PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM
PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

quinta-feira, 11 de março de 2010

Ryanair novamente rechaça paralização da TAP e coloca-se `a disposição dos passageiros TAP


A Ryanair lançou hoje NOVAMENTE um comunicado em que "censura" diretamente a greve anunciada dos pilotos da TAP: "Pretendendo um aumento salarial superior ao proposto pela Administração da TAP e que já em si estaria em contradição com o Plano de Estabilidade e Crescimento do Governo, os pilotos da TAP decidiram atribular os planos de viagem de milhares de portugueses na época da Páscoa", comenta Daniel de Carvalho, diretor de comunicação da companhia.

A Ryanair sublinha disponibilizar "23 rotas 'livres de greves' a partir do Porto e 30 a partir de Faro" e aproveita a greve como GOLPE PUBLICITÁRIO de uma das suas quotidianas promoções, desta feita com voos desde €8 para viajar em Abril e Maio garantindo aos seus passageiros que "não ficarão em terra em resultado de greves de pilotos. Detalhe": a promoção não é válida para viagens na época festiva. Saliente-se, porém, que a Ryanair, em Portugal, só tem rotas via Porto e Faro.

"É inacreditável que um pequeno grupo de pilotos ao serviço de uma companhia que já está em situação de falência técnica esteja agora a exigir aumentos salariais no período de recessão que atravessamos. A Ryanair congelou os salários dos seus gestores e demais pessoal em 2008 como resposta à recessão. Os passageiros portugueses já pagam elevadas tarifas e suplementos de combustível à TAP e, como resposta, vêem os seus planos de viajem afectados com mais uma greve de pilotos. Daniel de Carvalho, pela Ryanair, dixit.

Embraer ERJ-190 da Jetblue com fumaça na cabine



No último Sábado 06, um Embraer ERJ-190 da Jetblue decolando de San Juan Porto Rico com destino a Fort Lauderdale, com35 passageiros e 4 tripulantes , após a decolagem foi notificada fumaça na cabine, a tripulação decidiu retornar a San Juan, onde fez um pouso seguro. A evacuação transcorreu sem incidentes.

Agência proíbe cobrança de adicional de combustível




A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) divulga hoje a proibição da cobrança de uma taxa conhecida como adicional de combustível nos preços das passagens aéreas internacionais e nos fretes de cargas aéreas.

As companhias aéreas que voam para o exterior e as de transporte aéreo deremessas terão 90 dias para se adaptarem, após a publicação da medidano Diário Oficial da União, o que deve acontecer hoje.

"O objetivo é disciplinar as informações prestadas ao passageiro. Quanto mais transparência houver para o consumidor, mais eles poderão comparar(preços) e estimular a concorrência", responde o superintendente de Regulação Econômica e Acompanhamento de Mercado da ANAC, Juliano Alcântara Noman, ao ser questionado se a proibição poderia baratear os preços das passagens internacionais ou coibir a formação de cartel nosetor de cargas.

Em janeiro, a Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, concluiu parecer no qual pede a condenação de sete companhias aéreas por formação de cartel. Esse documento foi encaminhado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

São citadas no parecer do SDE a ABSA, Air France, Alitalia, American Airlines, KLM, VarigLog e United Airlines.Elas só vão se pronunciar após a decisão do Cade e podem ser multadasem até 30% do seu faturamento no setor de cargas, no Brasil. Quinzeexecutivos e funcionários dessas empresas também poderão ser multadosem até 50% do valor aplicado à companhia.

Investigaçõesque duraram dois anos apuraram que essas empresas teriam usado o adicional de combustível, uma taxa que oscila entre US$ 0,10 e US$ 0,60por quilo, para combinar preços comuns entre elas por meio de troca de e-mails. A SDE obteve cópias desses e-mails após a realização de operações de busca e apreensão de documentos nas companhias, no Brasil.A Lufthansa Cargo e a Swiss International Airlines também estavam sendo investigadas, mas não entraram na lista da SDE que pede a condenação do cartel.

Nocaso das passagens aéreas internacionais, o diretor da ANAC não soube estimar o valor do adicional de combustível que era embutido nospreços. Como exemplo hipotético, cita que algumas empresas cobravam US$500 só pelo bilhete e US$ 200 de taxas, incluindo o adicional de combustível. De acordo com Noman, o valor específico dessa taxa varia conforme o destino e a depende da política de cada companhia aérea.

Valor Econômico

Centro de Medicina Aeroespacial comemora 75 anos

O Centro de Medicina Aeroespacial (CEMAL) comemorou 75 anos de existência em fevereiro (12/02), com uma série de eventos e lançamento de um selo comemorativo.

O CEMAL tem por finalidade: realizar estudos e pesquisas no campo pericial, voltadas para a medicina aeroespacial, controle médico do pessoal aeronavegante, civil e militar, por meio de inspeções de saúde ou por outros meios de avaliação.

Sua representatividade junto à sociedade brasileira se faz maior quando promove o aperfeiçoamento e a especialização dos recursos humanos na área pericial; e promove a cooperação com os órgãos responsáveis pela segurança de vôo, objetivando a otimização do desempenho psicológico e físico dos aeronavegantes.

No dia 9 de fevereiro houve uma Jornada Científica sobre temas de interesse na seara da Medicina Aeroespacial, com a participação de representantes da Diretoria de Saúde da Aeronáutica, do Instituto de Psicologia da Aeronáutica, do Instituto de Medicina Aeroespacial Brigadeiro Roberto Teixeira, da Odontoclínica de Aeronáutica de Brasília, do Instituto de Biologia do Exército, do Instituto Médico Legal do Distrito Federal, da Sociedade Brasileira de Medicina Aeroespacial Civil, da Psychomedics do Brasil, da Universidade Estácio de Sá, da Aeroespace Medical Institute (USA) e da Wright State University (USA), entre outros, além de empresas aéreas, como TAP Air Portugal, TAM Linhas Aéreas, GOL Linhas Aéreas, Aeromexico.

No decorrer da semana comemorativa, para resgatar, preservar e divulgar a memória da história da Medicina Aeroespacial e desta Unidade, foi inaugurada a Sala Histórica “Brigadeiro-Médico Roberto Carvalho da Motta Teixeira”.

No dia 12 de fevereiro houve o lançamento do “Marco Histórico” dos 75 anos, do “Selo Comemorativo” alusivo ao Jubileu, ofertado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, e a solenidade militar, com as presenças do Tenente-Brigadeiro-do-Ar Antonio Gomes Leite Filho, Comandante Geral de Apoio, do Major-Brigadeiro-do-Ar Hélio Paes de Barros Júnior, Diretor de Material Aeronáutico e Bélico, do Major-Brigadeiro-do-Ar Élcio Picchi, Comandante do Terceiro Comando Aéreo Regional, do Major-Brigadeiro-Intendente Pedro Norival de Araújo, Diretor de Intendência, do Major-Brigadeiro-Médico José Antônio Monteiro, Diretor de Saúde, e oficiais generais da ativa e da reserva das três Forças, além de diversas autoridades.

A estampa do selo é composta pela imagem facial de três personagens: Santos Dumont, Pai da aviação; seguido do Major Brigadeiro Ângelo Godinho dos Santos, Patrono do Serviço de Saúde da Aeronáutica e primeiro diretor do CEMAL quando ainda se denominava Instituto de Seleção, Controle e Pesquisa; e O Primeiro Tenente Médico Mário Pontes de Miranda, primeiro médico de aviação da América Latina. Ainda no selo estampada a figura de duas estrelas, representando o comando de Brigadeiro. Destas duas estrelas saindo um rastro de fumaça deixado por dois aviões estilizados, que representam a aviação civil. Estes rastros de fumaça de ambos formam o desenho da letra “C” de CEMAL.

Historicamente, a experiência decorrente do emprego inicial da arma aérea nos conflitos demonstrou a necessidade de estabelecer-se rígida seleção e controle de aspectos psicofísicos dos aeronavegantes. Acompanhando essas tendências, o Brasil criou, em 13 de fevereiro de 1935, o Departamento Médico da Aviação Militar – primeiro núcleo de seleção médica do pessoal de voo, que já possuía, inclusive, a atribuição de estudar e aperfeiçoar índices e padrões.

Depois de diversas reestruturações, em 21 de maio de 1971, pelo Decreto nº 68.648, esta Organização passou a ser designada Centro de Medicina Aeroespacial.


CEMAL e CECOMSAER

Voos regionais são alvo de disputa das aéreas

SÃO PAULO - O segmento de aviação aérea regional está em polvorosa pelo aumento da concorrência, e a líder do setor, pertencente ao Grupo Capriolli, a empresa Trip Linhas Aéreas pretende dobrar o número de aeronaves em quatro anos, sendo que a perspectiva para o ano que vem é atingir o faturamento de R$ 1 bilhão, ante a previsão de R$ 700 milhões para 2010, quando espera crescer até 50%. A companhia, que ainda estuda abrir seu capital, é um exemplo de como está aquecido esse mercado, no qual concorrentes como Sol Linhas Aéreas e Passaredo Linhas Aéreas também têm planos ousados de buscar aportes na Bolsa, em breve, para expandir seus domínios.

As projeções otimistas das aéreas regionais refletem os estudos da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), que apontam para o setor - que envolve mais de 20 empresas - um crescimento médio de 11% ao ano, percentual que poderia ser maior por conta da demanda no País, acredita a entidade, mas tende a ser freado por enquanto, principalmente pelas dificuldades encontradas em decorrência da falta de infraestrutura nos aeroportos brasileiros, que preocupa o setor.

No caso da Trip Linhas Aéreas, o otimismo quanto ao crescimento da empresa nos próximos anos vem, em parte, dos bons resultados obtidos pela companhia nos últimos anos, com uma média de crescimento de 50%. Somente em 2009, a empresa contabilizou um crescimento de 70% nos negócios em relação ao ano anterior, e faturou aproximadamente R$ 500 milhões - cifra que representa aumento de 56% em relação a 2008. "Mesmo com crise econômica e com os reflexos da gripe suína, que abalaram o setor de aviação, a Trip teve um ótimo ano", comemorou Evaristo Mascarenhas, diretor de Marketing da empresa, em entrevista ao DCI.

Mascarenhas contou que em 2009 a empresa fechou o ano com 27 aeronaves e 73 cidades atendidas, e já no começo deste ano a empresa recebeu mais cinco aeronaves, e ainda irá receber mais quatro, sendo que 5 destas aeronaves foram compradas da empresa brasileira Embraer, com recursos da própria Trip. "Temos conseguido fazer investimentos sem subsídios públicos, mas seria bem vinda qualquer ajuda do governo", frisou ele.

Segundo o diretor da empresa, o mercado no interior ainda é pouco explorado por companhias aéreas, e a ideia principal da empresa é justamente atender a este mercado. "O interior ainda é mal servido por transporte aéreo, queremos servir 92 cidades e 21 estados em 2010."

Além desses planos, a empresa - com mais de 11 anos de atividade no Brasil -, controlada pelos Grupos Caprioli e pela Águia Branca, ambos com tradição em transporte de passageiros, é hoje a maior companhia aérea regional do País por atender o maior número de cidades e contar com a maior frota de aeronaves regionais, e atualmente já estuda a possibilidade de abrir capital. "Existe interesse em abrir capital, já estamos estudando algumas possibilidades. No entanto não há qualquer previsão de quando isso irá acontecer", informou Mascarenhas.

A aérea também acaba de ampliar sua malha com novas rotas para o aeroporto de Guarulhos (SP). Desde o dia 1º de março, novos voos dela começaram a ligar à capital paulista as cidades de Navegantes, Joinville e Criciúma, em Santa Catarina, e a regiões mineiras de Ipatinga, Governador Valadares e Juiz de Fora. Outras que têm interligações nessas rotas são São José do Rio Preto (SP), Belo Horizonte (MG) e Londrina (PR) que também terão acesso a voos para o aeroporto paulista. "Decidimos elaborar uma eficiente rede de transporte aéreo que possa promover a integração regional com a ampliação de nossos voos no principal aeroporto do continente sul-americano", explicou o diretor.

Aquisições

Recente no mercado interno, em que passou a operar há cinco meses, a paranaense Sol Linhas Aéreas, que pertence ao empresário Marcos Solano e opera atualmente duas aeronaves - com 19 assentos -, pretende adquirir em 2010 mais três aeronaves, agora com 40 lugares. A meta é também ampliar parcerias. "Estamos estudando uma parceria com a Gol Linhas Aéreas, já que operamos em rotas que eles não voam. Também estamos muito interessados em abrir o capital da empresa", ressaltou Solano. O executivo destacou que a grande missão da empresa é continuar em operação, pois o mercado é muito disputado e dificilmente uma empresa consegue se manter sem parcerias - por isso a conversa com a Gol e com a Azul Linhas Aéreas, por exemplo.

A paulista Passaredo Linhas Aéreas, que pertence ao Grupo Passaredo, que prevê dobrar o faturamento este ano, além do número de passageiros transportados, para 800 mil, e trocar todas as aeronaves antigas (turboélice) por novas (a jato), ao passar de 9 aviões para 11, com mais assentos, afirma ter dobrado o seu tamanho nos últimos anos. Ano passado, a aérea registrou um crescimento de 70% nas operações em relação a 2008, com faturamento de R$ 110 milhões - incremento de 46% em relação ao ano anterior, comentou o diretor comercial e de planejamento da Passaredo, Ricardo Cagno.

Aeroportos

Apesar do otimismo das aéreas regionais, recentes declarações do ministro da Defesa, Nelson Jobim, sobre o governo federal não fazer concessões de aeroportos à iniciativa privada em 2010, deixando a "decisão" para a próxima administração, criaram receio das empresas regionais em relação à infraestrutura dos aeroportos secundários no Brasil.

Segundo o presidente da Abetar, Apostole Lazaro Chryssafidis mesmo se o governo investisse hoje na recuperação e modernização dos aeroportos menores, o País ainda levaria 3 anos para obter resultados. "Se continuarmos adiando as reformas necessárias na infraestrutura dos aeroportos, não chegaremos a Copa do Mundo de 2014, em condições de atender a demanda", comentou. O presidente da aérea Sol também se mostra desanimado com a decisão do governo federal. "Não há condições", disse Solano.

Com R$ 100 milhões para operar na área de aviação regional, a companhia Puma Air Linhas Aéreas inicia suas operações este mês, e contará nesta primeira etapa com uma aeronave Boeing 737-300 para seis voos diários entre Belém (PA), Macapá (AP) e Guarulhos (SP). "O projeto de expansão prevê mais três aeronaves até junho, o transporte de um milhão de passageiros nos primeiros 12 meses e faturamento de R$ 70 milhões em 2010", antecipa o presidente e também acionista da Puma, Gleison Gambogi.

Este é um exemplo da expansão das companhias de aviação regional, setor que hoje tem mais de 20 empresas. Elas concorrem em linhas deixadas pelas grandes com a crise e operam com aeronaves de no máximo 90 poltronas que circulam por aeroportos (hubs) menores. Atendem cidades de porte pouco explorados por TAM, Gol, Webjet e Azul.

A líder da aviação regional, a Trip, da família Capriolli, dobrará sua frota em quatro anos, ao chegar a 60 aviões, afirma o diretor de Marketing da empresa, Evaristo Mascarenhas. A projeção é de atingir R$ 1 bilhão, ante a previsão de R$ 700 milhões em 2010, e em breve abrir o capital. "Mesmo com crise e os reflexos da gripe suína, a Trip teve um ótimo ano de 2009."

Outra que estuda abrir o capital, apesar de operar há apenas cinco meses, é a paranaense Sol Linhas Aéreas, com duas aeronaves de 19 lugares cada. "Ainda estudamos parceria com a Gol, já que operamos em rotas em que eles não voam", ressaltou o dono da empresa, Marcos Solano.

A concorrente paulista Passaredo Linhas Aéreas prevê dobrar o faturamento e o número de passageiros transportados, para 800 mil, este ano, e vai trocar todas as aeronaves antigas (turboélice) por novas (a jato), ao passar de 9 aviões para 11, com mais assentos, este ano, diz o diretor comercial e de Planejamento, Ricardo Cagno.

Com o investimento em infraestrutura aeroportuária em cidades de porte médio, a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) prevê aumentar sua participação na aviação comercial brasileira com a Copa e as Olimpíadas. "O mercado como um todo está bastante promissor", comentou Luiz Hamilton Lima, diretor de Aviação Comercial da Embraer para a América Latina.

DCI

TAP concentra todos os voos para Paris num só aeroporto


A companhia aérea portuguesa TAP vai passar a usar o aeroporto de Paris-Orly em todas as suas ligações com a capital francesa. A TAP justifica a mudança com a necessidade de otimizar os recursos, concentrando estas ligações com a França no aeroporto preferido pela comunidade portuguesa residente em Paris.

Até ao dia 28 de Março, a companhia vai continuar com os voos diários para o aeroporto Charles de Gaulle, e a partir dessa data ficam operacionais sete ligações entre Lisboa e Paris-Orly e quatro entre este aeroporto e a cidade do Porto, no norte de Portugal.

Infraero analisa aumento do estacionamento de Viracopos


Estatal sugere a implantação de serviço de valet no aeroporto

O deputado federal Guilherme Campos se reuniu nesta quarta-feira (10/03) com representantes da Infraero em Brasília. A audiência foi solicitada para tratar do aumento do número de vagas de estacionamento no aeroporto internacional de Viracopos, em Campinas, SP. O deputado foi recebido pelo diretor comercial da Infraero, Geraldo Moreira Neves, pelo gerente de relações mercadológicas, Luciano Sotero da Paixão e pelo chefe de gabinete da presidência, General Gonçalves

Durante o encontro o próprio diretor comercial sugeriu a implantação de um serviço de valet para melhorar o atendimento aos usuários. A Infraero também vai analisar a utilização de uma área próxima à torre de controle para a criação de uma nova área de estacionamento. “Este espaço tem praticamente a mesma área do atual estacionamento e poderia aumentar muito a capacidade de atendimento”, afirma o deputado Guilherme Campos.

Com o aumento do número de vôos de passageiros no aeroporto aumentou a procura pelo serviço que tem deixado muitos usuários insatisfeitos. Segundo o deputado a Infraero se comprometeu a verificar a viabilidade do projeto rapidamente para solucionar o problema da falta de vagas.


spotting viracopos

Australiano bêbado em vôo da Singapore



Um passageiro australiano bêbado armou uma grande confusão durante um vôo da Singapore entre Barcelona e Cingapura, com escala em Milão.
Algumas testemunhas disseram que ele tentou abrir a porta de emergência durante o vôo. Mais informações e video no link abaixo.


Contato Radar

Singapore introduz novo procedimento para economia de combustível do A380

A companhia aérea Singapore Airlines e a Airbus lançaram um procedimento de decolagem aprimorado para o jato Airbus A380, que economiza mais combustível, emite menos CO2 e mantém o modelo dentro dos rígidos limites de ruído impostos pelo Aeroporto de Heathrow, em Londres.

Este procedimento economiza 300kg adicionais de combustível por voo, o que corresponde a uma tonelada métrica de emissões de CO2 em um voo para Cingapura, bem como reduz as emissões de óxidos de nitrogênio.

Agora, os aviões A380 que partem de Heathrow utilizam menos potência na decolagem, economizando combustível e reduzindo as emissões. Uma vez atingida a altitude de 1.500 pés, a aeronave utiliza uma aceleração flexível até os 4.000 pés antes de continuar a viagem. 09/03/10
mundo aéreo

Hawaiian Airlines acelera planos de expansão



A Hawaiian Airlines está acelerando os planos para expandir o serviço na Ásia e outros mercados com a compra de um Airbus A330-200 adicional além dos nove que já tem compromissos para com 2014.

O mais recente anúncio é para a compra de um A330-200 a ser entregue no segundo trimestre de 2011, a companhia disse em uma nota de imprensa

Os três primeiros A330 havaianos que se juntarão a frota serão alugados, e estão programados para chegarem em abril, maio e novembro deste ano.

"O Bom desempenho financeiro nos posicionou bem para aproveitarmos as oportunidades para crescermos o nosso negócio", disse Mark Dunkerley, presidente e diretor executivo.


Ryanair desvia pouso, porque o controlador esqueceu de trabalhar


No último Domingo....
Um avião da Ryanair que transportava mais de 300 passageiros teve que abandonar um pouso, após o controlador de tráfego aéreo ter esqueçido de aparecer para o trabalho.

A Tripulação não obteve nenhuma resposta do aeroporto de Leipzig / Altenburg na Alemanha, quando pelo rádio, foi solicitada a permissão para pousar o Boeing 737-800.

O avião teve que fazer um desvio de emergência para o aeroporto de Schoenefeld em Berlim.

'Houve um mal-entendido sobre uma escala de serviço. Há um inquérito interno ", disse Mark Asmussen, o gerente regional da Tower Company, que é uma subsidiária no serviço de controle de tráfego aéreo.

"Nada como isso já aconteceu antes", acrescentou.

Outro controlador tornou-se disponível apenas duas e meia hora depois.

Eficiência operacional é ponto forte da TAM diante de concorrência



SÃO PAULO - Apesar do comando do mercado ameaçado constantemente no caso dos voos domésticos, a TAM (TAMM4) mantém sua posição de liderança e as perspectivas para a empresa se mostram positivas. Mais do que o market share, analistas destacam a eficiência e os bons números operacionais, vistos como ponto forte em um momento de acirramento da competição do setor de aviação.

Questões regulatórias e preço do petróleo

Encontram-se atualmente em andamento projetos para modificar o Código Brasileiro de Aeronáutica, com a principal alteração em votação sendo a possibilidade de aumento do capital estrangeiro no capital votante das empresas aéreas, chegando a até 49% - atualmente o máximo é de 20%. Para os analistas do Banco Fator, Jacqueline Lison e Gustavo Lôbo, a medida teria dois impactos: por um lado aumentaria o acesso ao mercado de capitais internacionais, mas por outro poderia aumentar a competição, pressionando o yield das empresas.

A questão regulatória é citada também pelo analista do Citigroup, Stephen Trent, como um impacto que poderia afetar negativamente no preço da ação e sobretudo na rentabilidade da empresa – como uma limitação sobre determinadas rotas, por exemplo.

Os analistas da Fator citam ainda outros impactos negativos: a demanda por rotas internacionais potencialmente menor e mudanças bruscas no preço do barril de petróleo.

Perspectivas do setor
Para a instituição, o principal ponto sobre o setor de transporte aéreo é que as empresas lidarão com “a retomada da demanda limitada pelo gargalo de infraestrutura aeroportuária”.

Em 2009, o primeiro semestre foi marcado por receita e desempenhos operacionais prejudicados por ocupação restrita, ainda como reflexo da crise. Mas, a partir de julho a melhora da conjuntura ajudou a incentivar a demanda.

Jacqueline e Lôbo lembram que a restrição da demanda não teve contrapartida de redução na oferta, levando a quedas de ocupação. A situação tornou-se ainda pior pelo fato de que não foi possível realizar aumento de preços.

Outro driver que deve nortear as empresas de aviação é a competição por passageiros de negócios – “mais rentáveis, pois têm demanda menos elástica, o que permite a cobrança de preços mais altos”, explicam os analistas do Fator.

No mesmo sentido, Felipe Rocha, da Link Investimentos, ressalta a importância do segmento nos números da TAM. “No geral, os dados do tráfego de janeiro foram positivos, com crescimento forte em ambos os mercados e taxas de ocupação elevadas. Acreditamos que isso seja efeito não só da demanda de turistas devido à alta temporada, mas também de uma maior demanda de passageiros corporativos”.

Case da TAM: liderança de mercado e operações
Pelos últimos dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) disponíveis, de janeiro de 2010, a participação de mercado mostrou um novo cenário: além da concorrência da GOL, a empresa, juntamente com a concorrente, perdeu espaço para a Azul (4,99%) e a WebJet (6,68%). Com a última distribuição de slots de Congonhas, a concorrência tende a se acirrar ainda mais, com as duas empresas passando a operar no aeroporto de São Paulo.

A TAM tinha uma participação de 42,9% do mercado doméstico, contra 41,0% da GOL. A tendência dos últimos meses é de diminuição cada vez maior da distância entre as duas, com a TAM perdendo participação para a GOL.

Em janeiro, contudo, a diferença aumentou para 1,9 ponto percentual, ante 1 p.p. de dezembro. Isso se deve, em parte, ao fato das novas empresas terem abocanhado uma fatia maior da GOL do que da TAM.

Se no mercado doméstico o cenário é de competição crescente, no mercado internacional a TAM mantém a liderança isolada. Mas, apesar de deter participação de mercado mais de quatro vezes maior, a diferença diminuiu no primeiro mês – de 85%, a TAM passou a 81% do mercado. Já a GOL, subiu de 15% para 18% de market share.

Comentando a manutenção de market share ao longo dos anos, o analista do Citi afirmou que o potencial operacional da empresa é notável. “A transportadora manteve sua liderança no Brasil, enquanto a rival Varig tinha problemas financeiros”, afirma.

Mais do que o market share, o analista do Citi ressalta um dos pontos mais importantes da empresa, em sua visão, que é a melhora nas operações. “Isso está ancorado em maiores níves de ocupação, racionalização das rotas e uma certa desordem vivida por concorrentes, como Transbrasil e VASP”, enfatiza Trent.

Com relação aos novos correntes, porém, Trent vê um cenário difícil, considerando que o governo brasileiro estaria “facilitando a competição”. O analista cita a reestruturação dos slots e o possível aumento do limite de controle estrangeiro das companhias como exemplos deste aspecto. “Também me preocupa que o crescimento futuro deve vir dos competidores emergentes, como TAM e GOL servindo sobretudo rotas mais maduras”, finaliza o analista.

Riscos vão além da competição

Além do aumento da concorrência, outros dois fatores são citados por Trent: a exposição a mudanças cambiais e aos preços dos combustíveis. Os analistas do Fator adicionam ainda a dependência do crescimento da economia doméstica e internacional – apesar das boas projeções, um eventual mau momento da economia brasileira traz impactos fortes ao setor – e as limitações de infraestrutura aeroportuária.

“A estabilidade financeira da TAM poderia ser colocada em cheque no caso de uma depreciação significativa do real frente ao dólar, em função dos grandes custos denominados em dólar”, afirmou.

No caso dos preços do petróleo, o risco é menor, com o analista destacando a redução da exposição através de instrumentos de hedge realizados pela empresa.
Contato Radar

Fernando Pinto anuncia saída da TAP para 2012


A TAP está a dialogar com o Governo sobre a privatização e Fernando Pinto, CEO da companhia, acredita que a transportadora já é atractiva para muitos investidores. “A informação que tenho do Governo é que a TAP é uma empresa a ser privatizada. E agora isso também consta no PEC. Sem dúvida que tenho conversado sobre isso com o nosso ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, mas aguardo as instruções mais definitivas do Governo para iniciar o processo quando for necessário”, disse em entrevista à Lusa.

Sobre a viabilidade da TAP, Fernando Pinto lembrou que se se excluir “o tropeço das contas em 2008″, ano em que apresentaram prejuízos de mais de 280 milhões de euros, a TAP tem tido sempre “um ano melhor que o outro”.

Outro dos assunto abordados na entrevista foi a não continuidade de Fernando Pinto na TAP. O presidente garante já ter informado a tutela que quer deixar a liderança da companhia aérea no final do mandato, ou seja, daqui a dois ano. “Já informei o Governo que terminado o mandato – daqui a praticamente dois anos – acho que é o momento de passar a liderança para outro”, frisou. Recorde-se que Fernando Pinto chegou à TAP em Outubro de 2000 com o objectivo de preparar a empresa para a privatização.

“Na realidade não se tem sorte quando se enfrenta o 11 de Setembro, a gripe, a guerra, duas crises de petróleo, mais uma gripe, ataques de low-cost, enfim, tudo o que é possível”, recordou, explicando que “é muito tempo numa empresa, serão doze anos praticamente e é um sacrifício. Não é fácil. Não só são os problemas externos, são os problemas internos também. É muito desgastante, mas faz parte e eu gosto. Sinto-me motivado pelos desafios, mas é o momento em que digo: Bom é muito tempo já, é hora de formar outras pessoas para que assumam a liderança”.
Contato Radar

Investigadores russos pedem a inserção de câmeras a bordo


Investigadores russos estão pressionando a ICAO – Organização Internacional da Aviação Civil, para elaborar e aprovar um anexo que cuide exclusivamente da inserção de câmeras de vigilância à bordo das aeronaves.

O Comitê de Investigação Interstadual russo, MAK, revelou que esse procedimento ajudaria a salvar muitas vidas. Eles citam diversos casos em que o acidente em sí não contribuiu com a morte de dezenas de passageiros, mas sim os efeitos pós-acidente, como no ocorrido com um A310 da S7 Airlines, que passou da pista do aeroporto de Irkutsk, matando os 120 ocupantes a bordo.

A MAK cita que investigações revelaram que a colisão não foi o fator contribuinte para as fatalidades, mas sim o alto teor de monóxido de carbono, que envenenou todos a bordo, alem da falta de oxigênio.

Eles adicionam que a ICAO ja deveria pensar em instalar câmeras nas cabines, com suporte a som, para facilitar e ajudar no processo de investigação de acidentes aeronáuticos.

Flight life

EMBRAER ESPERA TER DUAS FÁBRICAS OPERACIONAIS EM PORTUGAL ATÉ O FINAL DE 2011, DIZ PRESIDENTE DA COMPANHIA

Frederico Curado, presidente da Embraer, deslocou-se a Lisboa para receber o Prémio Embaixador Dário Castro Alves, distinção atribuida pelo Clube de Empresários do Brasil.

O presidente da empresa brasileira - que será responsável por um investimento de 150 milhões de euros em território português -, afirmou que as duas fábricas previstas estarão operacionais até ao final do próximo ano e que a decisão de investir em Portugal foi um trabalho de equipa "sob a firme liderança" do Primeiro-ministro José Sócrates.

"A infra-estrutura municipal já está muito avançada e estamos em fase adiantada de projecto das instalações industriais, inclusive em negociação com os principais fornecedores da maquinaria a ser instalada. Esperamos ter as duas fábricas operacionais até o final do próximo ano." - acentuou.

"A soma dos dois investimentos (centro de excelência de compósitos e centro de excelência de metálicos) - disse ainda Frederico Curado - é de cerca de 150 milhões de euros, estando prevista a geração de algo como 450 empregos quando a operação estiver a pleno vapor."
IFR Online

CLONE DO BLOG direto DA pista



Prezados Leitores:

Venho por meio deste falar de um assunto extremamente desagradável.

Ontem estava navegando na internet quando descobri que existe um "clone" do meu blog.

Isso é uma coisa muito séria.

O clone do blog possui o um link muito parecido com o meu e ainda tem dois redirecionadores com o nome totalmente copiado do meu blog (www.diretodapista.com e www.diretodapista.com.br).

Ou seja, cuidado com o blog WWW.DIRETOPISTA.BLOGSPOT.COM, a diferença está apenas no "DA"... mas são trabalhos completamente distintos e eu não tenho nada a haver com esse blog.

Se você acessar o blog poderá receber que ele inclusive copia o "design"deste blog claramente, chega a ser vergonhoso.

Já estou entrando em contato com os administrados do blogspot para tentar tirar do ar o blog clonado.

Me desculpem pela aporinhação, mas eu não poderia deixar de avisa-los que existe um "falsário" na praça, a pior situação seria receber alguma responsabilidade por algo que eu não faço parte (não tenho controle sobre o que esse cara publica).

Atenciosamente,

RAFAEL MATERA

Presidente da Tam quer mais integração na aviação

Líbano Barroso, presidente da Tam
Líbano Barroso, presidente da Tam

Um dos participantes do painel de aviação do Fórum PANROTAS 2010, que ocorre na próxima segunda-feira, 15, em São Paulo, o presidente da Tam, Líbano Barroso, espera sair do encontro com uma visão de como o setor pode estar mais integrado, com todos os órgãos e players cooperando para o desenvolvimento dessa indústria.

Segundo levantamento da PANROTAS, que ouviu lideranças do setor, a variedade de players, como Infarero, Anac, Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo), Ministério da Defesa, Snea e cada empresa aérea, com instâncias diversas e a ausência de um órgão catalisador são preocupação do mercado, porque isso afeta a eficiência e a produtividade do sistema.
Como haver cooperação e sermos todos mais eficientes na aviação? É o que deseja saber e colaborar Líbano Barroso.

Para ele, hoje o maior gargalo do setor é a capacidade aeroportuária de São Paulo. O que a Anac, Infraero e o Ministério da Defesa terão a dizer sobre isso?
Líbano Barroso participa pela primeira vez do Fórum PANROTAS e debaterá com a presidente da Anac, Solange Vieira, e com seus colegas de aviação Constantino de Oliveira Jr., da Gol, Júlio Perotti, da Webjet, Pedro Janot, da Azul, José Efromovich, da OceanAir e José Mário Caprioli, da Trip. O diretor de Política de Aviação do Ministério da Defesa, Fernando Soares, também estará presente, como perguntador.

O Fórum PANROTAS acontece em aliança institucional com a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), parceria com o Ministério do Turismo e patrocínio/apoio de Gol, Itaú, Sebrae, CVC, Delta, GJP Hotéis, Sabre Travel Network, Tap Portugal, Esferatur, Rextur, Travel Ace, GTA, Iberostar, São Paulo CVB, Noah Festas, Global Team e Voice.

O Fórum PANROTAS 2010 ocorre nos dias 15 e 16, no Centro Fecomercio de Eventos, em São Paulo. Consulte a programação no www.panrotas.com.br/forum. As inscrições estão encerradas na internet e poderão ser feitas diretamente no local, sujeito a disponibilidade.
Panrotas

STJ suspende leilão de fazenda de R$ 615 milhões para quitar dívidas da Vasp

Venda judicial havia sido marcada pelo TRT de SP para quarta (10).
Há 5 mil ações trabalhistas contra a VASP que somam R$ 1 bilhão.

Aeronaves da companhia aérea Vasp, que teve falência decretada em 2008 (Foto: Monalisa Lins / Agência Estado)

Uma liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedida na noite desta terça-feira (9) suspendeu a venda judicial de uma fazenda no valor de R$ 615 milhões para quitar dívidas trabalhistas da companhia aérea Vasp, que teve falência decretada em setembro de 2008, segundo informações do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, que iria realizar a venda na quarta (10).

O G1 procurou a assessoria de imprensa do STJ para confirmar a informação, mas não localizou os assessores.

O pedido de suspensão foi feito pela Agropecuária Vale do Araguaia, dona da fazenda. A liminar foi concedida pelo ministro Fernando Gonçalves, segundo o TRT. Para o ministro, o processo tem "inúmeros vícios a macular a adjudicação da fazenda".

"Nesse contexto, diante da definitividade do procedimento de venda pública e da existência de argumentos carentes de apreciação, parece de bom governo suspender a realização do leilão da Fazenda Piratininga até que se definam plenamente os contornos do presente conflito de competência", diz decisão do STJ enviada pelo tribunal trabalhista.


A fazenda Piratininga, que seria vendida, pertence à Agropecuária Vale do Araguaia, de Goiás, ligada ao Grupo Canhedo, do empresário Wagner Canhedo, um dos acionistas da Vasp. Canhedo também é dono da empresa de ônibus Viplan, de Brasília.

Além do imóvel em si, o tribunal havia determinado a venda judicial de tudo o que há dentro da fazenda, com isso, o valor estimado foi de R$ 615,375 milhões. O lance mínimo era de R$ 370 milhões.

Entre os itens descritos estavam 47 mil vacas da raça nelore, mil bezerros, 1,6 mil touros, tratores e outros equipamentos, além de veículos, como 20 caminhões, dois ônibus e caminhonetes - confira lista completa.

Processo

A venda da fazenda Piratininga foi pedida por meio de ação civil pública pelo Ministério Público do Trabalho e Sindicato dos Aeronautas e Aeroviários, para garantir o pagamento dos direitos trabalhistas após a falência. Segundo o tribunal, o empresário Wagner Canhedo havia se comprometido a quitar os débitos, mas descumpriu o acordo.

A ação civil não faz parte do processo de falência da Vasp e foi aberta para que os trabalhadores possam receber seus direitos mais rapidamente. "Como autores da ação, os sindicatos puderam adjudicar a fazenda para que se concretizasse o objetivo da ação coletiva, que é, justamente, garantir e, por que não, pagar, sem esperar o demorado processo de falência, os créditos trabalhistas, cuja natureza alimentar não pode aguardar longos anos", explicou o tribunal em nota.


O Tribunal Superior do Trabalho (TST) havia autorizado a venda judicial, mas suspendido os efeitos práticos da venda, ou seja, o repasse de dinheiro aos ex-funcionários até que se julgasse eventual recurso dos donos da fazenda.

Segundo o TRT, há cerca de 5 mil ações trabalhistas contra a Vasp em fase de execução somente no tribunal. Significa que os trabalhadores já conquistaram o direito de receber a indenização e aguardam o pagamento. Há ainda processos contra a Vasp no Rio, Recife e Brasília. A dívida trabalhista da Vasp supera R$ 1 bilhão, informou o TRT paulista.
G1

Em SP, cresce o mercado ilegal e alvará de táxi custa até R$ 150 mil para um ponto no aeroporto de Congonhas

Com liberação pela Prefeitura de novos cadastros de taxistas, avança procura pelo documento, cuja venda é ilegal

LUCRO - Com garantia de faturamento de até R$ 400 por dia, ponto de Congonhas é cobiçado

O comércio ilegal de alvará de táxi em São Paulo é hoje bem mais comum do que parece à primeira vista, e os preços estão cada vez mais altos. Como a Prefeitura liberou há dez dias a emissão de novos cadastros de taxistas (chamados Condutáxi), há mais pessoas procurando o mercado negro de alvarás para comprar ou alugar a licença para exercer a profissão. Essa negociação é ilegal, mas taxistas e despachantes entrevistados pelo Estado, na condição de serem mantidos em anonimato, afirmaram que o preço de um alvará no Aeroporto de Congonhas - o ponto mais valorizado da cidade -, na zona sul, pode ultrapassar R$ 150 mil.

Também são praticados valores mais baratos, o que varia segundo a lucratividade do ponto aos quais estão vinculados. Nos despachantes ao redor do Terminal Princesa Isabel, na Luz, região central, vendem-se e compram-se alvarás sem ponto fixo por cerca de R$ 60 mil. O negócio é feito abertamente e basta perguntar a qualquer comerciante da região para ser levado a um dos vários escritórios especializados. "Você dá um sinal, vai na Prefeitura, arruma os documentos do alvará e, na hora de reconhecer a firma nos contratos, dá um cheque administrativo do seu banco e pronto", explica um dos despachantes.

Outra maneira de obter ilegalmente o documento é perguntando em pontos de táxi pela cidade se há alguém interessado em vender o alvará. É raro encontrar um taxista que não reaja com naturalidade à pergunta. "Tenta aquele outro ponto ali", diz um taxista em um ponto na região da Praça da República, no centro, onde o alvará com ponto fixo custa cerca de R$ 100 mil. Em regiões comerciais mais nobres, como nos shoppings da Avenida Faria Lima ou da Berrini, na zona sul, o valor pode chegar a R$ 120 mil. Mas é mesmo em Congonhas, onde é possível ganhar até R$ 400 por um dia de 12 horas de trabalho, que se vendem os alvarás mais cobiçados.

LEGISLAÇÃO

A emissão de novos Condutáxi poderá ser positiva para os paulistanos que utilizam esse meio de transporte. Graças à possibilidade legal de dois taxistas dividirem o mesmo carro em turnos diferentes, espera-se que mais táxis estejam à disposição da população em horários alternativos - o Sindicato dos Taxistas de São Paulo (Sinditaxi) estima que 5 mil dos 37 mil taxistas da cidade dividam o carro. Mas, como reflexo da medida, há a inflação no preço dos alvarás, pois a Prefeitura não emite novas licenças desde 1996. "O alvará é uma permissão de serviço público, mas já está consolidada a ideia de que é uma propriedade da pessoa", diz o superintendente da Associação Nacional dos Transportes Públicos, Marcos Bicalho.

Essa situação acaba criando distorções como a vivida diariamente pelo taxista Osvaldo (nome fictício), de 45 anos. Ele paga R$ 1 mil mensais há três anos para ter seu nome registrado como segundo motorista num alvará, que está no nome de uma mulher. "Está ficando cada vez mais caro. Inicialmente, pagava só R$ 700", diz. Com a despesa extra, Osvaldo tem dificuldade de quitar as contas do mês - ele deve quatro prestações da casa, três do carro e a conta de telefone de janeiro. "Isso é errado. O alvará não é dela, é da Prefeitura. Mas fazer o quê?"

LIMITAÇÃO

Para evitar a exploração pessoal de uma permissão pública como o alvará de táxi, há quem defenda o fim da limitação numérica ou da possibilidade de transferência do documento, que retornaria para a Prefeitura após a morte do titular. O presidente do Sinditaxi, Natalício Bezerra, discorda. "Essas pessoas falam isso porque estão doidas para adquirir um alvará e não tem por aí. Imagine se um velho de 50 anos chegasse e entregasse o alvarazinho de mão beijada para a Prefeitura. E o que ele trabalhou a vida toda?"

O Departamento de Transportes Públicos (DTP), responsável pela fiscalização dos táxis na cidade, afirmou que não emite novos alvarás porque a evolução do transporte público de São Paulo controlou a demanda por táxis. Segundo o DTP, a fiscalização do comércio de alvarás é difícil, pois só pode começar após denúncia, o que fez com que apenas 20 alvarás tenham sido cassados por esse motivo no ano passado.

ENTENDA O CASO

Para ser taxista em São Paulo: é necessário ter dois documentos especiais emitidos pelo Departamento de Transportes Públicos (DTP) da Prefeitura: o Condutáxi e o Alvará de Estacionamento.

Condutáxi: é o cadastro do motorista no sistema municipal. Para consegui-lo, basta fazer um curso de taxista em uma autoescola e ir ao DTP com os documentos necessários

Alvará: a emissão está suspensa pelo DTP desde 1996. Quem quer ser taxista por meios legais deve procurar alguém para dividir um carro ou transferir gratuitamente o alvará.
Desástres Aéreos

O primeiro avião elétrico comercial





O e430 da empresa chinesa Yuneec será o primeiro avião elétrico produzido em série que vai chegar ao mercado. Ele completou seu primeiro vôo em Junho do ano passado e deve chegar as lojas até o começo de 2011, por um preço estimado em U$89,000.


O pequeno avião de dois lugares pode ser carregado em qualquer fonte doméstica de 230 volts em 3 horas. Com a bateria cheia, ele tem uma autonomia de 2 a 3 horas de vôo o que, segundo a companhia, faz com cada hora no ar custe algo em torno de U$2. Porém, a vida útil dessa bateria é de apenas 3 anos. O avião consegue decolar a 65 km/h e atinge a velocidade máxima de 150 km/h durante o vôo.


Apesar das limitações, o avião super leve - que pesa cerca de 456 kg - merece o destaque por ser uma iniciativa muito bacana. Apesar de já ter aparecido por aí outros prótipos elétricos como o SkySpark, é sempre massa ver projetos como esse ou como o Solar Impulse dando certo.

Aberta licitação na PMRJ para contratação de Curso de Piloto de Avião e de Helicóptero



Rio de Janeiro – Encontra-se publicado o PREGÃO ELETRÔNICO Nº 006/2010 PMERJ – Tipo Menor Preço Por Lote, pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro para contratação de Serviço de Treinamento na Área de Vôo (Curso de Piloto de Avião e Curso de Piloto de Helicóptero), com valores estimados para o Curso de Piloto Helicóptero de R$ 434.600,00 e para o Curso de Piloto de Avião de R$ 494.590,00, perfazendo um valor total estimado de R$ 929.190,00.

O início do acolhimento das propostas inicia em 11/03/2010 às 09:00h até 23/03/2010 às 09:00h. A abertura das propostas ocorrerá em 23/03/2010, às 09:00h e abertura do pregão inicia às 10:00h nesta data.

O Edital e seus anexos encontram-se disponível no endereço eletrônico www.licitacoes-e.com.br, podendo alternativamente ser adquirido uma via impressa, mediante o pagamento da importância de R$ 10,00 (dez reais), na Rua Evaristo da Veiga nº 78 – DGAL/3 D-O – Centro – Rio de Janeiro – RJ, telefone 2333-2706, nos dias úteis no horário das 10:00 às 13:00 horas e das 14:30 às 16:00 horas, mediante a apresentação do carimbo da razão social da empresa e da guia de deposito bancário em conta corrente nº 03668-6, Agencia 5673, do Banco Itaú, a favor da Caixa de Economias Administrativas da Corporação (CEAC).

Piloto Policial

Temos vagas: Analista Fiscal

Candidatar-se Indicar vaga Imprimir
Analista Fiscal
Empresa: TAM Linhas Aéreas

Nível hierárquico
Administrativo (Auxiliares/Apoio)

Descrição
Superior completo em Ciências Contábeis, Administração ou Direito.Experiência na função. Conhecimento de obrigações Fiscais e Tributárias Ótimos conhecimentos do pacote oficce, principalmente excel. Experiência em regularização e legalização. Disponibilidade para viagens.

Informações referentes à empresa
A TAM Linhas Aéreas é uma empresa líder no mercado doméstico de aviação comercial e possui uma filosofia baseada na ética e no cliente. A preocupação com o passageiro e com o colaborador encontra-se presente desde os princípios mais elementares da empresa. Para sustentar seu plano de expansão, busca profissionais identificados com a sua atividade e filosofia empresarial para fazerem parte de sua equipe de colaboradores. Cadastre seu currículo e venha trabalhar conosco.

Tipo de Oportunidade
Vaga

Formação desejada
Superior Completo

Local de trabalho
São Paulo

Benefícios da vaga

Candidatar-se Indicar vaga Imprimir

Você não está logado.

1 vaga Total de 8/3/2010

Temos vagas: Despachante Operacional de Vôo (DOV)

Despachante Operacional de Vôo (DOV)




Dados da empresa anunciante
Esta é uma empresa de recrutamento e seleção que anuncia vagas de emprego e seleciona profissionais para outras empresas.

Nome: ENCONTREI CONSULTORIA



Dados da Empresa Contratante

Nome: Confidencial
Descrição Sumária: Empresa de grande porte no ramo da aviação.
Ramo de Atividade: Transportes
Porte: Grande
Nacionalidade: Brasileira


Dados da Vaga

Título da vaga:

Despachante Operacional de Vôo (DOV)

Data de entrada: 08.03.2010
Quantidade: 3 vagas
Descrição da vaga:
  • Fará a realização de plano de vôo; análise da aeronavegabilidade da frota; atividades de suporte ao despacho de vôos; demais atividades pertinentes ao cargo.
  • Experiência na área.
  • Ensino Médio completo.
Observações:
  • Benefícios: Assistência Médica / Medicina em grupo, Seguro de vida em grupo, Tíquete-alimentação, Tíquete-refeição, Vale-transporte
  • Regime de contratação: CLT (Efetivo)
Faixa Salarial: De R$ 2.001,00 a R$ 3.000,00
Idiomas: Inglês (Básico)
Áreas Profissionais: Transportes
Níveis Hierárquicos: Profissional com ensino médio/profissionalizante
Cidades:
  • RIO DE JANEIRO - RJ (3 vagas)

Opine sobre esta vaga fechar Fechar



Centro de aviação abre 20 vagas para instrutor de comissário de voo e check-in


Chances são para o Centro Educacional da Aviação do Brasil.
Candidatos podem ser de ambos os sexos.

O Centro Educacional da Aviação do Brasil (Ceab) está com 20 vagas abertas para instrutores. Entre as disciplinas que serão ministradas pelos selecionados estão postura e etiqueta, maquiagem, segurança e emergência, regulamentos da profissão, sistema de aviação civil, primeiros socorros, meteorologia e navegação aérea.


Os candidatos podem ser de ambos os sexos. Os currículos devem ser enviados para o e-mail ceab@ceabbrasil.com.br. A seleção será realizada até o dia 16 de março de 2010.

O Ceab oferece diversos cursos, como atendimento em aeroportos (check-in), inglês, sobrevivência na selva, comissário de bordo, combate ao fogo e marinharia. O Ceab fica em Pinheiros, na Zona Oeste de SP. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3081-4949.

G1

NOVA COMPANHIA AÉREA NO BRASIL


A companhia aérea portuguesa de voos fretados White Airways deve ser a próxima empresa aérea estrangeira a voar entre a Europa e o Nordeste do Brasil.

Os pilotos da White Airways treinam para operar o modelo A310, da Airbus, para 200 passageiros.

A Agência Nacional da Aviação Civil do Brasil - ANAC informou que o Diário Oficial da União publica hoje a autorização para funcionamento jurídico da White, que ainda precisa entretanto do certificado operacional e da respectiva concessão da Anac.
ifr online

Rumo ao Norte


A companhia aérea Puma Air, que atua sobretudo na região Norte, passará a fazer seis voos diários ligando Guarulhos a Macapá, com escala em Belém. A promessa é investir 100 milhões de reais nos próximos meses e adquirir mais três modelos Boeing 737-300 até junho.

Na contramão

Ao contrário do que vêm fazendo a maioria das empresas, que diminuem o espaço entre poltronas e praticamente acabam com o serviço de bordo para reduzir o preço das passagens, a Puma garante que terá maior espaço e servirá refeições nas viagens com mais de duas horas.
Direto DA pista

Tam troca Airbus por Boeing em rota para Venezuela


A partir de amanhã (sexta-feira, dia 12), a Tam substituirá as aeronaves que fazem os voos diários entre Brasil e Venezuela. O objetivo é ampliar a oferta de assentos na rota, alternativa de conexão para a Argentina, o Paraguai, o Uruguai, a Europa e todo o Brasil.

O equipamento escolhido foi o Boeing 767, com 31,4% a mais de capacidade que o Airbus 320, o que permitirá à companhia aumentar sua capacidade de transporte de 156 para 205 passageiros por voo.

"A substituição representa um aumento expressivo da oferta de assentos, especialmente na Executiva, na qual vamos quase triplicar nossa capacidade de atendimento", afirma o vice-presidente comercial e de Planejamento da Tam, Paulo Castello Branco.
Na Econômica, o número de assentos disponíveis em cada voo crescerá de 144 para 175.
Panrotas

American Airlines e Gol ampliam parceria de milhagem


As companhias aéreas American Airlines e Gol fecharam parceria que permite aos associados do programa de milhagem AAdvantage, da empresa norte-americana, o resgate de milhas para viagens em voos da companhia brasileira.

A cooperação entre as empresas, que teve início há mais de um ano, vai desde o compartilhamento de voos até vantagens aos associados Aadvantage e Smiles, o programa de fidelidade da Gol.
Panrotas

QUEDA DE HELICÓPTERO DO EXÉRCITO NO PANTANAL MATA QUATRO MILITARES


CAMPO GRANDE - Um helicóptero do Batalhão de Aviação do Exército em Campo Grande (BavEx) caiu na noite desta quinta-feira durante operação na região do Baixo Pantanal, em Corumbá, Mato Grosso do Sul. Quatro militares morreram no acidente.
Os militares estavam participando da Operação Caburé, iniciada na segunda-feira no Pantanal. Os quatro militares são do Destacamento do 3º Batalhão de Aviação do Exército de Campo Grande e da Companhia de Comando do CMO.
O acidente ocorreu por volta de 21h50m. Esquipes do Exército em Campo Grande e da aviação do Exército de Taubaté, em São Paulo, se deslocaram para a área para resgate dos corpos.
O Globo

Raúl Castro destitui ministro da Aeronáutica Civil cubana



O presidente de Cuba, Raúl Castro, fez uma nova mudança em seu gabinete ao nomear o general-de-brigada Ramón Martínez para assumir o cargo de ministro do Instituto de Aeronáutica Civil, anteriormente ocupado pelo general-de-divisão Rogelio Acevedo, informou nesta terça-feira a imprensa oficial do país.

Segundo os meios de comunicação da ilha, o Conselho de Estado de Cuba decidiu "liberar" Acevedo, que receberá "outras tarefas". No entanto, os motivos de sua destituição após 20 anos à frente da pasta não foram explicados.

Martínez, até então segundo homem na linha de comando da Força Aérea, fez cursos de piloto de helicóptero na extinta União Soviética.

Sua nomeação se soma a uma longa lista de mudanças que Raúl Castro promoveu em seu gabinete desde que assumiu a presidência, em fevereiro de 2008 (já era chefe de Estado interino desde julho de 2006, quando seu antecessor e irmão mais velho Fidel adoeceu).
Meio aéreo

Trip Linhas Aéreas inicia operações em Araçatuba



A Trip Linhas Aéreas iniciou no dia (8) as operações em Araçatuba, na rota que liga a cidade a São José do Rio Preto e Guarulhos.

O primeiro pouso na cidade foi feito com cerca de 30 minutos de atraso, exatamente às 16h15.

A aeronave utilizada tinha capacidade para 72 passageiros e não apenas 45 conforme anunciado pela companhia, que realiza amanhã (9) encontro no qual serão apresentadas as novas rotas da companhia.

O encontro acontece durante a Feicana/FeiBio 2010, feira que começa nesta terça-feira em Araçatuba.
folha da região

Tam recebe novo Airbus A319; frota soma hoje 135 jatos


A Tam recebeu hoje mais uma nova aeronave A319, vinda diretamente da fábrica da Airbus em Hamburgo, na Alemanha. O avião veio carregado com três toneladas de suprimentos humanitários coletados pela Cruz Vermelha e pelo Consulado Geral do Chile na cidade alemã. O material foi enviado ontem à noite para Santiago, no Chile, em voo regular da aérea. A ação foi coordenada pela Fundação Airbus com o objetivo de ajudar as vítimas do terremoto no Chile.

Com capacidade para transportar até 144 passageiros, o novo A319 será utilizado pela companhia nos voos domésticos. A frota da empresa passa a contar com um total de 135 unidades, sendo 128 modelos da Airbus (24 A319, 81 A320, cinco A321, 16 A330 e dois A340) e sete da Boeing (quatro B777-300ER e três B767-300).
PANROTAS

Empresa Cruiser está proibida de operar em Mato Grosso




A Anac suspendeu o certificado operacional da empresa após comprovar que a aeronave trafegava no Estado sem a inspeção de manutenção.

Avião que em fevereiro sofreu dois acidentes em MT é terceirizado pela Cruiser em MT.

A Cruiser Linhas Aéreas está proibida de operar em Mato Grosso depois que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) suspendeu o certificado operacional da empresa. A punição aconteceu após a comprovação de que a aeronave trafegava no Estado sem a inspeção de manutenção obrigatória. Assim, a empresa não pode atuar nem com aeronave própria e nem terceirizada.

De acordo com informações da Anac, a Cruiser foi avisada da punição na quinta-feira (4) à noite e, no dia seguinte, ficou desautorizada a voar.

O documento suspenso pela Anac é a Certificação de Homologação de Empresa de Transporte Aéreo (Cheta) e a punição é considerada uma medida cautelar preventiva até a companhia se regularize com o órgão.

A Anac aguarda que a Cruiser faça um plano de ações em que mostre, por exemplo, como e quando vai apresentar a manutenção da única aeronave que possui em Mato Grosso.

Na sexta-feira (5), os diretores da empresa foram ao Rio de Janeiro para se informarem sobre quais procedimentos terão que tomar.

Como a Cruiser só tem uma aeronave para trafegar no Estado, a Anac está investigando como está sendo a terceirização dos aviões pela empresa. Uma das aeronaves terceirizadas pertence a Gensa Táxi Aéreo que, em fevereiro, sofreu 2 acidentes (Cuiabá e Aripuanã) por problemas no trem de pouso. Nenhuma das ocorrências foi registrada na Aeronáutica.

A Cheta atesta que a empresa está autorizada a operar com qualidade e segurança, e comprova que ela segue todas as normas da aviação civil. Para emitir o documento, a Anac exige autorizações de funcionamento jurídico, precedidas pela análise das condições jurídicas, técnicas e econômicas.

As exigências para receber a Cheta estão baseadas no artigo 66 do Código Brasileiro de Aeronáutica, o regulamento brasileiro de homologação aeronáutica e as regras estipuladas pela Organização Internacional de Aviação Civil (OACI, em inglês).

Outro lado

Procurado ontem para se pronunciar, a direção da Cruiser, que tem sede em Curitiba (PR), se comprometeu hoje a dar esclarecimentos sobre a suspensão.
Meio aéreo