área própria, ao lado de outras aeronaves, quando William foi atingido por uma das pás da hélice.

O fiscal foi jogado na pista, com o braço direito dilacerado, com o tórax e abdome abertos. Segundo colegas que o socorreram, era possível ver seus órgãos internos. Ele também sofreu um corte na perna direita. Uma médica da Infraero foi ao HPS e, segundo informou, órgãos vitais de William, como pulmão, rins e fígado, não foram atingidos, o que deixou parentes mais tranquilos no hospital.

O avião vinha do aeroporto Carlos Prates, na Região Noroeste de Belo Horizonte. A Infraero não soube informar se a aeronave passava por manutenção. na terça-feira mesmo, equipes das polícias Federal, Civil e Militar estiveram na Pampulha para investigações. O piloto e copiloto prestaram declarações a investigadores da FAB e foram liberados. Com capacidade para quatro pessoas, o avião não transportava passageiros.

Estado de Minas

Aeroporto de Maringá abre concurso para contratar 24 profissionais

Serão admitidos 12 controladores de tráfego aéreo, seis técnicos em meteorologia, quatro operadores de estação aeronáutica e dois técnicos em informação aeronáutica

Os Terminais Aéreos Maringá - SBMG S/A, que administram o Aeroporto Silvio Name Junior, abriram na segunda-feira (28) as inscrições para um concurso público que prevê a contratação de 24 profissionais. Serão admitidos 12 controladores de tráfego aéreo, seis técnicos em meteorologia, quatro operadores de estação aeronáutica e dois técnicos em informação aeronáutica. As inscrições custam entre R$ 50 e R$60, conforme o cargo disputado, e terminam em 25 de outubro.

O candidato deve se inscrever pela internet, no site da Fundação de Apoio à Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (Fafipa), que organiza o concurso. Os salários são de R$ 2.008 (técnico em meteorologia, operador de estação aeronáutica e técnico em informação aeronáutica) e R$ 2.415 (controlador de tráfego aéreo). Em todos os casos, a carga horária é de 44 horas semanais.

As provas acontecem em 15 de novembro. Os locais e horários serão divulgados em breve, também no site da Fundação de Apoio à Fafipa. O resultado do concurso deve sair em 8 de dezembro. Para ter mais informações, acesse o site.
Desástres Aéreos

Aeródromos interditados no Brasil



De cada 100 aeroportos públicos brasileiros, 13 não podem receber qualquer tipo de aeronave, por determinação da ANAC, para a qual esse status só será mudado depois que realizem as obras necessárias para a sua requalificação.

Até o dia 31 de julho o total desses aeródromos interditados era de 99, todos administrados por empresas estaduais ou municipais. Segundo ANAC os problemas mais comuns são buracos no piso da pista, falta de equipamentos de combate a incêndios, presença de pessoas ou animais na pista e presença de aves nas proximidades.
Aviação Comercial

Aeronáutica diz que passageiros de aviões não correram risco de vida

Controlador de voo teria autorizado a arremetida por precaução

A Aeronáutica negou, nesta terça, que havia risco de colisão entre as aeronaves da Ocean Air e da TAM, no Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis, na segunda-feira. O caso criou polêmica após um piloto da Ocean Air culpar a torre do aeroporto por ter de abortar o pouso na Capital para evitar o choque com o outro avião, que estava prestes a decolar.

O Fokker MK-28 da Ocean Air, vindo de Chapecó, arremeteu momentos antes da aterrissagem. Enquanto sobrevoava Florianópolis, o piloto disse aos passageiros que teve de realizar a manobra devido a um erro "imperdoável" da torre, que autorizava o pouso simultaneamente à decolagem de um voo da TAM.

De acordo com o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (Cecomsaer), em Brasília, a arremetida foi uma decisão do próprio controlador, que deu a ordem ao piloto, por precaução. Antes disso, quando o voo da Ocean Air ainda estava a mais de 15 quilômetros do Hercílio Luz, segundo a Aeronáutica, a torre autorizara um Airbus da TAM a entrar na pista e decolar.
Por alguma razão, que a Aeronáutica não soube explicar, o avião da TAM ainda não havia decolado quando o Fokker alcançou a distância em que deveria receber a autorização para o pouso. O controlador, então, ordenou a arremetida, que ocorreu a alguns quilômetros da pista.

Sobre a declaração do piloto aos passageiros, pelo sistema de som, a Aeronáutica afirmou haver canais adequados para esse tipo de queixa, e que nem a TAM nem a Ocean Air registraram oficialmente uma reclamação.

DIÁRIO CATARINENSE

DHL comemora 40 anos

Frank Appel, CEO do Deutsche Post DHL, empresa que comemora 40 anos de fundação, fala com entusiasmo sobre os primórdios da organização.”Em 1969, três homens se propuseram a fazer o impossível e conquistaram a Lua. Alguns meses depois, Adrian Dalsey, Larry Hillblom e Robert Lynn fundaram a DHL e fizeram o mundo ficar um pouco menor”, disse Appel. “A DHL foi pioneira no setor de entregas expressas internacionais, possibilitando o trânsito de documentos até seus destinatários em 24h, ao invés de alguns dias”.

Hoje, a DHL abrange serviços de remessas globais e gestão de cadeia de suprimentos por meio da integração estratégica da Danzas Air & Ocean, em 2002, e da operadora logística Exel, em 2005. A DHL pôde então oferecer uma vasta gama de serviços por meio de sua incomparável rede global que se estende por mais de 220 países e territórios.

Ao oferecer, no início, um serviço revolucionário - entrega internacional porta a porta de documentos sensíveis a horário, a DHL permitiu que empresas e organizações mundo afora desenvolvessem seus negócios e ampliassem seu impacto, invariavelmente estimulando o comércio global, tornando o mundo menor a cada dia.

Em 2007, a DHL inaugurou seu Centro de Inovação para desenvolver soluções de logística altamente inovadoras, flexíveis e ecologicamente corretas. Também estabeleceu as Soluções para Clientes Globais, que oferecem soluções altamente personalizadas para que clientes importantes supram todas as suas necessidades de logística global.

A companhia foi a primeira a oferecer aos clientes a opção mais “verde” de enviar suas remessas pelos Serviços Verdes DHL, cujo objetivo é compensar as emissões de carbono dos vários veículos de entrega da companhia. Em 2008, a DHL se tornou a primeira companhia de remessas expressas a assumir publicamente o compromisso de melhorar sua eficiência de carbono em 30% até 2020.

No centro desses avanços inovadores, está o esforço incansável da companhia para usar de maneira efetiva a tecnologia mais moderna para suprir as necessidades de seus clientes. Frank Appel disse: “Desde o início, reconhecemos que o sucesso da companhia depende não somente de escutar o que nosso cliente precisa, mas também de atuar de maneira rápida e eficaz para suprir esta necessidade. Frequentemente nós percebemos o que nossos clientes querem e resolvemos antes mesmo de eles pedirem”.

Seguindo este princípio, a DHL estabeleceu rotas de comércio para países como Rússia e China em plena Guerra Fria. Quando a guerra terminou, a DHL foi capaz de fornecer, por conta de seu profundo conhecimento e sua capacidade logística, apoio imediato a um vasto número de companhias que entravam nestes “novos” mercados. As empresas locais também foram beneficiadas, pois criaram novos corredores comerciais para exportar seus produtos para um mercado global.

dhl-40-anos3

A DHL continua a abrir novos caminhos, estabelecendo posições claras de liderança de mercado em vários mercados emergentes como as economias do BRIC - Brasil, Rússia, Índia e China - anunciadas como agentes do futuro crescimento e desenvolvimento do comércio.

Appel conclui: “Nossos funcionários e clientes fizeram a DHL chegar onde está hoje. Por meio deles, estamos determinados a sustentar nosso espírito de pioneirismo, que por muitos anos fez com que pudéssemos oferecer soluções que ajudam nossos clientes a atingir seus objetivos. Ao encorajar de maneira proativa e contínua o raciocínio prático, acreditamos que seremos capazes de superar a atual situação econômica, e estamos bem posicionados para sustentar nossa liderança no mercado global - hoje e por muitas outras décadas por vir”.

Transporta Brasil

Companhia estatal indiana suspende voos por greve dos pilotos


A companhia estatal indiana, Air India, suspendeu nesta terça-feira a emissão de seus bilhetes por causa da greve de seus pilotos, que já causou o cancelamento de 25% dos voos da empresa.

Cerca de 250 pilotos estão em greve desde 26 de setembro, depois que companhia aérea anunciou prejuízos e a intenções de cortar incentivos para funcionários em 50% para diminuir seus gastos. O diretor da Air India, Arvind Jadhav, afirmou que a empresa decidiu suspender a emissão de bilhetes para evitar cancelamentos de passagem.

"Suspendemos as emissões até segunda ordem para evitar o inconveniente causado pelo cancelamento de voos", disse Jadhav.

A Air India está com dificuldades desde março, quando anunciou perdas de US$ 875 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão) e teve que ser resgatada pelo governo.

Nos últimos quatro dias, cerca de 40 dos 200 voos domésticos e internacionais da empresa são cancelados por dia, deixando centenas de passageiros no chão. Os destinos que tiveram suas frequências afetadas incluem Nova York, Chicago (EUA), Londres (Reino Unido) e Cingapura, assim como muitas rotas domésticas.

As negociações entre companhia e os pilotos chegaram a um impasse nesta segunda-feira, quando o ministro da Aviação, Praful Patel, pediu que os funcionários voltassem ao trabalho. "Nós entendemos as preocupações dos funcionários, mas ao mesmo tempo é imperativo entender que a Air India está em tal estado que não pode bancar a sua grande estrutura", disse Patel.

No começo deste mês, outra empresa aérea indiana, a Jet Airways, sofreu uma greve após 760 de seus pilotos protestarem contra o afastamento de quatro de seus colegas por tentarem formar um sindicato.
Webtranspo

Fly Team representa Asiana Airlines


A Asiana Airlines, companhia aérea sul coreana e membro da Star Alliance é a partir de agora representada em Portugal pela Fly Team.


Para o mercado português a Asiana Airlines pretende ser a referência no transporte de passageiros de Portugal para toda a Ásia, através dos gateways europeus de Paris, Londres e Frankfurt, tirando partido dos acordos estabelecidos no âmbito da Star Alliance para os voos de conexão com a TAP e Lufthansa.

As reservas estão disponíveis na Galileo e Amadeus. As tarifas, disponíveis na Galileo estarão, brevemente, também disponíveis na Amadeus.
O contacto para a Asiana Airlines pode ser feito através do telefone: 22 834 85 80, através do fax: 22 834 85 85, do e-mail: asiana@flyteam.com.pt ou pessoalmente, no Centro Empresarial Capitólio, loja 50, Av. de França 256, no Porto, ou em Lisboa, no Shopping Columbia, na Av. Júlio Dinis, 14-6ºB.
Opção Turismo

Ponte aérea // Voo de Natal a Mossoró inclui caicó

Será assinado hoje, em Mossoró, protocolo de intenções entre ao governo do estado e a empresa cearense Star Fly para a operacionalização de voos no trecho Mossoró/Natal. A solenidade está marcada para às 9h30, no aeroporto da cidade. A previsão é de que o voo inicial seja realizado logo após a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

De acordo com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Segundo de Paula, a previsão é de que os vôos regulares sejam iniciados dentro de um mês, no máximo, dependendo do trâmite burocrático da Anac.

Inicialmente deverá ser oferecido um voo diário, com saída de Mossoró pela manhã e retorno no final da tarde, com a expectativa, posteriormente, de dois vôos diários, após a consolidação do trecho que se chamará ponte aérea Mossoró-Natal. A começa e termina em Fortaleza e, uma vez por semana, abrangerá ainda Caicó, possivelmente na segunda-feira.

A empresa Star Fly vai operar com uma aeronave modelo Bandeirante, com capacidade para 21 passageiros, sendo dois assentos destinados aos tripulantes. Neste trecho, a empresa está fazendo investimentos de US$ 4 milhões (R$ 7,16 milhões). O diretor comercial da Star Fly, Sérgio Augusto, alega que o desenvolvimento industrial de Mossoró e a Copa do Mundo de 2014, que tem Natal e Fortaleza como sedes, deverão consolidar o investimento.

A tarifa para a linha Mossoró e Natal ficará em torno de R$ 180, com duração de 40 minutos de viagem - tempo próximo consumido no trecho Natal-Recife, mas com valor um pouco mais alto. "Elaboramos uma grande ponte que irá proporcionar a ligação aérea de Mossoró com o resto do país, pois o passageiro poderá chegar em Natal em tempo de embarcar em outro vôo para qualquer parte do Brasil e da mesma forma retornar para Mossoró", explicou o executivo.
Diário de Natal

FlyDubai chega a Djibouti

A nova low cost FlyDubai, do grupo Emirates, iniciouFlyDubai este mês a rota trisemanal da sua base no Dubai (Emirados Árabes Unidos) para Djibouti, capital do país homónimo. É a sua segunda ligação para a África, após Alexandria (Egito). A empresa atinge ainda Beirute (Líbano), Amã (Jordânia), Damasco e Aleppo (Síria).

voos a partir de 115 euros em Boeing 737-800 Next Generation.

Alma de Viajante

IATA diz que o “mal” agora vem da “cura”


As armas com que a aviação enfrentou a “fuga” de clientes, como a redução de preços e capacidade, são agora os seus calcanhares de Aquiles, segundo a IATA, que conclui estar em curso uma melhoria da procura, mas sem recuperação do nível de preços e em condições que geram agravamento de custos.

Em Agosto, diz a IATA, o tráfego internacional caiu em média 1,1%, quando em Julho tinha caído 2,9% e nos primeiros sete meses de 2009 tinha uma queda média de 6,8%.

A procura está melhorando — conclui a IATA, que, no entanto, evidencia que é “fraco consolo” quando apesar das reduções de capacidade os preços continuam “deprimidos”, com quedas de 22% nas classes premium (primeira e executiva) e de 18% nas tarifas de turístico.

Acresce, diz a IATA, que para reduzir capacidade as companhias aéreas baixaram a taxa de utilização dos aviões, o que significa que os custos de estrutura passaram a ser repartidos por menos lugares vendáveis e, por conseguinte, aumentou o custo unitário (por lugar quilómetro colocado no mercado).

As armas que a aviação teve para combater os impactos no setor da crise econômica global, designadamente baixar preços para estimular a venda de viagens e menor utilização de frota para melhorar as taxas de ocupação, resultaram assim no que o director geral e CEO da IATA, Giovanni Bisignani, sumaria na afirmação: “A procura continua a melhorar, mas a rentabilidade permanece muito distante”.

A informação da IATA não esclarece no entanto se quando se refere à queda de preços leva em conta que são cada vez mais as companhias aéreas de rede que seguem o modelo das low cost e apostam nas chamadas receitas “complementares”, que vêm, em grande parte, da cobrança separadamente de serviços que anteriormente eram considerados dentro das tarifas, como por exemplo o check-in de bagagens.
Presstur

Low cost Jet2.com entra para o Galileo.

A low cost Jet2.com, que voa para Faro e que vai começar a voar para a Madeira em 2010, entra na distribuição através de GDS, através da assinatura de um acordo full content com o Galileo, diz o Travelport em comunicado.

A distribuição será feita através da nova solução do Galileo, o direct connect, e a Jet2.com vai ser a terceira companhia a dispor este ano desta solução. A nova solução, que complementa a oferta do canal tradicional que oferece 60 companhias low cost, despertou "considerável interesse" entre esta e a Travelport "espera anunciar novos acordos direct connect nas próximas semanas", referiu ainda o documento.

Apea

Pilotos da TAP têm salário médio mensal de 8 600 euros



A TAP conta nos seus quadros com 800 pilotos que ganham um salário médio bruto na ordem dos 8 600 euros, que subiria em mais mil euros face ao aumento de nove por cento exigido pelo Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC).

“Os 800 pilotos da TAP têm um salário médio bruto de 8 600 euros mensais e o aumento de nove por cento exigido pelo SPAC faria subir esse valor para os 9 600 euros. Mais mil euros por mês para cada um, vezes os 14 meses de vencimento, num custo total anual para a TAP de mais 11,5 milhões de euros”, revelou hoje à agência Lusa fonte oficial da transportadora aérea.

Em Portugal existem mais de 2 mil pilotos comerciais de linha aérea, uma profissão que exige formação, foge à rotina e é bem remunerada, mas à qual também estão associados riscos. Saúde, vida pessoal e familiar podem ser afetadas.

Considerado uma das regalias das profissões, o salário de um piloto acabado de formar começa nos “1.000 euros por mês, mas ao fim de uma carreira longa, um piloto que, por exemplo, assume funções de instrução na Airbus pode receber 15 mil euros por mês”, disse à agência Lusa João Moutinho, professor do Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC).

As outras regalias da profissão passam, segundo João Moutinho, pelo “acesso ao conhecimento, a viagens e a cultura. Não é um trabalho sedentário, rotineiro, há oportunidade de lidar com um universo de pessoas muito díspar, o que pode ser encarado como uma vantagem”.

Mas também há riscos: “Há um risco de integridade física que tem de se assumir e que é permanente e há também o risco de volatilidade da profissão”, disse o coordenador da formação aeronáutica do ISEC.

Francisco Toscano, secretário-geral da Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea (APPLA), explicou à Lusa que existem três níveis de formação civil: piloto particular de aeronaves (PPA), piloto comercial de aeronaves (PCA) e piloto de linha aérea (PLA).

Nestes três níveis, que são iguais para os pilotos de aviões e de helicópteros, existem dois escalões: oficial piloto e comandante.

Ter o 12.º ano de escolaridade e “passar os testes médicos e psicotécnicos específicos”, são, segundo Francisco Toscano, os requisitos mínimos para se poder ser piloto de linha aérea. Cumpridos estes requisitos, é necessário frequentar uma escola certificada.

“Estas escolas têm um programa que leva os alunos a estudarem, no mínimo, 18 meses para obterem uma licença de piloto profissional. São 12 matérias, grandes disciplinas, que vão da meteorologia às técnicas de navegação”, explicou.

Depois da obtida esta licença teórica de piloto de linha aérea que, em Portugal, “não custa menos de 60 mil euros”, são necessárias 3 000 horas de voo para poder assumir funções de comando, bem como formação específica para cada modelo de avião, explicou João Moutinho.

“Não é como com os automóveis, em que basta tirar a carta para poder conduzir qualquer modelo”, exemplificou João Moutinho.

No exercício da profissão, os pilotos estão também sujeitos a ruidos vibroacústicos, a “baixas pressões de oxigénio, a baixo teor de humidade do ar no cockpit, bem como a alterações constantes no ritmo circadiano” (), explicou o secretário-geral da APPLA.

Os mais de 2 000 pilotos comerciais de linha aérea que, segundo a APPLA, existem em Portugal, correm também alguns risco de “manutenção de integridade familiar”, uma vez que trabalham por turnos e estão sujeitos a constantes mudanças do fuso horário.

Público pt

Superfaturamentos e Atrasos


Em São Paulo, a obra de ampliação das pistas do Aeroporto de Guarulhos está parada há um ano e sete meses. O projeto, orçado em R$ 270,3 milhões, teve problemas de superfaturamento e sobrepreço em execução, em 2005. Este ano, um novo processo apontou o pagamento por serviços não previstos, segundo o TCU.

O contrato firmado pela Infraero com o consórcio Queiroz Galvão/Constran/Serveng foi questionado quanto a superfaturamento e sobrepreço. Este ano, o TCU chegou a suspender o pagamento de mais de R$ 70 milhões ao consórcio, e a questão está na Justiça. A Infraero informou que o contrato com o consórcio construtor foi rescindido em junho passado.

O Globo

GRU - Aeroporto paulista segue líder de movimentação no mercado doméstico


Em agosto, terminal doméstico registrou aumento de 15,72% no fluxo de passageiros

Diariamente aeroporto recebe fluxo de 56 mil passageiros




O Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Guarulhos (SP) confirmou sua posição de mais movimentado do Brasil. Em apenas um mês, agosto passado, o terminal doméstico registrou o fluxo de 1.070.238 passageiros, resultado que conferiu um aumento de 15,72% na comparação com o mesmo período de 2008.


Indo na contramão deste resultado positivo, a movimentação de
passageiros em vôos internacionais obteve uma queda de 11,61 % no mesmo período, registrando um fluxo de 706.472 pessoas. De acordo com a Infraero, a soma dos movimentos apontou 1,7 milhão de usuários, uma alta de 3,05% em relação a agosto do ano passado.

Na soma dos oito primeiros meses de 2009, também ocorreu – ainda que leve – uma baixa na movimentação. De janeiro a agosto, houve um tráfego de 13,7 milhões pessoas, uma retração de 0,89% no número de passageiros doméstico e internacional, comparação com o período de
2 008.

Já com relação aos números de pousos e decolagens, o desempenho foi favorável. Segundo os dados da Infraero, a movimentação de aeronaves no setor doméstico cresceu 21,43%. Ao todo, foram 11.731 operações de pouso e decolagem no setor doméstico. Em 2008, este número foi da ordem de 9.661 operações. O número de vôos internacionais subiu 0,62%, com 6.270 registros.


Dezoito mil operações

Juntas, as 45 empresas aéreas que atuam em Guarulhos realizaram em agosto 18 mil operações de pousos e decolagens. O aumento foi de 12,72%, se comparado ao mesmo período de 2008. No acumulado do ano, de janeiro a agosto, nas duas pistas do aeroporto, houve um total de 134,6 mil operações de pouso e decolagem, número 3,72% maior que em 2008.


A média diária de utilização do complexo de pátio e pistas do Aeroporto de Guarulhos é da ordem de 550 operações, transportando 56 mil passageiros para 144 destinos nacionais e estrangeiros.

Webtranspo

Cias aéreas investem em sistemas para rastrear bagagens




Aviação: Setor gasta mais de US$ 3 bi por ano para localizar malas extraviadas em aeroportos



Quem viaja de avião detesta perder a bagagem - e o mesmo sentem as companhias aéreas, que gastam mais de US$ 3 bilhões por ano na caça às bagagens extraviadas. Em vez de apenas acrescentar mais força bruta para transportar as malas mais depressa, as empresas aéreas e os aeroportos estão ficando mais inteligentes, introduzindo equipamento de leitura ótica de última geração e etiquetas com sinais de rádio para melhorar o monitoramento das bagagens em vários aeroportos, como Amsterdã e Las Vegas.

Nos bastidores, estão processando quantidades enormes de dados sobre os passageiros e os horários de voo, a fim de prever problemas e despachar mais rápido as malas que têm pouco tempo para conexão. E, finalmente, descobriram como fazer funcionar os sistemas automáticos de classificação, superando a lembrança de um fiasco no aeroporto internacional de Denver nos anos 90, quando o equipamento de última geração para manuseio de bagagens falhou repetidas vezes.

As companhias aéreas aumentaram a pressão para melhorar o desempenho, cobrando dos passageiros uma tarifa que vai de US$ 15 a US$ 100 para despachar cada mala. Essas tarifas ajudam a compensar o prejuízo das empresas durante o período atual, a pior baixa em seus negócios em vários anos, mas também podem deixar os clientes duplamente furiosos quando as malas desaparecem.

"Nosso setor tem demorado muito para adotar novas tecnologias, em especial para processamento de passageiros e bagagens, mas estamos chegando lá", diz Catherine Mayer, vice-presidente da Sita, empresa fundada pelas companhias aéreas e os aeroportos para processar dados sobre bagagens, entre outros serviços.

A Sita avalia que quase 33 milhões de malas - cerca de 1,4% de todas as bagagens despachadas - foram extraviadas no mundo todo no ano passado. As aéreas gastaram em média US$ 100 por mala extraviada para encontrar cada uma, enviá-la e reembolsar o passageiro.

"Perder bagagens é pura perda de dinheiro", diz Nils Ecke, vice-presidente de processos e serviços globais em solo da alemã Lufthansa. Ecke supervisiona as operações de bagagens da Lufthansa no principal centro dessa empresa aérea, em Frankfurt, e trabalha em estreita colaboração com a companhia dona do aeroporto, a Fraport. Essa parceria reduziu o índice de malas extraviadas para 1,6% este ano, ante 3,9% em 2006, diz Ecke.

Um fator-chave para se manusear melhor as bagagens é explorar o código de barras colocado nas etiquetas durante o check-in. Introduzidas no mercado por volta de 1990, essas etiquetas se encontram agora no mundo todo, mas os dados registrados nelas nem sempre ficam acessíveis, pois as companhias aéreas e os aeroportos têm seus sistemas de computação próprios, que com frequência não se comunicam entre si. A Lufthansa e a Fraport fizeram um grande esforço para unir seus dados de localização de aeronaves e de malas.

Na pista de decolagem, os carregadores da Fraport usam scanners para registrar cada mala ou contêiner de bagagens que entra ou sai de um avião. As malas são escaneadas novamente quando entram no sistema de classificação automática do aeroporto, que examina a etiqueta várias vezes para decidir para onde a bagagem deve ser enviada. O fluxo constante de informações permite que a Lufthansa e a Fraport localizem quase qualquer mala em questão de segundos.

As malas que têm pouco tempo para fazer uma conexão são um grande foco de atenção em Frankfurt, onde cerca de 80% das 100 mil bagagens diárias da Lufthansa precisam mudar de avião. Em todo o mundo, cerca de metade das bagagens perdidas o são por causa de conexões perdidas, segundo a Sita.

No centro de operações da Lufthansa em Frankfurt, dois funcionários, cada um observando seis telas de computador, monitoram os voos que chegam e partem em busca de passageiros com pouco tempo para a conexão. Um software vasculha as reservas e dados de tráfego aéreo para identificar possíveis problemas, apelidados de malas "quentes.

"A Lufthansa e o aeroporto de Frankfurt são excepcionais na coordenação entre o aeroporto e a linha aérea, e no uso da tecnologia, especialmente nas conexões com prazo apertado", diz Andrew Price, que administra o Programa de Melhoria das Bagagens, um esforço de cinco anos realizado pela Associação Internacional de Transportes Aéreos, grupo do setor baseado em Genebra, Suíça.

Mas até 15% dos códigos de barra são lidos erradamente, obrigando as malas a serem novamente classificadas e aumentando a chance de problemas, diz Brian O'Rourke, chefe dos serviços para aviação da IBM. Assim, a IBM está trabalhando com vários parceiros, inclusive a Motorola e a Vanderlande Industries, companhia holandesa que fabrica sistemas de classificação, para conseguir que a indústria da aviação coloque nas malas etiquetas com identificação por radiofrequência, ou RFID, que têm 99% de exatidão, diz O'Rourke.

Cada etiqueta RFID emite uma "assinatura" única, detectada pelos sensores, que localizam o objeto com essa etiqueta. O sistema já é amplamente usado em outros setores, tais como gestão de estoques, por varejistas como o Wal-Mart.

Recentemente a IBM e a Vanderlande instalaram equipamentos de RFID no aeroporto Schiphol. O'Rourke diz que o maior desafio para a tecnologia RFID é demonstrar que funciona como parte do modelo de negócios.

Em geral são os aeroportos que pagam pela instalação, que pode custar milhões de dólares, e depois recuperam o investimento em tarifas cobradas às linhas aéreas ao longo de muitos anos. São as empresas aéreas, em geral, que pagam pelas etiquetas RFID, que hoje custam por volta de US$ 0,15 cada, comparado com poucos centavos pela versão tradicional com código de barras.

O Aeroporto Internacional de Hong Kong e o McCarran International em Las Vegas foram os primeiros a introduzir a RFID, mas a indústria da aviação está avançando devagar, de modo geral, pois as empresas, com aperto de caixa, ainda não podem justificar a despesa de muitos milhões de dólares para modernizar seus sistemas.

Samuel Ingalls, que trabalha com tecnologia de bagagens no McCarran, diz que instalar e manter o sistema RFID do aeroporto custou menos que o sistema comum de leitura óptica, e sua manutenção custa "uma fração" deste, embora não pudesse dar um preço específico porque o RFID começou a ser instalado em 2005 como parte de um projeto maior de desenvolvimento.

Segundo Ingalls, "os benefícios começam a aumentar exponencialmente à medida que o mundo passar" para o sistema RFID e todas as malas receberem etiquetas eletrônicas.
Administradores.com.br

TAP: Programa de compensação de CO2 supera expectativas


Três meses após a entrada em funcionamento do Programa de Compensação de Emissões de dióxido de carbono (CO2) no site da TAP os resultados são, muito positivos até ao final de Agosto.
Funcionando desde 5 de Junho, no primeiro trimestre, a adesão dos passageiros da companhia ao novo programa carbon offset ultrapassou mesmo as expectativas iniciais atingindo um valor acumulado de 1.146 toneladas de CO2 compensadas.

A previsão da companhia aérea, era terminar o ano com uma compensação de 1.500 toneladas de CO2, no entanto, esse objetivo deverá ser ultrapassado ainda durante este mês.
O programa de compensação de CO2, disponível na webpage da TAP, permite aos clientes decidir, no ato da sua reserva online, se querem, voluntariamente, compensar as emissões de carbono resultantes da sua viagem, reduzindo assim a sua pegada de carbono.
Essas compensações serão investidas no Projecto Hidroeléctrico Aquarius, no estado de Mato Grosso, no Brasil.
A área de Ambiente da TAP está a trabalhar com a IATA para alargar o programa de compensação de emissões a novos projetos de compensação de emissões, com vista a diversificar a oferta apresentada aos passageiros já no próximo ano.
Opção Turismo

Air France diz concordar com criação de programa de indenização de vítimas


A diretora-geral da Air France no Brasil, Isabelle Birem, disse nesta terça-feira (29) que a companhia francesa concorda com a abertura de um programa específico de indenização para famílias das vítimas do voo 447, a ser gerido pela Secretária de Direito Econômico do Ministério da Justiça, nos moldes do que foi usado para os familiares dos mortos do acidente da TAM, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Segundo ela, a experiência anterior mostrou-se eficiente para os dois lados.
  • Arquivo Folha Imagem

    No dia 29.06, militares a bordo da fragata Bosísio homenagearam as vítimas do voo 447...

  • Arquivo Folha Imagem

    Em 23.06, familiares de Luiz Claudio Monlevad enterram seu corpo, um dos 50 encontrados entre os destroços do avião...

  • Arquivo Folha Imagem

    Em 19.06, destroços do Airbus A330 são retirados do mar e levados até o porto de Recife (PE)



Birem participa de audiência pública no Senado junto com representantes dos familiares, do ministério das Relações Exteriores, da embaixada da França e da seguradora Axa, na qual também foi criado um grupo de trabalho para tratar com as famílias das vítimas as questões relativas ao acidente.

Quatro meses depois do acidente com o avião da Air France, que deixou 228 mortos, a Associação dos Familiares das Vítimas do Voo AF 447 voltou a reclamar da falta de informações, da não conclusão das investigações sobre as causas da tragédia e da demora na expedição dos atestados de óbito.

Na audiência, o representante da embaixada da França no Brasil, M. Xavier Lapeyre de Cabanes, defendeu que o governo francês tem feito todo o possível em relação ao acidente.

Já o embaixador Otto Agripino Maia, que representa o ministério das Relações Exteriores, disse que o governo brasileiro cuidou da parte que lhe cabia no episódio disponibilizando equipes de buscas e atuando no papel de facilitador das conversações entre os familiares e as autoridades francesas.

A representante da Air France afirmou também que os parentes dos 58 brasileiros mortos já receberam a oferta de 17.600 euros (cerca de R$ 46 mil) de indenização inicial da empresa, sendo que 45 deles já aceitaram o dinheiro.

Em entrevista ao UOL Notícias, o presidente da AFVV447, Nelson Faria Marinho, havia dito que nenhum famliar recebeu esse dinheiro.

"A lista de reclamações é grande. Ninguém recebeu esse valor, a Air France só se preocupa em vir a cerimônias para tirar a atenção do problema, ninguém nos passa informações e limitaram as sessões de terapia a dez por pessoa. Eles acham que um trauma desses pode ser resolvido com dez sessões? Quem é a Air France para decidir isso?", questiona. "Queremos uma explicação, porque até hoje ninguém se mexeu. Vamos pedir às autoridades brasileiras que acompanhem o caso, porque o acidente foi um crime", falou.

Birem também contestou a declaração da associação dos familiares sobre ausência de informações. Segundo ela, a empresa criou um site específico para o assunto, traduzido para mais de seis idiomas, e concedeu uma senha de acesso individual para cada familiar obter as últimas informações sobre o caso. Ela diz que a Air France já enviou 11 comunicados e está facilitando as ações que agilizam os procedimentos judiciais - como a liberação de atestados de óbitos ou de declarações de morte presumida dos corpos não encontrados.

Ao UOL Notícias, Marinho reclamou da pouca atenção dada pela Air France e pelo BEA (escritório de investigações e análises da aviação civil francesa) aos parentes das vítimas brasileiras e falou da demora na expedição de atestados de óbitos.

"O corpo do meu filho é um dos que não apareceu. Sem o atestado de óbito, não posso obter indenização, mexer na conta bancária dele ou requerer o seguro de vida que ele tinha pela empresa que trabalhava, por exemplo. Sem o atestado, não houve morte e a gente não pode seguir com a vida", explicou.

Segundo ele, apenas os 50 corpos que foram encontrados e identificados receberam a documentação. Dos 228 mortos no acidente, 58 eram brasileiros. "O acidente ficou mundialmente conhecido e não há chance de existirem sobreviventes, então não vejo razão para não expedirem os atestados de óbito por morte presumida", disse. "Se houver vontade política, é um processo rápido. O presidente edita uma medida provisória para que um juiz possa expedir os atestados".

A associação entrou com ação na Procuradoria-Geral da República para que seja aberto um inquérito e a Air France responda criminalmente pelo acidente também no Brasil. Até agora, o acidente está sendo investigado exclusivamente pelas autoridades francesas.

Para Marinho, as investigações realizadas até o momento indicam que houve falha no tubo de pitot (sensor de velocidade da aeronave) e que essa falha foi ignorada pela Air France. As causas do acidente ainda não foram esclarecidas.

Empresa divulga nota
Em nota oficial divulgada hoje, a Air France afirma que "muitas questões, de jurídicas a outras de foro particular, precisam ser consideradas neste processo, o que pode fazer com que alguns procedimentos sejam concluídos mais rapidamente do que outros".

A empresa diz que, atualmente, trabalha em cinco frentes: "concluir os processos de indenização; entregar às famílias os objetos encontrados e identificados; finalizar a emissão dos certificados de óbito - até o momento, foram emitidas 29 certidões de óbito de brasileiros, as demais estão em andamento; manter o fluxo de informação atuante e esclarecer por diferentes canais as dúvidas dos familiares; prestar assistência psicológica quando solicitada".

A Air France cita ainda que "imediatamente após o acidente a Air France assumiu um compromisso, que foi colocado acima dos outros: o de dar apoio às famílias e tomar as providências para que elas fossem amparadas emocionalmente, primeiramente, e financeiramente, em seguida".

Condenações
A Air France já foi condenada em pelo menos sete das cerca de 20 ações de familiares de vítimas em andamento no Brasil. Três processos já foram julgados no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e a companhia aérea foi condenada a pagar pensão mensal por 24 meses em valor compatível com o ganho da família e sete salários mínimos (R$ 3.200) em tratamento psicológico para cada familiar.

Segundo o advogado João Tancredo, que representa oito famílias, a Air France recorreu em todos os processos para não ter que pagar a assistência psicológica. "Agora o juiz vai indicar um perito, que vai analisar cada familiar. O recurso, no entanto, não suspende o tratamento", explicou.

UOL

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Air Berlin - Ampliando serviços



A Air Berlin, segunda maior companhia aérea da Alemanha, está acrescentando mais 10 novos destinos, 54 vôos non-stop e ainda mais os vôos de conexão para sua rede de rotas.
ATN

JAL amplia transporte gratuito para apoiar esforços de assistência nas Filipinas


A Japan Airlines (JAL) estende suas condolências às pessoas afetadas pelo tufão Ketsana que atingiu as Filipinas.

A JALProporcionará o transporte de mercadorias de socorro e ajuda pessoal com destino a Manila, a pedido de quaisquer organizações públicas sem fins lucrativos , atuará com a Cruz Vermelha Japonesa e outras organizações de ajuda japonesa a partir de 1º outubro até 21 de outubro de 2009.

ATN

ATR anuncia mudanças na Organização Asiática



A fim de reforçar a sua presença e de seus serviços aos seus clientes no crescente mercado da Ásia e do Pacífico, a ATR está implementando mudanças no atendimento ao cliente e de organização comercial, que será efetiva em 1º de outubro.

O novo presidente da organização de suporte ao cliente ATR (ATR Suporte Oriental) em Cingapura é Laurent Nègre, que recentemente foi Diretor de Vendas responsável pelas vendas na Austrália, Nova Zelândia e na região Sul do Pacífico.

A ATR também está estabelecendo um escritório comercial em Cingapura que terá a responsabilidade geral de vendas de aeronaves ATR na ASEAN, Austrália, Nova Zelândia e no Sul do Pacífico.

ATN

Simulador da Azul estará totalmente montado em duas semanas



Em duas ou três semanas, o simulador da Azul Linhas Aéreas Brasileiras já deve estar totalmente montado e pronto para entrar na fase de testes. Com isso, a companhia será a única no Brasil a possuir simulador próprio.

A certificação do equipamento deve sair em dezembro, quando o equipamento começará a ser usado para treinar os mais de 150 pilotos da Azul e de outras empresas que utilizam as aeronaves Embraer 190 e Embraer 195.


O equipamento modelo Level D FFS, fabricado nos Estados Unidos, custa 11 milhões de dólares e deve atender as necessidades da Azul plenamente até 2012, quando será necessário adquirir mais um. Para instalar o simulador, uma reforma foi feita em um dos antigos estúdios de Azulville, a sede da companhia aérea em Alphaville, Barueri. O espaço foi ocupado por uma produtora anteriormente.

“Optamos por ter um simulador próprio porque estamos crescendo em um ritmo muito acelerado, já temos 150 pilotos e até o fim do ano outros 24 vão integrar a equipe, pois teremos duas novas aeronaves em operação”, disse John Daly, diretor da Universidade Azul, responsável pelo treinamento e capacitação de todos os tripulantes. A companhia fechará o ano com 14 aeronaves.

Segundo ele, o fato de o simulador ficar em Azulville reduz os gastos com treinamentos, hoje feitos nos Estados Unidos, economiza tempo e ainda garante mais flexibilidade e qualidade. “Com o feedback da área de operações, podemos treinar situações específicas, de acordo com a necessidade da Azul”, disse Daly. Outra vantagem é poder realizar os treinamentos no simulador sempre com instrução em português.
Não apenas os pilotos serão treinados no simulador, mas o equipamento também vai atender parte da necessidade de treinamento do time de manutenção e de comissários de voo.

Jornal de Turismo