PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM
PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Revalidação GOL & TAM

PROCURANDO ONDE PERNOITAR DURANTE SUA REVALIDAÇÃO?
Venha hospedar-se com a gente!
Dirija-se à esquerda do painel e entre em contato.
Vagas limitadas

Falsa ameaça de bomba retém avião da Alitalia no Egito



Cairo, 17 fev (EFE).- Um avião da companhia Alitalia que seguia para Roma ficou retido hoje por uma hora no aeroporto do Cairo devido a uma falsa ameaça de bomba, informaram fontes policiais à Agência Efe.
As forças de segurança inspecionaram a bagagem transportada pela aeronave após uma ligação anônima segundo a qual poderia haver uma bomba em seu interior.
Não se sabe se a ligação foi recebida antes ou depois do embarque dos passageiros.
A Polícia não encontrou nada suspeito no avião, que acumulou mais de uma hora de atraso.
Um dos passageiros do voo é o ministro de Turismo egípcio, Zuhair al Garranah. EFE

G1

Avião cai em área residencial da Califórnia e deixa três mortos

Três pessoas morreram nesta quinta-feira quando um avião caiu em um bairro residencial de Palo Alto, na Califórnia. Segundo o chefe dos bombeiros, Harold Schapelhouman, todas as vítimas estavam a bordo do avião.


O chefe dos bombeiros afirmou que o avião bateu em um poste de energia e, ao cair, provocou incêndio em duas casas e diversos veículos. Em uma das casas funciona uma creche, mas nenhuma criança estava no local no momento do acidente.
Ian Gregor, porta-voz da Federal Aviation Administration, órgão que regula o setor de aviação nos EUA, afirmou que a aeronave caiu logo após decolar no aeroporto de Palo Alto. Devido a um nevoeiro, a visibilidade na área do acidente era pouca.
O avião, um Cessna 310 bimotor com capacidade para cinco pessoas, partiu com destino à cidade de Hawthorne, no sul da Califórnia. Segundo David Vossbrink, porta-voz do aeroporto de Mineta San José, a poucos quilômetros do de Palo Alto, pelo menos 16 voos comerciais foram cancelados nesta quinta-feira devido ao mau tempo.

ÚLTIMO SEGUNDO

Avião da Qantas sobrevoa Sydney durante três horas para aterrar em segurança






Sydney, Austrália, 18 fev (Lusa) - Um avião das linhas aéreas australianas Qantas teve de sobrevoar a região de Sydney, durante três horas, para queimar combustível e poder aterrar em segurança, informou um porta-voz da companhia.

O Airbus A330, que transportava 197 passageiros, tinha levantado voo do aeroporto de Sydney, com destino a Xangai (China), mas não conseguiu recolher o trem de aterragem, devido a avaria.

"Após a descolagem o capitão não conseguiu recolher corretamente o trem de aterragem, que ficou de fora enquanto o avião sobrevoou a região do porto de Sydney, durante cerca de três horas, para queimar carburante", disse o porta-voz, garantindo que o aparelho acabou por aterrar sem problemas.
EPA

Câmara analisa capital estrangeiro na aviação



BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), já designou comissão especial da Casa para analisar o projeto de lei do Senado (PLS 184/04) que eleva de 20% para 49% a participação de capital estrangeiro nas empresas aéreas brasileiras.


Há expectativa de que a matéria, aprovada pelo Senado em novembro de 2009, seja votada pela Câmara, onde vai tramitar com outras propostas semelhantes.

É esperado que a mudança abra uma nova temporada de investimentos na aviação nacional.Este era um dos projetos que estavam na pauta de prioridades para o governo aprovar em 2009.


No Ministério da Defesa, em julho do ano passado, o Conselho Nacional de Aviação Civil aprovou texto de projeto de lei com o mesmo teor. Mas o governo preferiu apoiar o projeto já em andamento.Na avaliação do ministro da Defesa, Nelson Jobim, o aumento do percentual de participação estrangeira no capital das companhias poderá "dar um fôlego, mais musculatura" às empresas nacionais. "Abre inclusive a possibilidade de ter mais empresas.


Há muita gente interessada no Brasil, e empresas regionais também serão beneficiadas.""Isso vai dar um gás muito forte, vai capitalizar as empresas e vai aumentar a competitividade", afirmou ao DCI o ministro do Turismo, Luiz Eduardo Barretto.

"Isso já tem acontecido no mercado brasileiro, que reduziu de 95% par 85% a participação das duas principais companhias."CopaNa opinião do ministro, o aumento do capital estrangeiro é oportuno e necessário em razão do recorde verificado, em 2009, nos embarques domésticos, que atingiu a marca histórica de 56 milhões. E ajudará o País a receber turistas na Copa de 2014.



Ao mesmo tempo, de acordo com Barretto, o projeto vai assegurar mais recursos para a oferta de novos voos para o exterior. Ele disse que somente agora o Brasil conseguiu recuperar os voos internacionais que existiam antes de a Varig ter entrado em recuperação judicial, em junho de 2006.Outro atrativo para os investidores estrangeiros é a política de liberação dos preços das passagens aéreas. "A Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] fez um grande trabalho, e hoje está liberado o preço das passagens.


Não há mais proteção às empresas nacionais: o mercado é livre", disse.No Senado, a matéria foi aprovada em caráter terminativo (sem necessidade de ir ao plenário) na Comissão de Constituição e Justiça. O texto é de autoria do ex-senador e atual governador interino do Distrito Federal, Paulo Octavio (DEM), que substituiu no cargo o governador José Roberto Arruda (sem partido), há uma sema- na preso na superintendência da Polícia Federal, em Brasília.


Na proposta original, Octávio argumenta que o aumento de capital estrangeiro na aviação brasileira pode baratear a venda de passagens e fomentar o turismo.Em seu parecer, o relator da matéria, senador Francisco Dornelles (PP-RJ), citou que o setor passou por crises nas últimas décadas, mas não fez referência ao fechamento de Vasp e Transbrasil e à compra da Varig pela Gol."Estamos contribuindo para estimular o ingresso de investimentos estrangeiros em um setor que tem padecido com diversas crises desde a década passada, na maioria das vezes em decorrência da descapitalização das empresas aéreas", justificou.


Uma das propostas semelhantes em tramitação na Câmara é o Projeto de Lei 2.452/07, proposto pela então CPI da Crise Aérea. O relator do projeto, deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), considera que a legislação precisa ser revisada para que o País esteja preparado para a Copa de 2014.Na comissão especial que analisa este projeto, o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) requereu a realização de seminário com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), órgão do governo federal, sobre seu programa de investimentos na aviação brasileira.

Brasil ganha 2,6 mil novos pilotos em 2009; conheça a profissão


No ano passado, o Brasil passou a contar com mais 2,6 mil novos pilotos no espaço aéreo do País.
Segundo dados divulgados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a maior parte deles, 1,2 mil, é de pilotos privados de avião, primeira etapa para iniciar na carreira ou voar apenas em aeronaves particulares.


Entre os profissionais, foram habilitados 513 pilotos comerciais de avião e 230 pilotos de linha aérea. De helicópteros, foram 224 licenças para pilotos privados, 105 para pilotos comerciais e outras 41 de linha aérea.


O restante das licenças foi para pilotos de planador, balão e aviação experimental (piloto de recreio).


Como se tornar um piloto?


Segundo a Fly-Escola de Aviação, para se tornar um piloto comercial de avião, são necessários oito meses de aulas teóricas e 150 horas de prática, sendo que os quatro primeiros meses de aulas teóricas e as 35 primeiras horas de prática equivalem aos requisitos necessários para se tornar um piloto privado, quando o aluno deverá fazer a primeira prova para concessão de licença na Anac.


No caso dos pilotos de helicópteros, são quatro meses de aulas teóricas e 35 horas de prática para os pilotos privados e mais quatro meses de aulas teóricas e 65 horas de prática para os profissionais, o que dá, para estes últimos, um total de oito meses de aulas teóricas e 100 horas de prática.


Além disso, no caso dos pilotos comerciais, é exigida a conclusão do Ensino Médio e a idade mínima de 18 anos.


CustosApesar de exigir uma quantidade de horas práticas menor, a hora aula para quem quer pilotar um helicóptero, ainda conforme a Fly, varia de R$ 600 a R$ 800, enquanto que a hora aula dos pilotos de aviões fica entre R$ 250 e R$ 400. O alto investimento, contudo, pode valer a pena, já que o salário de um piloto vai de R$ 6 mil a R$ 15 mil.


A Anac oferece bolsas de estudos para quem quer se tornar piloto, seja privado ou comercial. Neste ano, serão 213 bolsas de estudo para homens e mulheres de 18 a 35 anos, sendo 139 vagas para pilotos privados e 74 para comercial.


Os candidatos já deverão ter realizado pelo menos 25% das horas previstas no curso desejado e terão de passar por prova teórica e avaliação prática de proficiência em aeronave de instrução. De acordo com a assessoria de imprensa da Agência, os valores das bolsas variam de R$ 12 mil a R$ 70 mil.


Administradores

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Revalidação TAM & GOL


PROCURANDO ONDE PERNOITAR DURANTE SUA REVALIDAÇÃO?

Venha hospedar-se com a gente!

Dirija-se à esquerda do painel e entre em contato.

Vagas limitadas

Avião de Hillary apresenta problema mecânico na Arábia Saudita


JIDÁ, Arábia Saudita — A partida de Hillary Clinton da Arábia Saudita, última escala de sua viagem pelo Golfo Pérsico, sofreu um atraso nesta terça-feira devido a um problema mecânico em seu avião.
Hillary explicou à imprensa que um "grave" problema de válvula deixou na pista a aeronave da aviação americana que a levaria de volta para os Estados Unidos. No entanto, ela não passará mais uma noite na Arábia Saudita: retornará, acompanhada dos assessores mais próximos de sua comitiva, no avião do general David Petraeus.
O general Petraeus, comandante das forças americanas no Iraque e no Afeganistão, também estava na Arábia Saudita para uma reunião com os governantes do país.

AFP

Privatização da ANA será "inferior a 50%" - ministro das Obras Públicas

O ministro das Obras Públicas, António Mendonça, afirmou hoje que a privatização da ANA -- Aeroportos de Portugal "será inferior a 50 por cento", garantindo não estar em causa a criação de um "monopólio privado dos aeroporto".
"A haver privatização da ANA, será inferior a 50 por cento", afirmou o ministro, durante uma audição no Parlamento sobre o Orçamento do Estado para 2010, em resposta ao deputado do PCP Bruno Dias.
António Mendonça garantiu que "não está em causa qualquer monopólio privado dos aeroportos".

DN

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Você vai ser um(a) comissário(a) da TAM?, da GOL?,da AZUL?




Se você é da Aviação e está procurando onde morar ou pernoitar, venha nos visitar!
Acesse a esquerda do painel e entre em contato.
Vagas Limitadas!

Acidente com pequeno avião deixa quatro mortos em Nova Jersey




Imagem de TV mostra acidente com pequeno avião ao pousar no aeroporto de Monmouth, em Wall Township, Nova Jersey (Foto: AP)




A polícia informou que resgatou quatro corpos do local. Uma quinta vítima estaria desaparecida (Foto: AP)


g1

Bebê ganha passagens aéreas até os 21 anos por nascer em avião na Bolívia


Criança que nasceu em pleno vôo de uma companhia comercial boliviana ganhou passagens aéreas grátis até completar 21 anos, além de uma bolsa de estudos, de acordo com um funcionário da companhia.


A menina nasceu no domingo à tarde, quando um avião de Transportes Aéreos Militares (TAM), pertencente a Força Aérea Boliviana (FAB), transportava sua mãe de uma cidade do sul do país até La Paz, informou o porta-voz da empresa o Tenente Coronel Jerry Holters.


Holters disse à imprensa que a criança receberá passagens grátis até os 21 anos para viajar por todo país e uma bolsa para estudar na Unidade Educativa da FAB.


A mãe, Lourdes Mamani, deu à luz 15 dias antes do previsto a 24 mil pés de altura e assistida por um médico e uma enfermeira, ambos passageiros que estavam à bordo da aeronave, indicou a companhia. A criança recebeu o nome de Tami Fabiola em homenagem a companhia.


O bebê, segundo filho de Lourdes, foi internado um um hospital próximo ao aeroporto de La Paz. Na segunda-feira, a mulher disse aos médicos locais que havia começado a sentir as dores do parto. De acordo com boletim médico, mãe e filha passam bem.

Zero Hora

Mulher dá à luz em pleno voo.




Uma mulher boliviana deu à luz no corredor de um avião British Aerospace BAe 146-200que voava entre a cidade de Tarija e a capital do país, La Paz, com a ajuda de um médico que estava no mesmo voo, informou domingo o diário local "La Razón".Willy Arismendi, um dos passageiros do voo 775 da TAM - Transporte Aéreo Militar, a companhia aérea das Forças Armadas bolivianas, relatou ao jornal que o caso ocorreu por volta das 19 horas locais de domingo (14).







"Vimos que as comissárias de bordo cercaram a mulher, e um passageiro se identificou como médico para saber o que se passava com a senhora. Minutos mais tarde foi colocada no corredor do avião. Todos acreditavam que só se tratava de dores intensas", disse o passageiro.



As comissárias instruíram os demais passageiros a permanecer em seus assentos e dez minutos depois a mulher deu à luz a uma menina, poucos momentos antes de a aeronave pousar no aeroporto internacional de El Alto, nas proximidades de La Paz.Uma ambulância já esperava na pista do aeroporto pela mulher e a criança, e as duas foram levadas para um hospital, acrescentou o "La Razón".

Desástres Aéreos

Britney Spears com medo de avião

É Carnaval: Marchinha de Carnaval - "O avião do Sarkozy"

"Dilma usa avião oficial para fazer campanha no Carnaval"



Quando a Quarta-Feira de Cinzas marcar o fim da folia momesca, a ministra-candidata Dilma Rousseff terá de explicar aos brasileiros como cruzou o País para participar de eventos carnavalescos em diversas cidades brasileiras.


De acordo com o site "Bahia Notícias", Dilma aterrissou em Salvador na Base Aérea, o que significa que a ministra-chefe da Casa Civil foi à terra de todos os santos a bordo de um avião do Governo Federal. De lá a ministra seguiu para Recife e, em seguida, para o Rio de Janeiro.


Quando, durante o governo FHC, alguns assessores presidenciais usaram avioes oficiais para viagens particulares, o PT, então partido de oposição, patrocinou um ruidoso protesto.


Na condição de ministra de Estado, Dilma Rousseff pode e deve viajar às expensas do contribuinte, mas para fazer campanha política só mesmo a bordo de aviões de carreira ou jatos fretados. Considerando que a Justiça Eleitoral decidiu fechar os olhos para as escandalosas transgressões cometidas por Lula e sua mais nova criatura política, o assunto deve acabar no esquecimento.

Blog demais

Aprendiz 7 – Universitário terá novidades , Barioni também



Outro aguardado programa da TV aberta brasileira também estréia em abril. Aprendiz 7 – Universitário, com bancada reformulada, estreia no dia 15.
O comando ficará a cargo de João Doria Jr.. Empresário conhecido dos telespectadores pelo programa de entrevistas Show Business, ele assume o lugar de Roberto Justus, que agora está no SBT.
Uma das conselheiras de João Doria Jr. será Cristiana Arcangeli. Ela é conhecida por ter criado os primeiros eventos de moda do país, o Phytoervas Fashion e o Phytoervas Fashion Awards, precursores da São Paulo Fashion Week.
O outro conselheiro será David Barioni Neto. Destaque no ramo de aviação, ocupou cargos de diretoria na TAM e na Gol, sendo ex-presidente da primeira companhia.

Correios suspendem serviço de Sedex 10 no Norte e no Nordeste



O Serviço de Sedex 10 entre os Estados foi suspenso pelos Correios no Norte e no Nordeste –com exceção da Bahia– e opera com menos linhas do que o normal nas demais regiões do país.
A suspensão decorre de problemas nas empresas aéreas que prestam serviços aos Correios, o que dificulta entregas com hora marcada. O Sedex 10 faz entregas até as 10h do dia seguinte à postagem.
Segundo a assessoria dos Correios, não há previsão para que os serviços sejam restabelecidos, já que a reativação das linhas aéreas depende das empresas contratadas, que apresentam aviões danificados ou estão sendo barradas na fiscalização da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).
As postagens estaduais do Sedex 10, que correspondem a 84% do volume total de encomendas, usam transporte terrestre e seguem normais.
Conforme informou Folha, os problemas com os aviões contratados vem causando atrasos na entrega da correspondência convencional em Roraima, Amazonas, Rondônia, Acre, Mato Grosso, Ceará e Santa Catarina.
O uso de voos comerciais de passageiros, redesenho de rotas aéreas, transporte rodoviário, sublocação de aeronaves e convênio com a FAB (Força Aérea Brasileira) são alternativas adotadas para tentar resolver emergencialmente o atraso na entrega da correspondência.
Segundo a assessoria dos Correios, a FAB começa a operar já no final deste mês, e o pregão para contratar nova transportadora na linha que sai de Brasília e passa por Rondônia, Acre, Mato Grosso e Roraima já foi homologado.
Para o Ceará, a linha de São Luís (MA) está sendo redesenhada para atender o Estado.
No Amazonas, a empresa estuda uma nova licitação caso a contratada para a rota –a TAF (Táxi Aéreo Fortaleza)– não retome o serviço logo. A linha de Manaus é a mesma que segue para Boa Vista (RR).
A TAF retirou três aeronaves de circulação recentemente, duas por acidentes e uma para manutenção. Segundo o diretor comercial da empresa, Ariston Pessoa, seria possível disponibilizar outro avião para a linha, mas o custo da operação não compensaria porque “as margens [de lucro] são extremamente apertadas”.
A empresa não está pagando multa porque o avião da rota de Manaus saiu de circulação devido a acidente provocado pelo mau tempo, uma exceção à regra, disse Pessoa. Ele afirmou ainda que a TAF não deve participar de novas concorrências.
Já Daniel Winocur, da Total, está interessado em novas rotas, mas talvez não dispute todos os destinos. “É difícil compensar [os custos] com o que está sendo oferecido”, disse. A empresa sublocou duas aeronaves para regularizar o serviço em Santa Catarina.

Pousada em Congonhas



Se você é da Aviação e está procurando onde morar ou pernoitar, venha nos visitar!


Acesse a esquerda do painel e entre em contato.


Vagas Limitadas!

Avião faz pouso de emergência na Flórida após colidir com pássaro


Um avião fez hoje um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Fort Lauderdale, na Flórida, Estados Unidos, após colidir com pelo menos um pássaro no momento da decolagem, mas nenhum dos 229 passageiros ficou ferido.


A aeronave da companhia Spirit Airlines tinha saído do aeroporto de La Guardia, em Nova York, quando uma ave se chocou contra a parte dianteira do avião, informou a Administração Federal de Aviação americana (FAA, na sigla em inglês).


O voo 758 retornou imediatamente ao Aeroporto de Fort Lauderdale e fez um pouso de emergência sem nenhum contratempo, de acordo com imagens transmitidas pelo "Canal 7".
Nas últimas três décadas, as aves causaram 668 incidentes aéreos nos EUA, mas só em 34 ocasiões os aviões sofreram danos graves e registraram 54 feridos e um morto, segundo números da FAA.


Os aviões em geral são afetados por pombas, corujas, gaivotas e gansos. No ano passado, segundo dados da FAA, cerca de 20 aviões colidiram com essas aves.
Em janeiro de 2009, um Airbus A-320 da companhia US Airways pousou no rio Hudson, em Nova York, logo após decolar do aeroporto de La Guardia com destino a Charlotte, na Carolina do Norte, após colidir com um bando de pássaros. Os 155 passageiros foram resgatados a salvo.


EFE

Monomotor faz pouso forçado no interior de SP

Aeronave pousou em pastagem, na cidade de Anhembi. Ninguém foi achado no local; polícia suspeita de tráfico de drogas.



Um monomotor com capacidade para dois lugares fez um pouso forçado em uma área de pastagem, na manhã desta segunda-feira (15), em Anhembi, a 255 km de São Paulo. O local fica a 7 km do centro da cidade. O avião foi encontrado pelo funcionário da fazenda, mas nenhum ocupante foi encontrado. Uma porteira teve que ser arrombada para chegar até a aeronave. Uma das hipóteses investigadas pela polícia da região é que o voo tenha ligação com o tráfico de drogas.

Avião com destino ao México obrigado a regressar por dúvidas sobre passageiro


Um avião da British Airways que partiu de Londres com destino ao México foi obrigado a retornar a seu aeroporto de origem depois de duas horas de voo, devido a uma "discrepância de dados" sobre um passageiro americano, anunciou nesta segunda-feira a companhia britânica.
"O voo 243 da British Airways regressou a Heathrow devido a uma discordância de dados em relação a um cidadão americano", declarou um porta-voz da empresa.
As autoridades americanas negaram ao Boeing 747, que voava em direção a Washington DC com 318 passageiros a bordo, a autorização para ingressar em seu espaço aéreo, pelo que o piloto do avião foi obrigado a dar meia volta e regressar a Londres quando já havia deixado a Irlanda para trás.
Segundo o jornal Daily Telegraph, o passageiro, de 55 anos, que viajava com passaporte dos Estados Unidos, foi revistado, assim como sua bagagem, e entregue às autoridades de imigração.
O fato teria acontecido na sexta-feira passada, sendo divulgado apenas nesta segunda.

AFP

Ator e diretor Kevin Smith é expulso de avião por não caber na cadeira

O ator e diretor americano Kevin Smith foi obrigado no sábado passado a deixar um avião da Southwest Airlines por não caber na cadeira e, através da rede social Twitter, gerou polêmica nos Estados Unidos.

Smith, que dirigiu filmes como "Dogma", "Clerks" e, mais recentemente, "Zach and Miri Make a Porn", escreveu com ironia no Twitter: "Não quebrei nenhuma regra, nem representava um risco para a segurança. O que eu poderia fazer, rolar sobre outro passageiro?".

Smith também é conhecido como ator, especialmente pelo personagem Silent Bob na série de filmes "O Balconista
AP
Kevin Smith
Quando voa pela Southwest Airlines, Kevin Smith costuma comprar duas passagens.

Dessa vez havia feito o mesmo, mas, como surgiu uma vaga em um voo anterior, decidiu antecipar a viagem, só que teve acesso apenas a uma poltrona.
A companhia aérea se desculpou pelo ocorrido e deu um vale de US$ 100 ao ator.

A empresa, porém, se manteve firme na postura e disse ter tomado a decisão certa em prol da "segurança e da comodidade" dos passageiros.
ÚLTIMO SEGUNDO

Maior avião do mundo aterrissa no Brasil


Um cargueiro russo Antonov AN 225, considerado o maior avião do mundo, aterrissou no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, com equipamentos para a petrolífera Petrobras, entre eles três válvulas gigantescas.
A primeira viagem à América Latina do Antonov AN 225 chamou a atenção da imprensa local e de curiosos que esperaram sua aterrissagem no terminal de cargas do principal aeroporto do país.


O Antonov AN 225, que chegou ao Brasil com sete tripulantes, tem uma capacidade para transportar 1,5 mil pessoas em área de carga, com capacidade para 250 toneladas.
A aeronave mede 84 metros de comprimento, 88,4 metros de envergadura e 18,1 metros de altura, com velocidade de até 850 km/h e autonomia de voo de 4,5 mil quilômetros com carga máxima.


Comparado com o Airbus A380, o maior avião comercial de passageiros no mundo, o modelo francês supera o russo na altura, com 24,08 metros. O Airbus A380 mede 72,75 metros de comprimento e 79,8 metros de envergadura, segundo as informações técnica do fabricante.

g1

Avião de pequeno porte cai na Argentina e piloto morre


Um avião de pequeno porte com paraquedistas foi derrubado neste sábado por uma tempestade na província argentina de Córdoba (centro), mas seis de seus sete ocupantes conseguiram se salvar enquanto que o piloto morreu.
O aparelho deixou o aeródromo de Alta Gracia e foi surpreendido em voo por uma tempestade com ventos mais fortes que os esperados. Os paraquedistas que se salvaram sofreram apenas contusões e escoriações generalizadas.
AFP

Amigo classifica ex-militar suicida como um homem "educado, correto e pouco falador"


Portalegre, 15 fev (lusa) - O ex-militar do Exército que se suicidou sexta-feira no aeródromo de Tires, após uma viagem de avioneta desde Évora e que residia na zona de Portalegre, é descrito pelos amigos como um homem "educado, correto e pouco falador".
Em declarações à agência Lusa, José Dias, amigo há oito anos de José Oliveira, "protagonista" de todo o caso, recordou hoje o ex-militar como sendo uma pessoa "extremamente educada e correta e pouco faladora".
"Nos últimos anos, foi das pessoas que conheci mais educadas, correta nos seus atos e com uma cultura geral acima da média", acrescentou.

Lusa

British Airways produzirá combustível para a aviação com lixo


Londres, 15 fev (EFE).- A companhia aérea British Airways (BA) vai construir a primeira fábrica europeia destinada a transformar lixo em combustível para aviação.


Cerca de meio milhão de toneladas de resíduos serão utilizados anualmente para gerar 72,8 mil metros cúbicos de combustível, informou a companhia.


Segundo a "BBC", a nova planta vai produzir aproximadamente o dobro do combustível necessário para todos os voos que saem do City Airport, o menor dos aeroportos londrinos.
Graças a esse programa de reciclagem, será reduzido o volume produzido de metano, gás de efeito estufa mais potente inclusive que o dióxido de carbono.


A planta será construída pela companhia americana Solena Group, e a BA se comprometeu a comprar todo o combustível que for produzido. Segundo o anúncio, a fábrica deve começar a funcionar em aproximadamente quatro anos.


As fontes ideais de matéria orgânica da planta são resíduos com alto teor de carbono, que são introduzidos em um gasificador de alta temperatura. O fruto desse processo é posteriormente submetido a um procedimento químico para gerar biocombustível.


O combustível que será produzido na nova fábrica já pode ser utilizado em outros países, mas seu uso ainda não está autorizado no próprio Reino Unido.
No entanto, a British Airways acredita que vai obter as permissões necessárias até que comece a produção.

G1

TGV na China fez descer preços da aviação para menos de metade


A inauguração recente de novas linhas de comboio de alta velocidade na China levou algumas companhias aéreas a reduzir tarifas nas rotas concorrentes em até 80 %. A China Southern, a maior companhia aérea chinesa, baixou o seu preço em classe económica nos voos entre Guangzhou e Changsa de 700 para 140 ienes, depois da inauguração de uma linha de alta velocidade entre estas cidades em Dezembro, reduzindo a duração do trajecto em comboio de nove para duas horas e meia. Espera-se que no período anual de 40 dias de férias de Primavera e ano novo lunar, em que os trabalhadores migrantes regressam às suas terras de origem, viajem de caminho de ferro mais de 210 milhões de passageiros. Vários analistas afirmam que o desenvolvimento da rede de alta velocidade chinesa irá acelerar as fusões na indústria aérea do país, e afectar as vendas da Airbus e da Boeing. No entanto, responsáveis das companhias afirmam que o crescimento da rede ferroviária foi um factor considerado nos seus planos de negócios na China, que está também a investir fortemente na ampliação de vários aeroportos.

Turisver

Liberação de tarifa não reduz passagem aérea internacional


A liberação dos preços das passagens aéreas internacionais pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), iniciada em abril do ano passado, até agora tem sido letra morta. Companhias que operam voos do Brasil para dez capitais no exterior ainda cobram preços acima do antigo piso, informa reportagem de Samantha Lima para a Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal). O processo de liberação das tarifas aéreas será concluído em 22 de abril, quando não existirá nenhum preço mínimo em vigor. Hoje, as empresas aéreas devem respeitar um piso que equivale a 20% daquele existente até abril passado. Para Nova York, por exemplo, o bilhete mais em conta entre as quatro companhias pesquisadas pela reportagem é o da Delta Airlines: R$ 1.910, 43% acima do antigo preço mínimo em vigor, de R$ 1.331, e 615% além do atual piso, de R$ 267. Os bilhetes mais caros foram os da United Airlines e da TAM. Também foram pesquisados bilhetes na American Airlines.

Olhar Direto

Falta de controlo nos aeródromos permite terrorismo



"É preciso pôr autoridades a fiscalizar", diz o director do Observatório de Segu- rança. Ministério e INAC não se entendem.
"Com toda a facilidade se consegue executar um atentado terrorista, utilizando uma aeronave que descola de um aeródromo onde não há qualquer controlo nem fiscalização de passageiros nem bagagens." O alerta é lançado pelo director do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, José Manuel Anes, frisando ao DN que "as nossas autoridades têm de resolver este problema com a máxima urgência".
Tal como na sexta-feira um homem fretou uma avioneta no Aeródromo de Évora e embarcou com um saco de viagem contendo uma carabina e um revólver - ameaçou os tripulantes e obrigou dois deles a saltar em pleno voo e suicidou-se com um tiro na cabeça ao aterrar no Aeródromo de Tires, em Cascais - também poderia levar um engenho explosivo e lançá-lo durante o voo sobre o Palácio de Belém ou qualquer outro alvo, admite o mesmo responsável.
"Este homem poderia facilmente ter executado um atentado", frisa José Manuel Anes. "Poderia ter um plano contra algum objectivo em Lisboa", referiu.
"É um problema muito grave que temos e já existe desde sempre", salientou, esclarecendo que "tem que ver com a Administração Interna". Na sua opinião, "tem de se reflectir sobre o assunto e tomar medidas o mais rápido possível. É indispensável o controlo dos aeroportos, mesmo os secundários e até alguns em zonas rurais, onde pode aterrar e descolar qualquer aeronave para práticas ilícitas".
José Manuel Anes recorda que "já desde há muitos anos as autoridades policiais queixam-se de aeródromos e pequenas pistas rurais - onde nem sequer existem hangares - que se suspeita serem utilizados para tráfico de droga e outros ilícitos".
"O Aeródromo de Évora e outros têm de passar a ter controlo de pessoas e bens. É preciso saber o trajecto, o destino e qual o objectivo do voo", concluiu.
O DN contactou o Ministério da Administração Interna para se pronunciar sobre esta falta de controlo e fiscalização de passageiros e bagagens nos aeródromos, que pode facilitar a execução de algum atentado com origem na aeronave em voo. O ministério responde que essas perguntas "devem ser dirigidas ao INAC - Instituto Nacional de Aviação Civil, autoridade à qual compete assegurar a regulação de segurança do sector da aviação civil, nos termos do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 145/2007, de 27 de Abril".


Sobre esta matéria, fonte oficial do INAC frisou ao DN que a este instituto "compete assegurar o bom ordenamento de todas as actividades da aviação civil, através da regulação, regulamentação, certificação, licenciamento e fiscalização das condições em que as mesmas se desenvolvem".
"Só tem que ver com as condições de segurança de aeródromos e pistas em termos operacionais de aviação civil. As forças policiais de segurança - como a PSP, GNR e SEF - é que têm de fiscalizar pessoas e bens, como sucede no aeroporto de Lisboa e noutros", esclareceu a mesma fonte.

dn portugal

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Gol investe na frota, em crédito para a classe C e na internet





A primeira semana de fevereiro, para Constantino de Oliveira Junior, presidente da
Gol Linhas Aéreas, foi de contato com o clima de apreensão entre investidores de
Nova York, receosos com as nuvens cinzas vindas da Grécia e da Espanha.

Mesmo assim, Constantino, que participou de um encontro organizado pela corretora
Raymond James, voltou ao Brasil animado. Em entrevista ao Valor, o executivo diz
que negocia com grandes bancos para aumentar a oferta de crédito à classe média.

Vai investir em aumento e renovação da frota, com a compra de nove aviões da Boeing - um investimento estimado em quase US$ 600 milhões. E quer aumentar a fatia das receitas auxiliares - tudo o que não é venda de passagem aérea - no faturamento da Gol dos atuais 10% para 16% em dois anos.

A venda de lanches a bordo, por exemplo, que hoje é feita em 42 voos diários, deverá estar presente em 500 voos até dezembro. E ainda no primeiro semestre, o site da Gol venderá também hospedagem em hotéis e locação de carros.
Sobre o seu hobby novo, a corrida de stock car, e a principal concorrente, TAM,
Constantino que tem 41 anos e já correu em pistas profissionais ao lado de pilotos
de Fórmula 1 como David Coulthard e Olivier Panis, diz que está se divertindo e
embora não seja seu grande objetivo ultrapassar a TAM a qualquer custo, para ser a maior companhia do país, diz que, sim, seria outra alegria em sua vida ver a Gol na "pole position".

A seguir, os principais trechos da entrevista:

  • Valor: Como o senhor vê o ano de 2010? Já se fala em um grau alto de
endividamento da classe C, um dos principais focos da Gol.

Constantino de Oliveira Junior:

Vivemos uma perspectiva muito boa para 2010. O consumo continua crescendo, o
desemprego está sob controle, as contas públicas continuam equilibradas. Vários
setores estão vendendo como nunca para o mercado interno.
A indústria aérea cresceu 17% no ano passado, mas todo esse crescimento foi concentrado no segundo semestre. A Gol anunciou em janeiro um aumento de 32% na demanda em comparação com janeiro do ano passado. E se levarmos em conta o histórico de
crescimento da indústria nos últimos seis anos, que fica entre três, três vezes e
meia o PIB, essa perspectiva de um ano muito bom em 2010 é reforçada. O
endividamento da nova classe média provavelmente vai comprometer um pouco a
perspectiva de crescimento para o médio e longo prazos. Não acredito que terá
tanto impacto no curto prazo porque o potencial de expansão nessa nova classe
média é tão grande que, acho, há espaço para a gente continuar crescendo e
atraindo gente.

Valor: Como atender esse aumento da demanda com as restrições de voos em aeroportos, determinadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)?

Constantino A solução para isso, antes de a infraestrutura ser melhorada e
ampliada - porque acredito que todos têm noção da necessidade de investimento
para solucionar esse gargalo - tem sido a transferência de conexões que antes
eram feitas em São Paulo para o Galeão [RJ], Confins [MG] e Brasília. É uma
questão sensível, a gente vai monitorando e fazendo isso conforme a malha vai
crescendo. As autoridades e o governo têm conhecimento desses gargalos e devem tomar alguma medida até porque temos a iminência de uma Copa do Mundo e dos jogos olímpicos.

Valor: A Gol pretende investir em aeroportos?

Constantino: Não que a gente vá mudar de negócio e passar a ser operador de
aeroportos. Mas se a solução para a infraestrutura aeroportuária passar pelas empresas aéreas de alguma forma, temos, sim, a disposição de fazer parte desse processo.

Valor: Em concessões ou em terminais próprios?

Constantino: O campo das possibilidades está muito aberto. Li que o ministro
[Nelson Jobim, da Defesa] deve apresentar uma proposta até abril. Se for proposto algo como acontece nos Estados Unidos, onde as companhias aéreas constroem e operam um terminal durante um período... Nosso negócio continua sendo transportar passageiros, não pretendemos tornar a Gol uma administradora de aeroportos. Mas se essa for a solução...

Valor: Estados Unidos e Europa ainda enfrentam problemas em decorrência da crise. Isso pode ser um limitador para a expansão de uma companhia como a Gol?

Constantino: O mercado doméstico tem muito que crescer ainda. A nossa perspectiva parte do mercado doméstico para depois falarmos de América do Sul, Caribe e América Central. Nosso limite de crescimento está no alcance do 737, o tipo de avião que escolhemos. Não pretendemos diversificar a frota. A penetração
da aviação no Brasil, considerando a população economicamente ativa, é de 0,8%
[viagem ao ano, por pessoa]. É quase 40% menos do que na Argentina, porexemplo. Há uma possibilidade de crescimento enorme. Hoje a Gol tem condições de oferecer um serviço muito competitivo para quem viaja a negócios, que é o cliente que gera maior rentabilidade. A revitalização do Smiles tem permitido que a
Gol cresça nesse segmento e isso tem sido importante para garantir nossa
plataforma de baixo custo e estimular a demanda dessa nova classe C com
programas de parcelamentos de viagens, parcerias com bancos dispostos a
financiar passagens e com tarifas competitivas com ônibus.

Valor: A empresa está negociando com bancos para ampliar a oferta de financiamento?

Constantino: Temos conversado com todas as grandes instituições. Deve sair [um
novo plano] brevemente. O fato de possuirmos um programa de parcelamento [próprio, o Voe Fácil] não nos restringe a fechar parcerias com outros bancos.
Temos planos para que este ano o Voe Fácil passe a ser mais flexível. Às vezes o
cliente não tem crédito para a passagem toda, mas tem para 70%. Poderíamos
oferecer uma entrada mais um parcelamento. Hoje isso não é possível.

Valor: Qual tem sido o resultado da venda de lanches a bordo, adotado pela Gol no ano passado?

Constantino: Começamos essa experiência para entender qual seria a percepção
do usuário e ele tem aprovado, em termos de qualidade. O preço naturalmente
pode melhorar. Isso nos encoraja a aumentar o número de voos com esse serviço
[hoje são 42]. Estamos implementando as soluções para levarmos a algo como 400 a 500 voos por dia até o fim do ano. [A Gol tem cerca de 800 voos diários]
Valor: E quanto à receita?

Constantino: Temos várias iniciativas nesse sentido de gerar receitas
complementares ao bilhete. A venda [de lanches] a bordo é uma delas, a carga expressa é outra. Devemos lançar ainda este ano, provavelmente no primeiro semestre, um site [na internet] que passa a ser mais um portal de viagens, em que teremos parceiros como a Unidas [locadora de carros]. E estamos fechando com uma grande sistema de reservas de hotel. O cliente terá condições de adquirir todos os produtos relacionados à viagem em um único portal e pagar em apenas uma fatura. Isso gera conveniência e lealdade. E ainda gera alguma receita auxiliar
porque teremos participação na venda de todos esses produtos.

Valor: Quanto essas receitas extras representam do faturamento?

Constantino: Hoje 10%. No último trimestre representou quase 14% porque
tivemos um volume de venda de milhas a parceiros, como bancos e
administradoras de cartões de crédito, bastante elevado. Esse é outro componente
de receitas auxiliares.

Valor: Qual é o padrão mundial de receitas auxiliares e qual percentual a Gol pretende atingir ?

Constantino: Eu diria que está entre 15% e 20%. Na Ryanair [companhia irlandesa de baixo custo] chega a 24%, 25% da receita total. Ela realmente se
destaca porque tem uma política agressiva de receitas auxiliares que acho que não
cabe no Brasil, até porque as leis de proteção ao consumidor nos inibem de fazer certas cobranças. Na Gol, no fim de 2008, princípio de 2009, esse percentual
estava em 6% a 7%. Considerando que crescemos muito em volume de
passageiros, houve um aumento significativo. Em dois anos pensamos em elevar essa participação em relação à receita total para 16%.
Valor: Qual vai ser o crescimento da frota da Gol em 2010?

Constantino: A gente deve sair de 108 aviões para 111, num primeiro momento. Deveremos receber nove aviões da fábrica [Boeing] e vamos renovar seis aviões [substituindo os velhos por novos].
Valor: Qual vai ser o investimento em frota?
Constantino: Considerando nove aviões novos e tomando por base um valor de
US$ 60 milhões a US$ 65 milhões cada um, o investimento vai chegar a quase US$
600 milhões.

Valor: Em 2007 a Gol anunciou negociações com a Boeing e com a Airbus para a compra de aviões para voos de longo curso, 787 ou A350, respectivamente. Esses planos foram abortados?

Constantino: Nosso plano estratégico não passa mais por operações de longo curso. O nosso crescimento está limitado ao alcance do 737 Nova Geração. Qual foi
a nossa estratégia em relação a esse mercado? As parcerias. Elas geram uma receita adicional porque usamos a força de vendas da Air France KLM e da Iberia na Europa, vendendo Gol como destino no Brasil, por exemplo. E a integração dos
programas de milhagem atende uma grande aspiração do cliente Smiles. Com isso,
captamos parte do benefício da operação de longo curso, que seria essa geração de
demanda e a lealdade do cliente, sem o risco inerente à duplicação da frota e ao
voo internacional.

Valor: Há planos de novos voos para o Caribe?

Constantino: Estamos desenvolvendo essas rotas. Começamos essa operação em
meados de 2009 e a ideia é, provavelmente, abrir mais um ou dois destinos para lá
ainda em 2010, mas não tenho condições de antecipar quais.
Valor: E o mercado doméstico?

Constantino: Analisamos a possibilidade de três voos. Um já aconteceu que é
Bauru, aberto no dia 3 de fevereiro. E estamos estudando mais dois com características parecidas, ou seja, em cidades localizadas numa área de influência importante, capaz de gerar demanda.

Valor: O senhor tem se encontrando com o Guilherme Paulus, da CVC, para comprar a Webjet?

Constantino: Eu me encontro com o Guilherme Paulus pelo menos uma vez por
mês há um ano e meio porque a gente tem estabelecido uma relação de confiança
e aproximação entre CVC e Gol. Tem sido um contato bastante positivo e bom, mas a Webjet não entra na questão.

Valor: Faz parte dos planos da Gol crescer por meio de aquisições?

Constantino: Não temos avaliado possibilidades de aquisição no momento.
Estamos muito focados em aprimorar os nossos serviços e em alcançar alguma
redução de custo a mais, que entendemos que é possível e importante para
continuar estimulando a demanda por passagens aéreas, transferindo essa redução
de custos para o preços dos bilhetes. Hoje o plano da empresa é buscar a expansão com base no crescimento orgânico do próprio negócio. Enxergamos que há um potencial enorme.

Valor: Com a iminência de ser aprovada a lei que permite a ampliação da participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas de 20% para 49%, alguém bateu na porta da Gol?

Constantino: Não. Mas nós entendemos que é uma medida adequada, que amplia a possibilidade de captação das empresas brasileiras. A aviação é um setor altamente demandante de caixa, de investimentos pesados. É positivo de uma maneira geral.

Valor: Há planos de novas ofertas de ações em bolsa em 2010?

Constantino: Não, em princípio não. Nossa última oferta tinha como objetivo
ajudar a empresa a ter em caixa o equivalente a 20% do faturamento dos últimos
12 meses. Fechamos o ano nessas condições, ou próximo disso. E a empresa tem
sido geradora de caixa nos últimos cinco trimestres divulgados. Quando
divulgarmos o quarto trimestre de 2009, serão seis. Então não enxergamos hoje a
necessidade de uma nova emissão. Naturalmente que isso é dinâmico.

Valor: Depois da guerra de tarifas até outubro de 2009, as empresas fizeram fortes reajustes e passou-se a falar em recomposição de preços. Isso será possível, mesmo diante da competição com as empresas menores?

Constantino: A principal competição existe entre os dois maiores competidores
[Gol e TAM]. Os pequenos naturalmente têm uma influência, têm ajudado a estimular a demanda. Mas eles visivelmente estão comprando participação de
mercado e estão admitindo um prejuízo atrelado a esse crescimento. Então, em
algum momento, terão que garantir retorno sobre os investimentos. Mas a nossa
perspectiva de yield médio [quanto cada passageiro paga por quilômetro voado]
para este ano é muito próximo de 2009, ou seja, não estamos prevendo grandes aumentos de preço. Talvez não tenhamos espaço para reduzir muito mais do que já temos hoje. Mas se imaginarmos que temos um processo inflacionário, o valor
corrigido vai ser menor.

Valor: O ano passado foi marcado por um avanço grande de OceanAir, Azul e Webjet, e uma perda da fatia do duopólio formado por TAM e Gol. Como será em 2010?

Constantino: Não vamos colocar o duopólio como sendo um corpo só. São duas
empresas diferentes. A Gol passou por um período de ajuste de malha no fim do processo da Varig, quando a participação de mercado caiu para 37%. Depois, voltou para os níveis equivalentes à combinação entre Gol e Varig, que seria 41% a 42%, e mantivemos esse nível desde abril do ano passado. E a TAM caiu de 54% para 43%. Então toda essa perda do duopólio se deu de um lado do duo.
Valor: Como o sr. se vê no futuro da companhia?

Constantino: Não diria que temos um plano pronto de sucessão, mas temos um
comitê que é responsável por isso.

Valor: Qual é o seu desejo pessoal?

Constantino: Tenho que colocar dois chapéus, o de acionista e o de executivo. Se
um dia eu perceber que a pilha está acabando ou que minhas virtudes não são mais
tão relevantes para a empresa, que ela está em outro momento, provavelmente o
chapéu de acionista vai substituir o de executivo, porque o grande objetivo é
garantir a sobrevivência da empresa. Mas não tenho um horizonte para isso.

Valor Econômico

Tam tem voo entre Porto Alegre e Montevidéu com Pluna



A Tam oferece a seus clientes o novo voo direto que liga Porto Alegre a Montevidéu, capital do Uruguai, operado pela sua parceira uruguaia Pluna desde o dia 10 de fevereiro.
As duas companhias ampliaram acordo de compartilhamento de voos (codeshare) firmado em novembro de 2008, que agora permite à Tam vender, com o código compartilhado JJ*, assentos nos modernos jatos Bombardier CRJ 900 NextGen, de 90 lugares, operados pela Pluna nessa nova rota.

Numa primeira fase, a Pluna vai operar seis frequências por semana. De terça-feira a domingo, comercializados pela Tam com o código JJ* 8394, os voos partirão do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, com destino ao Aeroporto Internacional de Carrasco, no departamento de Canelones, próximo a Montevidéu.

No sentido inverso, de Montevidéu a Porto Alegre, os voos serão realizados de segunda a sexta e domingo e serão vendidos pela Tam com o código JJ* 8395. A partir de abril deste ano, os voos serão diários.

O vice-presidente Comercial e de Planejamento da Tam, Paulo Castello Branco, afirma: "A ligação aérea direta da capital do Uruguai com a do Estado do Rio Grande do Sul por meio da ampliação da parceria com a Pluna faz parte da nossa filosofia do "Espírito de Servir", de oferecer voos da melhor conveniência para nossos clientes".

O diretor de Projetos Comerciais da companhia uruguaia, Roberto Luiz, assinala: "Para a Pluna, a ampliação do acordo é uma demonstração da confiança mútua que construímos, atendendo os passageiros da Tam e consolidando uma aliança com grande potencial para oferecer mais e melhores serviços nos mercados das duas empresas".
Mercado e Eventos

Piloto suicidou-se após queda de aeronave



O Instituto Nacional de Emergência Médica informou hoje que o piloto da aeronave que se despenhou esta tarde ao tentar aterrar no Aeródromo Municipal de Tires, em Cascais, se suicidou com um tiro na cabeça depois de o avião cair, avançou o “Público”.

De acordo com os bombeiros, avança a TSF, os três feridos sofreram ferimentos ligeiros e foram assistidos no local. A Aeronave era proveniente do Aeródromo de Évora, onde funciona a Escola Civil de pára-quedistas.
A Bola

Pássaro faz avião da TAM retornar a aeroporto em Goiânia



Um avião da TAM retornou ao aeroporto de Santa Genoveva, em Goiânia (GO), pouco tempo após a decolagem após atingir um pássaro. As informações são do Batalhão do Corpo de Bombeiros do aeroporto, que foi acionado para atender a ocorrência.

Segundo a Corporação, o avião decolou às 13h44 e tinha como destino o aeroporto de Congonhas, em São Paulo. No entanto, pouco tempo depois, o piloto relatou que iria retornar à Goiânia porque atingiu um pássaro, que teria entrado na turbina.

Todos os órgãos de segurança foram acionados, inclusive ambulâncias, mas, conforme os bombeiros, nada foi utilizado. Às 14h30, o avião pousou com segurança.

Procurada pelo iG, a TAM disse que ainda estava investigando as circunstâncias do incidente e não se pronunciou sobre o assunto.

IG

Pane da Gol dura 10 horas e atrapalha voos

Reprodução
Pane da Gol dura 10 horas e atrapalha voos

Avião à vapor!


Popout

Isso em 1933!

EDITAL DO LEILÃO PUBLICADO NO ESTADÃO DIA 07.02.2010



Duque Estrada

Responsável da Star Alliance defende fusões para salvar a aviação


“Vai ser difícil recuperar. Nunca foi tão difícil”. Foi desta forma, que Christopher Korenke, vice-presidente comercial da Star Alliance, classificou a recuperação do setor de aviação. O responsável falou na última quinta-feira no 3º Salão de Viagens de Negócio, em Lisboa, através de vídeo-conferência. Korenke frisou que o maior problema das companhias aéreas “não é a crise econômica” mas sim “o fato dos governos não criarem leis que permitam a união entre transportadoras de diferentes continentes” reforçando a importância dos codeshare no mercado africano.“O futuro está nas fusões”, frisou, adiantando que “as companhias têm de trabalhar juntas para melhor satisfazer o cliente e assim prestar um melhor serviço. A salvação do setor está nas parcerias. As sinergias resultam numa melhoria do produto”.

Christopher Korenke alertou para o fato de existirem mais de mil companhias aéreas sem força para competir no mercado. Reforçou ainda o fato do petróleo custar um terço dos custos operacionais das transportadoras. Como solução para sobreviver à crise, Korenke aponta a inovação e a adaptação à realidade do mercado, dos novos passageiros. “Acredito que temos futuro e que temos um futuro muito positivo no segmento dos negócios”. Sobre o ceticismo de muitos, lembrou que “a aviação tornou possível a globalização, a troca de culturas, o intercâmbio entre povos. Nenhum outro setor fez o que nós fazemos”.

Em tom irônico, Korenke recordou que o setor já teve várias crises: “Agora temos a recessão! O que vem a seguir?” A saída passa por todos os intervenientes, incluindo agentes de viagens, aeroportos e governos: “Não queremos dinheiro dos governos, queremos leis que permitam que o setor se desenvolva e se adapte às novas exigências de mercado. Vai ser duro, mas vamos conseguir através de uma oferta competitiva e de qualidade”.
diário de turismo

Atenção Aeronautas do Grupo VARIG (Varig, Rio Sul , Nordeste e Varig Logística)

O SNA alerta para o vencimento do prazo prescricional para ajuizar as ações trabalhistas contra O GRUPO VARIG E SUCESSORAS que estará prescrevendo no mês de Junho/2010.

Esclarecemos que o prazo prescricional foi interrompido pelo protesto judicial processo n. 00788-001-10-00-1 proposto pelo SNA perante a 1VT de Brasília/DF, em Junho de 2008, no entanto, com o reinicio da contagem do prazo iniciando da data de interrupção, o prazo de 02 anos para ajuizamento das reclamações trabalhistas, terá seu termo final em Junho de 2010.

O SNA disponibilizará seu departamento jurídico aos aeronautas do grupo Varig, para ajuizamento das ações trabalhistas.


CANHEDO PERDE DE NOVO EM BRASÍLIA


T J
Publicação: terça-feira, 09 de fevereiro de 2010

Arquivo: 741 Publicação: 1

COORDENADORIA DA SEGUNDA SEÇÃO SEGUNDA SEÇÃO RECLAMAÇÃO Nº 3618 - SP (2009/0156518-2)

RECLAMAÇÃO Nº 3.618 - SP (2009/0156518-2) RELATOR : MINISTRO FERNANDO GONÇALVES RECLAMANTE : AGROPECUARIA VALE DO ARAGUAIA LTDA - EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL ADVOGADO : CLÁUDIO ALBERTO FEITOSA PENNA FERNANDEZ E OUTRO(S) RECLAMADO : JUIZ DA 14A VARA DO TRABALHO DE SÃO PAULO - SP INTERES. : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO INTERES. : SINDICATO NACIONAL DOS AERONAUTAS INTERES. : SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DO ESTADO DE SÃO Superior Tribunal de Justiça PAULO ADVOGADO : FRANCISCO GONÇALVES MARTINS DECISÃO Trata-se de reclamação apresentada por AGROPECUÁRIA VALE DO ARAGUAIA LTDA - EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL contra atos do JUÍZO DA 14ª VARA DO TRABALHO DE SÃO PAULO que estariam infringindo a autoridade da decisão proferida por esta Corte no CC nº 105.345/DF. Aduz a reclamante que, no julgamento do referido conflito de competência, em decisão monocrática da lavra desta relator ia, decidiu-se pela competência do Juízo de Direito da Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Distrito Federal e que o comando inserto no referido decisum não está sendo cumprido, uma vez que "o Juízo da 14ª Vara do Trabalho de São Paulo, apesar de declarado incompetente por decisão desse E. Superior Tribunal de Justiça, insiste na prática de atos de execução sobre o patrimônio da Reclamante, em manifesta afronta à autoridade do decidido no mencionado Conflito de Competência nº 105.345-DF, pretendendo, agora, levar o patrimônio da Reclamante à venda" (fls. 8) Pede, em caráter liminar, a suspensão de todos os atos executórios incidentes sobre o seu patrimônio e, a final, sejam cassados os atos até aqui praticados no mesmo sentido. A irresignação não merece acolhida. Com efeito, em que pese o aparente descumprimento do comando exarado por esta relatoria no Conflito de Competência mencionado, há de se destacar que nos autos do CC 105.345/DF foram interpostos agravos regimentais pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO e SINDICATO NACIONAL DOS AERONAUTAS, os quais foram providos para reconsiderar a decisão então agravada e, em seguida, não conhecer do conflito aventado (AgRg no CC 105345/DF, de minha relatoria, Segunda Seção, julgado em 28/10/2009, DJe 06/11/2009). No acórdão do agravo regimental restou consignado que embora o Juízo da recuperação judicial seja competente para decidir acerca do patrimônio da empresa, mesmo que já realizada a penhora de bens no Juízo Trabalhista, na hipótese posta a deslinde os bens foram adjudicados em data anterior ao deferimento do processamento da recuperação judicial, o que leva a conclusão de que a Justiça do Trabalho deve prosseguir no julgamento dos demais atos referentes à adjudicação. Nesse contexto, tendo em vista a modificação do julgado tido por descumprido e o esclarecimento no sentido de que, nos atos referentes à adjudicação, a competência permanece com a Justiça Trabalhista, não há falar em atentado à autoridade das decisões desta Corte, o que implica reconhecer ausente o necessário requisito do cabimento. Nos termos do artigo 557 do Código de Processo Civil, nego seguimento à Reclamação. Publicar. Brasília, 04 de fevereiro de 2010. MINISTRO FERNANDO GONÇALVES, Relator

Duque Estrada

Jet Blue: Airbus A320 recebeu pintura alusiva.

A nova iorquina Jet Blue está para comlpetar seus 10 anos de atividade.

Para celebrar a data, um dos seus Airbus A320 recebeu pintura comemorativa.

JetBlue


Baboo = Embraer 190


O Embraer 190, da companhia suíça Baboo, que arrancou no último dia 10 com destino a Genebra a partir de London City Airport, foi a primeira aeronave deste modelo a desembarcar no aeroporto, apenas alguns dias após a obtenção da certificação do Embraer 190 para operar na LC.


Sua pista é apenas 1650 metros, está localizado ao lado do Tamisa a poucos passos do centro da capital, e também está praticamente inserida no tecido urbano da cidade.


Esses fatores determinam que o seu desembarque são feitos com uma ladeira íngreme, que exige que o plano seja aprovado pela European Aviation Safety Agency (EASA) para realizar tal manobra. O Embraer 190 que substitui o Baboo aviões Q400 da Bombardier que operam na rota. Também aumentar a sua capacidade, uma vez que tem uma centena de lugares, enquanto o Q400 só pode transportar 74 passageiros. Baboo tem três Embraer 190, que são equipados para fazer uma aproximação íngreme.

Editora: JFG

bombeiros do aeroporto de Barcelona doam mais de 6.000 € para os Médicos Sem Fronteiras


Em 10 de fevereiro bombeiros do Aeroporto de Barcelona doaram aos Médicos Sem Fronteiras um cheque no valor de 6.540 €, para projectos de ajuda ao Haiti.

O dinheiro foi angariado através da venda de calendários após o terremoto do Haiti.

Alguns usuários do aeroporto também forneceram doações para a iniciativa espontânea.

Na foto membros do Serviço de Salvamento e Combate a Incêndio (SSEI), acompanhado pelo chefe de Recursos Humanos Aena, Lorenzo Sanz, que fez uma apresentação de seleção para Antonio Luna, representante da organização Médicos Sem Fronteiras em North Park SSEI Aeroporto de Barcelona.




Passageiros de ônibus que interliga aeroportos em SP são assaltados


Assaltantes embarcaram em coletivo que deixou Cumbica às 9h. Foram roubados todos os pertences, como notebooks, e valores.

Um ônibus que faz a interligação entre os aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, e Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, foi assaltado na manhã desta sexta-feira (12), de acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo. Ao menos 35 pessoas, entre passageiros e tripulantes de diversos voos recém-chegados, teriam subido no coletivo, que deixou Cumbica por volta das 9h.

Segundo a secretaria, em um determinado ponto do trajeto, dois passageiros do ônibus anunciaram o assalto e ordenaram para que o motorista alterasse o itinerário. No caminho, um terceiro assaltante teria subido no ônibus. Foram roubados todos os pertences, como notebooks e câmeras, e valores dos passageiros. O roubo está sendo registrado na delegacia do aeroporto de Cumbica.
G1

Entregas dos Correios têm atraso em sete Estados



Devido à falta de aeronaves cargueiras no mercado, sete Estados brasileiros estão enfrentando atrasos na entrega de cartas e encomendas pelos Correios. No Acre, onde a situação é mais crítica, os envios via Sedex, previstos para entrega em 24 horas, estão demorando até oito dias úteis.

Roraima, Amazonas, Rondônia, Ceará, Mato Grosso e Santa Catarina também estão sofrendo com a demora. Segundo os Correios, acidentes e restrições de segurança impostas pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) são o motivo para o atraso no serviço.

O problema começou em outubro de 2009, quando a empresa Beta foi considerada inidônea e o serviço aéreo exclusivo de cargas foi suspenso no AC, em MT e em RO.

No Acre, os atrasos na entrega estariam ocorrendo também por terra, por problemas de gestão interna da ECT, conforme afirmou a deputada federal Perpétua Almeida (PC do B-AC), que disse ter se reunido com a diretoria nacional da empresa para tratar da questão. Os Correios, por meio de sua assessoria, negaram o problema.

Em dezembro, foi a vez de RR e AM, atendidos pela TAF (Táxi Aéreo Fortaleza), ficarem sem o transporte de cargas após o acidente de duas aeronaves e o recolhimento de outra para manutenção. A reportagem não conseguiu falar com a TAF.

Segundo o diretor regional dos Correios no Amazonas, Ageu de Siqueira Cavalcanti, Manaus recebe em média 400 mil objetos/dia e os atrasos do Sedex podem chegar a três dias úteis. "A previsão que nos deram para regularização é de 60 dias. É provável que sejamos forçados a rescindir o contrato e fazer nova licitação", disse.


De acordo com um empresário do setor ouvido pela reportagem, o valor de referência exigido pela ECT (Empresa de Correios e Telégrafos) nas licitações muitas vezes não compensa o custo operacional.

"A empresa não consegue rentabilizar a linha e quebra. O custo é muito alto. Só a manutenção, que precisa ser feita a cada dois anos, custa US$ 600 mil", disse Daniel Winocur, diretor-geral da Total, responsável pela rota de SC, que também está com atraso.

O problema nesse Estado começou no início de janeiro. O motivo foi o término do prazo para a Total instalar os abafadores de ruídos exigidos por norma internacional.

A empresa está sublocando uma aeronave para suprir a falta e já encomendou outra do exterior para normalizar o serviço após o Carnaval.

"Estamos pagando penalidades altíssimas, que chegam a 100% do valor do contrato", disse Winocur.
administradores